was successfully added to your cart.

DASH #26: Indie Game: The Movie

É hora de calçar seu tênis verde e colocar óculos da mais grossa armação pois essa semana o DASH é tão hipster que nem sequer vai falar de um jogo. O assunto em pauta é o documentário Indie Game: The Movie!

Juntando-se aos dashers André Campos e Ricardo Dias chega o rapaduriano de noventa e nove vidas Jurandir Filho pronto para discutir esse muito aguardado filme independente sobre jogos independentes! Quais as origens do filme, do que se trata, como ele aborda a cultura dos vídeo games e porque você já deveria ter comprado sua cópia?

Nessa conversa que compreende todos os aspectos do filme, saiba nossas opiniões sobre 0 documentário, para que tipo de público achamos que ele se adequa, quem é o vilão e quem chorou ao assistir.

E atenção, pois temos um comunicado importante sobre o DASH ao final da seção de e-mails!

Jogos Comentados

Tá No Seu Turno!

Nossa discussão continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes! Os melhores, mais relevantes e/ou mais aleatórios e-mails serão lidos na próxima edição do DASH.

Links

  • XxROXxX

    já botei meus óculos, comprei filme pra minha câmera vintage, e estou escrevendo esse comentário em uma maquina de escrever, agora vamos ouvir este dash!

  • Nossa, acertei o tema no twitter semana passada! hahahaha

    Estou ansioso pra ouvir, doei grana no Kickstarter pra esse filme e, mesmo depois de acompanhar por todo esse tempo o projeto ele satisfez o meu hype!

  • Tênis verde?? Óculos de armação grossa????
    Opa!!! Falou minha língua 😀
    Baixando e ouvindo

    • E estou meio temeroso quando ao comunicado no bloco de e-mails D:

  • inominavel

    PQP!!! eu tava pensando justamente nesse filme esses últimos dias, e agora sai um DASH com esse tema! caraca! voltando para comentar depois de ouvir!

  • Esta muito fácil descobrir os temas do Dash, André e Rick tem que disfarçar melhor. Ainda não ouvi o cast, mas sobre o filme assisti ontem, muito bom, depois volta para comentar melhor… ou…

  • Mateus Anjos

    Precisava comentar em algum lugar que o nome da minha professora está nos créditos (Adriana Kei).

    • Qual foi a contribuição dela pro filme?

      • Chuto que foi a participação no Kickstarter

    • Claudio

      Bom, colocar nome em crédito ela sabe. Mas ensinar games que é bom, nada.

  • Vírus

    Agora na expectativa do que será o Jogabilidade

    • Marcus

      Era justamente o que eu tava procurando nos comentarios. O Desh deve acabar (pelo o que eu entendi) e esse projeto Jogabilidade de longa data vai rolar.
      Resta esperar pra saber o que vai rolar.

  • dariek

    Legal,eu que nao sou muito conhecedor de jogos indies sempre gosto desses casts,e que legal,o jurandir filho ta no cast tambem.

    • Marcus

      EAUHEAUEHEAAEUHAEUEHA
      O sotaque do Jurandir é a coisa mais hilária de todas!
      Ao invés de ele falar Play Station, ele diz "pei-shteishu"!
      xD

  • "E atenção, pois temos um comunicado importante sobre o DASH ao final da seção de e-mails!"
    Coração parou! >.<

    • Mister_I

      hiato, hiato, hiato!!!!!

      • Azul_turquesa

        NÃO PRONUNCIE ESTA PALAVRA PROFANA!

    • Muito curioso para conhecer esse novo projeto!

      • Thomaz

        Será um jogo!

        • Seria foda, mas acredito que não.
          Tá mais para um site com uma parte com conteudo gerado pelos usuarios, como a wiki dentro do GiantBomb. Eles até chegaram a falar no ultimo NLNews Live gravado que tinham vontade de fazer isso e eu tinha tanta certeza que eles voltariam dessa forma que voltar só com o cast foi uma surpresa.
          Seria foda ter uma especia de GiantBomb brasileiro. E mais ainda se ele fosse comprado pela iCBS. xD

          • Caio

            Poh seria foda mesmo.

          • Marcus

            O que que é esse GiantBomb?

          • Resumindo. É um site americano com vários conteudos em videos, reviews e podcast. E dentro do site tem uma expecia de Wiki que pode ser gerada, corrigida, acrescentada tudo atravéz dos usuarios. http://www.giantbomb.com/

  • Gutto Chaos

    Parei de ouvir no final da leitura de e-mails. Ainda não assisti ao filme, então prefiro esperar para ouvir o podcast (assim como fiz em Bastion e Cave Story).

    Quando eu estiver devidamente preparado eu volto a ouvir e aí sim comentarei 😀

  • podcast quinzenal =(

    mais boa sorte nessa nova atração que esta por vir.

  • Poisony

    Putz, precisava ver esse filme. Vou arquivar esse podcast, hahaha.

  • Estou esperando o prêmio ^^

    • Já foi enviado! =D

      • Recebi direitinho ^^

        • natchy

          Só falta eles cantarem pra ti, né? 😡

          • Azul_turquesa

            Pois é! Tem que cobrar, hein? =P

  • SeoCrispim

    Grande potencial!
    Assistirei primeiro o doc. para depois ouvir o cast!

    Edit:
    Ainda não ouvi o cast inteiro por não ter tido tempo de ver o Documentário, mas já adianto logo que acho muito melhor ter um podcast por quinzena a não ter podcast nenhum.
    Se a espera de 15 dias por episódio nos dará chance de ver um novo projeto de vocês, então acho uma ótima ideia.

  • Se não me engano a HBO comprou os direitos mas vai fazer uma série de ficção sobre uma galera desenvolvendo jogos =

  • 😀 bora escutar gente, adorei o filme! Quero opiniões!

  • Diego

    Alguém sabe o nome do outro cara que estava desenvolvendo o Fez com o Phil Fisher e depois caiu fora? E por mesmo que o cara saiu do projeto?

    • Também fiquei bem curioso quanto a isso. O mais escroto é que, mesmo o cara abandonando o barco, ainda tá recebendo uma % de todo o sucesso que FEZ tá tendo agora =(

      • pfmpaulo

        Escroto nada, o Phil Fish nao parece ser nada facil de se conviver, e querendo ou nao o cara tem merito no processo criativo do jogo, nao dah pra saber a porcentagem de credito q ele tem nisso, mas ele tem.

        E sinceramente, eh bem capaz que ele tenha tido bons motivos pra abandonar o barco no meio do caminho… se o Phil quis continuar, ou ele compra parte dos direitos do cara ou dah parte do lucro. Nada mais justo.

        • RubensXD

          Bom ponto, esse seu comentário abriu meus olhos ao fato de que talvez o documentário tenha sido tendencioso nesse ponto mesmo, mostrando só o lado do Phil Fish. Talvez, como você bem observou, o outro cara teve participação importante na criação do conceito inicial do FEZ junto com o Phil e realmente mereça o crédito devido também

          • Artur Antunes

            Discordo que tenha sido tendencioso, mas se foi, é culpa inteiramente do sócio. Se o outro cara quissese mostrar o lado dele, poderia não ter impedido o documentário de mostrar o rosto e dado a versão dele. Ele só assinou o contrato depois da exposição, mesmo sabendo que o Phil poderia ser processado por isso, para sacanear o Phil de algum jeito.

          • pfmpaulo

            Tem comentario mais pra frente dizendo que ele nao foi chamado pra fazer o filme, e que agora ao invez de dizer q ele nao quis participar a nota no final diz que ele nao foi chamado, ou seja, ele nem devia saber que tava rolando isso. Nao dah pra condenar ele, dizendo que ele queria ferrar o outro por nao ter assinado antes, sem saber o porque que ele nao assinou antes e sem saber o pq eles seguiram caminhos diferentes..

    • Dei uma pesquisada aqui e o nome dele é Shawn McGrath, parece que eles se separam por divergências criativas, Phil queria fazer o jogo de um jeito e ele de outro, mas não sei direito a historia.

  • jorgequerubim

    Valeu pessoal do Jogabilidade, vocês conseguiram fazer eu compra o "To the Moon", Bastion, um ps3 pelo journey, e agora o Indie Game: The Movie. Pelo menos dessa vez a compra foi mais barata, hehehe. Valeu pela dica, muito bom esse filme, lição de vida e de dedicação!

  • Colocando meu tênis verde para me preparar.

  • Dado o alinhamento do podcast já deveria ter previsto que acabariam falando desse filme. Só não achei que fosse tão já, mas o momento é propício, visto que ele acabou de ser lançado. Tem até para vender no Steam 😀

  • Tema inesperado (até porque o filme foi lançado não tem nem uma semana), mas muito benvindo.

    Só achei que a escolha do convidado foi infeliz. Nada contra ele, mas não vejo em como o Jurandir poderia contribuir para a discussão.

    Se fosse algum desenvolvedor indie brasileiro (e hoje em dia já há alguns bem acessíveis por aqui), contribuísse melhor para a visão de alguém da área.

    Mas, hei, essa é só a minha opinião (de merda).

    • Você comentou antes de ouvir o cast? =)

      • Sim, ainda não ouvi.

        E por isso disse que não vejo em como o Jurandir poderia contribuir para a discussão. Pelo menos nesse primeiro momento.

        Digo isso porque já ouvi o 99 vidas e ouço o Rapaduracast e, sinceramente, não vejo ele como um convidado que possa acrescentar algo de relevante para esse tema em específico.

        Isso pode mudar depois que ouvir? Sim, mas é pouco provável…

        • Tranquilo. Veja o filme e ouça o cast. =)

          • Já vi o filme, comprei no "lançamento", e gostaria muito de ouvir a opinião de algum(ns) desenvolvedores indie por aqui sobre ele, o que não vi em nenhum lugar até agora.

            O documentário apresenta uma parte do que é a industria indie lá fora, mas e aqui? Seria uma visão interessante de constatar com os indies brasileiros.

            Talvez por querer tanto ouvir a opinião de quem passa pelo processo de desenvolver um jogo que tenha me decepcionado um pouco por não ter nenhum no cast…

          • O cast é sobre um documentário sobre a cena indie de games. Não sobre A cena indie de games.

            Ao ouvir o cast, você notará que analisamos Indie Game The Movie como um FILME. Como um documentário. Alguns bastidores, o que curtimos da produção, se ele pode ser visto por alguém que não conhece tão bem games, etc.

            "…pronto para discutir esse muito aguardado filme independente sobre jogos independentes! Quais as origens do filme, do que se trata, como ele aborda a cultura dos vídeo games e porque você já deveria ter comprado sua cópia?"

            O Jurandir tem um grande conhecimento sobre cinema, filmes, documentários etc… Por isso ele foi o convidado escolhido.

            Um dia vamos fazer um cast sobre o cenário indie no Brasil. Nesse caso vamos chamar algum dev tupiniquim.

  • O Nowloading acabou duas semanas depois de virar quinzenal. #medo

    • Caio Santana

      Alguém aí falou em hiato?!

  • Squallnathan

    Ainda ouvindo o cast, mas quando o André diz que o parceiro do Phil Fish não quis participar do filme, na verdade ele nem mesmo foi chamado para participar do mesmo.

    Quando o documentário foi lançado, nos créditos lia-se uma nota dizendo que o ex-sócio do Fish pediu para não participar. Contudo, 2 dias após o lançamento, fizeram uma alteração nessa nota e agora lê-se que o cara não foi chamado a participar.

    Enquanto o filme foi apresentado em festivais, nenhuma das duas mensagens apareciam nos créditos.
    tinyurl.com/7w8z85x

  • Roberto

    Da ultima vez que eu ouvi o André dizer que o podcast virou quizenal eu fiquei sem o meu podcast favorito naquela época……………Agora o medo de ficar sem o meu podcast favorito voltou…….por favor não parem com o seu projeto…..vcs são muito talentoso……na época do nowloading eu achava o Fred o melhor mas quando eu ouvi o fenixdown eu percebi que eu sentia falta demais de vcs 2.

    • zacarias

      assino embaixo

  • Sucesso mesmo com esse projeto com o jogabilida.de. Especialmente se for jogável(gostaria muito de ver um jogo produzido por vocês dois) e com um preço acessível.

    Aaahh… baixando o filme nesse momento (pela Steam! Não por torrent!)

  • André (Kumal)

    Ver o André anunciando que o podcast será quinzenal me traz más lembranças =S.
    Mas enfim, ótimo cast! A participação do Jurandir foi bem legal.
    Comprarei o documentário quando puder, meu orçamento de universitário é apertado mas esse não dá pra deixar de ter.

  • Nelio Vieiira

    Opa, tô aqui, escuto todos os sagrados episódios do Dash regularmente.

  • E ai caras, tudo bem?

    Ainda não ouvi o cast, ouvi só o feedback e o destiny e parei porque ainda não ví o filme. Verei essa semana e aí escuto o resto do cast.

    Antes de ir ao ponto principal, gostaria só de dizer que eu concordei com vocês plenamente sobre todos os defeitos e artimanhas de Diablo 3 e mesmo assim consegui gostar do jogo. Tenho plena consciência de que é um Skinner's Box, assim como qualquer MMO, e pra mim serviu pra matar a saudade desses, pois desde minha adolescência que eu não posso mais dedicar minha alma a passar de level e pegar itens. Descobri então, com o Diablo 3, que ainda tinha uma vontade suprimida de grindar por áreas genéricas matando monstros genéricos, entretanto isso não vai me manter atraído por muito tempo, já estou no level 44, terminando o Nightmare e já estou bem cansado da repetição do jogo, provavelmente cansado demais pra jogar a mesma coisa pela terceira vez.

    Vamos lá, ao ponto principal desse comentário: ouvi que vocês farão o cast quinzenalmente para ter mais tempo para outros projetos, e como fã do jogabilidade e do dash me sinto na responsabilidade de perguntar se existe algo que nós, fãs, podemos fazer para contribuir com o site, com o cast ou com o projeto novo.

    Também sou um cara com pouco tempo livre mas que não teria problemas em dedicar algumas horas no final de semana para ajudar. Eu imagino que deva ser difícil confiar projetos que são só de vocês dois a estranhos, mas eu aposto aqui na comunidade que escuta o Dash certamente tem pessoas muito competentes em suas áreas (só precisa separá-las dos malucos) e que estariam dispostas a participar.

    Bom, fica aqui minha oferta de ajuda. Entendo a decisão de fazer o cast quinzenal e confio no novo projeto de vocês pela excelência do trabalho que realizaram até agora.

    Desculpe pelo comentário infinito, e obrigado pelo conteúdo de qualidade que vocês nos oferecem. Continuem com o ótimo trabalho, seja ele semanal ou quinzenal!

    Abraço Dashers!

  • Junior

    Sobre as legendas em português, elas foram feitas pelo Arthur Protásio (Ludobardo).

    Quem quiser conhecer um pouco mais do trabalho dele vale a pena dar uma conferida no canal dele no Youtube http://www.youtube.com/VagrantBard

  • gabriel "Syv"

    Novamente surpreendido, novamente agradeço ao lado B dos games que vocês trazem para os brasileiros podcasters. manterei a frase de efeito curta para fazer peso ao lerem! =D

  • Fala aí galera! Ainda na leitura de e-mails, foi falado algo que acho muito importante: admitir que o jogo possui erros, defeitos e assumir que reconhece isso, mas mesmo assim gosta. Isso vale para TODOS fanboys (membros do Dash, eu, ouvintes…) e também para os fanboys de outras mídias. O problema para mim não é as pessoas gostarem de certas coisas, é fechar os olhos para fatos e achar que seu objeto de admiração é perfeito.

    E uma dúvida: se o cast de Diablo III não fosse escolhido pelos ouvintes, vocês o fariam? 😉

    Sobre o filme, ainda vou assistir e dificilmente vou achar ruim, já que gosto muito de documentários em geral. Mas gostei do cast! 🙂

    Quanto ao podcast passar a ser quinzenal, só tenho uma coisa a dizer: até que enfim ouviram a voz da razão! Sei que vocês tentam agradar aos ouvintes, mas isso de podcast ser "obrigado" a ser semanal, me irrita. Isso é uma receita, uma fórmula que a "podosfera" criou e foi transformada num "mandamento". Acho que cada um faz o "seu tempo". Quem gosta do Jogabilidade, sabe que vocês não trabalham SÓ com isso e possui bom senso, vai entender perfeitamente.

  • Azul_turquesa

    Não vou poder assistir tão cedo =/

  • fou_lu

    Finalmente um bom e velho Dash indie.
    PS: To com Super Meat Boy e Braid no Steam para jogar(comprei ambos no Humble Bundle), só to esperando dar uma acalmada nos jogos que estou jogando para ver se eles realmente são tudo isso mesmo que o pessoal comenta.

  • Para quem comprou: Fora o DRM, há alguma diferença entre a versão do Steam e a do site? Como extras, por exemplo?

    • Os extras da steam (ainda não assisti) são making-off, entrevistas com o cara de aquaria e o cara do canabalt, mais coisas sobre o design de meatboy e fala sobre PegJam.

      • Valeu cara! Levo muito em consideração os extras também.

        Vou pensar antes de escolher qual comprar, achei o valor um pouco alto para os padrões brasileiros. Afinal são R$ 20,00. Nem no cinema pago isso, costumo pagar R$ 10,00 no ingresso ou menos (pois meu cartão de débito dá desconto).

        Acho que vou esperar até Julho para ver se sai alguma promoção no Steam ou assistir na casa de um amigo aqui da rua que comprou.

        Um abraço!

        • Dinopron

          Cara… eu acho que vale a muito pena comprar o filme pois você vai ajudar os produtores indie de um dos poucos bons documentários sobre games, um assunto que todos nós curtimos tanto. Além disso apesar do filme ser um lançamento e possuir qualidade de Blu Ray o preço é o menor que o de DVDs, isso aumenta ainda mais o custo/benefício.

  • Tão, mas tão hipster, que é um cast de games sobre um FILME de jogos indie! Porque podcasts de games que falam de games são muito mainstream XD
    Jogabilihipster, senti sua falta! Ouvindo, depois mando um e-mail bem extenso.
    Ainda bem que depois de Diablo o cast seguinte não foi de CoD.

  • diegocbarboza

    Achei fantástico o filme. Impossível não se comover com a história do Team Meat. Pra mim eles são os protagonistas. Se o filme fosse só baseado na história deles já contaria uma ótima história. O mesmo não dá pra dizer dos outros "personagens". Inclusive, achei bem forçado o drama do Phil Fish sobre seu parceiro, ainda mais vendo como ele foi retratado como vilão e nem teve como apresentar seu lado.

    Sobre o DRM do Steam, dá sim pra ver todos os vídeos por fora. Eu copiei o arquivo pra ver na TV! O filme fica em "steamapps\common\Indie Game The Movie\data\movies" e dentro desta pasta tem uma outra pasta "Extras" com o conteúdo adicional. O lado ruim é que vendo os vídeos por fora do Steam você perde as legendas, mas procurando bem já deve dar pra encontrar as legendas por aí.

  • Gustavo SOuza

    Ótimo Cast o mesmo também do filme, que achei fantástico, porra ver a história do Super Meat Boy que é um dos jogo que eu acho fodastico, e do team meat é sensacional oque os caras passaram para chegar la, e ver o Phil com o FEZ da uma angustia foda de talvez não dar certo.

  • homerofeanor

    Caraca acabei de assistir o filme e agora ouvir o cast e realmente este é um filme excelente. É muito emocional e acho que todo mundo que se considera um gamer de verdade deveria assistir. Vlw.

  • Daniel

    É, estou baixando o filme agora, acho que vou gostar. Não sei o que vcs esperam como retorno mas me fizeram fazer o primeiro comentário em podcasts ;D
    No mais, boa sorte com a nova empreitada, não nos abandonem por aqui e repito as palavras do Jurandir, se enrolar de mais o projeto fica na gaveta!

  • Evandro

    Realmente, como o André falou, só o fato de terem tratado do assunto de uma forma tão madura sem apelar pra sentimentalismo barato o documentário já tem méritos pra caramba.

    Me emocionei foda na parte que mostra as msgs do Edmund ( que filho da puta carismático hein) pro Tommy. Da uma sentimento de "aê caralho, deu certo essa porra! \o/" muito grande.

    Achei a montagem do filme animal, em nenhum momento senti tédio ou impaciência o que costumo sentir sempre em documentários.

    Outro ponto que achei bacana na abordagem foi não ficarem polemizando contra as grandes empresas. Podiam no final por exemplo pedir pro Tommy falar sobre a EA ou a Epic pra meterem o pau mas não usaram disso pra crar polêmicas bobas.

    De resto bom cast, só erraram no convidado. Esse ai não manja nada de games muito menos de cinema. ;o)

    • Vá tomar no rabo! Aqui é elite, rapá!

      • caio

        A cara que ridiculo! O cara nem te xingou! Só não gostou da tua participação. Acontece…

        • natchy

          Cara, os dois são BRÓDER e estão sendo sarcásticos, acalma o coração! Huahuauha!

          • Caio

            Poh que merda, não sabia. xD

          • Evandro

            porra caio, cadê você ouvindo o 99vidas hein? xD

          • Caio

            hahaha vou dar uma olhada.

      • Tiago Dayrell

        Elite que joga Gears no casual, seeeei!

  • Comprei logo após ter ouvido o cast e vale muito a pena!

    Sou formado em Ciências da Computação e por nunca ter surgido oportunidade nunca desenvolvi um game na faculdade. Agora eu e mais 4 colegas de faculdades estamos pensando em desenvolver um jogo. Estou terminando Mestrado (pelo menos espero terminar esse semestre) e depois pretendo me dedicar ao jogo.

    Peguei a versão DRM-Free do site oficial e baixei a versão 1080p rapidinho, serviço muito bom!

  • beicom

    Comprei o documentário e acabei de assistir, obrigado pela recomendação.
    Por favor, não usem a maldita palavra que começa hia e termina com to.

  • Gutto Chaos

    Acabei de assistir ao filme, to indo ouvir o cast. Mas já adianto que o filme me deixou completamente arrepiado e emocionado

  • Gutto Chaos

    É exagero dizer que chorei com o filme?

    • Artur Antunes

      Eu já tava quase chorando só de ouvir os dashers falarem sobre o filme. Depois que vi, chorei mesmo.

  • Dinopron

    Eu nem ia assistir o filme pois o review do Kotaku detonou ele, disseram que tinha uma dramatização forçada, que era longo demais, que não agradava nem gamers nem o público geral, que se perdia em uma idolatria pela cena indie, que criticava as grandes produtoras de games sem mostrar o porquê dos indies serem difrentes… eu fiquei bem decepcionado, mesmo sem ter visto o filme.

    Felizmente esse não foi o caso. Enquanto assistia, mesmo procurando todos esses defeitos, eu não os encontrava. Acho que o filme tem um visual muito bonito e foi bem montado, realmente vale a pena. Além disso eu aprendi a não confiar tanto no que a Kotaku escreve (pelo menos na americana).

    Eu entendo o ódio que muitas pessoas sentem por Phil Fish (principalmente por causa daquele comentário sobre o indústria de jogos japonesa), por isso eu espero que esse documentário ajude a diminuir um pouco a quantidade de haters que ele tem, ele é só um ser humano como todos nós mas tem uma personalidade um pouco forte, isso não é nada fora do comum. Tem muita gente que se recusa a jogar Fez e assistir esse filme só por causa dele, isso é besteira!

    E… valeu André e Rick por mais um episódio de qualidade do Dash, e saibam que seus fãs de verdade (que não são poucos) irão apoia-los em QUALQUER decisão que vocês vierem a tomar, vocês tem crédito pra caralho!

    • zacarias

      Cara, mesma situação, me decepcionei com o Kotaku um pouco =/

      • Artur Antunes

        Acho meio sacanagem julgar um site por uma opinião isolada, mas depois dessa não posso negar que fiquei decepcionado com o kotaku. Eles não entenderam coisas como a cena do desenvolvedor falando mal dos titulos blockbusters é uma opinião dele e não do documentário em si, tanto que no final eles mostram que o cara se importava sim com a opinião das pessoas e queria ser valorizado.
        Como pode ter dramatização forçada em algo filmado da realidade?
        Também não encontrei nada no filme que bate com essa critica do kotaku. Que filme excelente.
        Agora sobre o Phil, eu acho engraçado ele negar que a arte do jogo é parecida com Cave Story, que não teve nenhuma influencia e ainda tem a cara de pau de falar que a industria japonesa de videogames é uma merda. Claro que não vou deixar de jogar Fez por causa disso, porém minha opinião sobre a arrogância dele não mudou, eu apenas entendi a personalidade dele.

        • Ele é arrogante, sem dúvida. Mas também acho que as semelhanças com Cave Story realmente terminam em os dois usarem pixel art (e isso porque Fez só PARECE que usa pixel art). A experiência, o fluir do jogo e tudo mais, é tudo bem diferente.

    • Pois é, depois que eu li que ele disse que os jogos japoneses são ruins e que “os gamers são as piores malditas pessoas” (quando eles falaram que iriam piratear o jogo porque não gostavam dele), e falando para que chupassem, por ele ter ganho o prêmio no Independent Games Festival perdi completamente a vontade de jogar Fez…

      Então tenho que me contentar com Sky Island, que usa a mesma jogabilidade "inovadora" de Fez e é gratuito: http://neutronized.com/games/SkyIsland/

      Quanto ao podcast, entendo a decisão de passar a ser quinzenal, mas acharia melhor se diminuissem a duração / qualidade mas que continuasse a ser semanal. Tipo, gravar por uns 15-20 min, sem edição e sem tanta pesquisa sobre o tema, só pra preencher o "vazio" que fica quando não tem cast… 😉

  • Seguindo a dica vou comprar o filme. Acho que vou pegar pelo site por ter a opção de baixar e mostrar para os amigos 🙂

    Comentando sobre o pouco que eu ouvi do podcast (até a parte que começam a falar do filme) preciso falar sobre esse hiato de duas em duas semanas hehe. Eu realmente espero que esse período maior entre uma edição e outra ajude vocês a completarem seus projetos, sei como é frustrante ter tantas ideias e planos e não poder executa-los. Muita sorte para vocês e nos vemos em 15 dias 😉

  • Zacarias

    André e Rick, espero que o "Projeto Jogabilida.de" realmente valha a pena de ter que esperar 15 em vez de 7 dias pelo ótimo podcast de vocês.

    Peço desculpas por não comentar muito nos casts, é que infelizmente os PCs que tenho acesso tem placas de vídeo ridículas, tão ridículas que, pasmem, engasgam ao abrir o site do jogabilida.de… Acabo apenas baixando pelo iTunes os casts, sem poder dar meu feedback nos comentários.

    Mas não se enganem, embora não tenha tantos comentários, o podcast de vocês é muito excelente, muito mais maduro e interessante que qualquer outro. Curto o 99vidas, mas as vezes me irrita a falta de organização e de qualidade de informação que é passada (Malz ae, Juras).

    Enfim, eu exijo que o "Projeto Jogabilida.de" seja no mínimo excelente. Só assim para valer a pena ter que esperar o dobro de tempo para ter a minha dose de informação gamer de qualidade. =)

    Abraço a vocês e sucesso pq vocês merecem.

    P.s.: Caso esse "Projeto Jogabilida.de" envolva desenvolvimento de jogos, se quiserem um desenvolvedor com uma experiênciazinha de gamedev, estamos aí, vocês sabem meu e-mail =)

  • Isso foi bizzaro!! acabo de comprar o filme e penso, "vou baixar o Dash agora" e qual é o tema?? xD
    assisti a noite passada e achei muito bom… ouvirei o dash hoje…

  • Bem, o filme é excelente, eu não tava ligado nele, mas veio um amigo maluco no facebook para mim dizendo que o filme era FODA, daí comprei na mesma hora no steam, assisti e foi FODA. Daí vi algumas pessoas e algumas críticas que não falaram tão bem, falaram que ele focaram no sentimento dos desenvolvedores de forma pretensiosa, dramatizando total, daí com isso, com essas críticas eu fiquei triste, não sei o porquê, mas fiquei, parecendo que todo o feeling que tive assistindo ele foi simplesmente descartado, mas agora que ouvi o Dash, esse feeling foi renovado, foi legal saber de vocês que curtiram da mesma forma que eu.
    Concordo com o Rick, Edmund McMillen é o mais foda! Tamo junto!

  • pfmpaulo

    O filme eh bom, mas na minha opiniao, a dramatização do caso Phil Fish e transformar o ex-socio dele em vilão foi ridiculo, primeiro pq o cara nem teve como se defender e segundo pq, serio, o Phil Fish tava numa situação melhor do que qualquer um cara. Ele tinha um escritorio maneiro, o que me deu a entender no filme eh que ele nao precisava trabalhar em outro emprego, entao ele podia trabalhar 24/7 no jogo dele e ainda pagar um programador. Ele pode pagar pra montar um estande do fez, com camiseta e tudo o +, alem de viajar pra PAX e pagar um puta hotel foda. Eu só consegui sentir raiva dele.

    Agora, eu cheguei a lacrimejar ou rir em diversas partes do filme, todas com o Edmund. Ele eh foda.

    E quem diria, um lugar onde o Jonathan Blow nao parece o mais chato. hehe

    • Gutto Chaos

      Exatamente, ali o Jonnathan Blow estava muito simpático (perto do Phil Fish, o Jon é uma Miss Simpatia)

    • O que as pessoas que criticam esse lance do Phil esquecem é que tudo ali é contado do ponto de vista do próprio Phil. Então é obvio que na situação dele, do ponto de vista dele o cara era um mega vilão.

      E pensando em manter esse conceito dos pontos de vistas dessas quatro pessoas, acho bem justo não terem pego o lado do sócio, que já não fazia mais parte daquela história.

  • inominavel

    Devidamente ouvido, mandei email sobre minha opinião.

    Boa sorte no projeto jogabilida.de! precisando de uma mão é só avisar!

  • Artur Antunes

    Finalmente o Dash voltou aos óculos de armação grossa e ao tênis verde. Não que eu não goste de jogos blockbusters, porém eu gosto muito mais quando esse podcast me apresenta algo novo e bom.
    Enfim, eu não tenho como comprar o filme atualmente (tô desempregado), por isso fui lá na locadora Paulo Coelho e fiz um empréstimo, porém pretendo pagar assim que conseguir um emprego, pois que filme foda pra caralho!
    Vocês no final não viram nenhum defeito, porém eu achei que ele poderiam ter terminado as filmagens depois do lançamento do FEZ ou pelo menos terem adicionado os dados de vendas do FEZ na edição final do filme, embora pelo que foi visto no filme, eles corriam um risco muito grande do documentário também ficar atrasado.
    Eu não acho que pessoas comuns iram gostar do documentário, mas vou fazer o teste com a minha irmã. O filme explica o que é steam e outras formas de venda, porém de forma breve para não irritar os gamers que já estão cansados de saber disso, inclusive compraram o filme pelo steam. O clima tenso para mim só engrenou do meio para o fim do filme, embora tenha sido feito de modo suave. Percebi que muita gente acho forçado algumas coisas no filme como o drama, mas para mim aquilo pareceu bem real, principalmente porque era mesmo uma obra de não ficção.

    Sobre o Dash não estar dando o resultado que vocês esperam, eu acho que é por falta de foco. Vocês querem trazer um podcast com assuntos pouco debatidos, mas ao mesmo tempo sedem quando o pessoal pede para vocês falarem de jogos que todo mundo já falou. Claro que essa é a minha opinião de merda e que vocês sacam muito mais de podcast do que eu, porém se eu tivesse no lugar de vocês, gostaria de ouvir soluções. Eu não sei do que se trata esse projeto jogabilidade, mas se é algo melhor que o Dash, minhas expectativas já são bastante altas.

  • Gutto Chaos

    Tentarei fazer minha mãe ou minha namorada assistirem ao filme, mas não sei se vou conseguir.
    Se a missão for concluída com sucesso, envio-lhes relatório via correio eletrônico.

  • Ian

    Espero que consiga cumprir sua missão.

  • Achei meio decepcionante o filme preferir ao invés de mostrar uma cena indiegame, contar 3 histórias de pessoas que, no final das contas, ficam tão obcecadas por reviews positivos e números de vendas como qq Activision da vida.

    E achei uma perda mto grande terem cortado o seguimento com o Jason Rohrer da versão final, penso que ele teria a historia e filosofia mais interessantes ou pelo menos peculiar.

    • inominavel

      Calma cara, acho que esse material vai para série que pretendem lançar após esse lançamento do filme, então todo esse materia vai ser lançando ainda.

      • Beleza, que ótimo, mal posso esperar, uhu…. mas isso não impede que eu tenha me decepcionado com as escolhas no corte final do filme.

        E sim, esse material vai estar no pacote Special Edition do filme, que embora ainda não tenha nem previsão de lançamento, eles não tem problema algum em cobrar 70 dólares de cada pre-order. 🙂

  • Rinaldo Ramone

    Okay… comprei o filme… vamos assistir…

  • Gutto Chaos

    Atualizando os relatórios: convenci minha namorada a assistir. Domingo, assim que terminarmos de assistir eu mando e-mail ou posto um comentário falando das reações e impressões dela.

    Ps. Só pra ficar registrado, ela é jogadora casual, então já está levemente inserida no assunto, e já teve contato com Super Meat Boy e Braid por minha causa, então acho que deve ser mais fácil pra ela assimilar as ideias e digerir o filme. Aguardemos.

  • Gabriel Valente

    Escutei ontem o podcast, acabo agora de assistir e só digo uma coisa: obrigado.

    Obrigado por me apresentarem esse filme que até então eu nem fazia idéia de existir. Fantástico, muito além de um "filme sobre video games". Me emocionei pra caramba assistindo.

    10/10

  • Uma coisa eu não posso deixar de falar. A paixão e animo que o André falou do filme eu não vejo ele demonstrando isso a um bom tempo, esperava ter algo assim no mês do Half-Life, mas não aconteceu. Felizmente aconteceu aqui e confeço que o filme me fez ficar assim também animado com projetos e vontade de voltar a criar meu pequeno jogo.

    Longa vida ao Jogabilidade.

  • Vinícius Monteiro

    Excelente episódio! Continuem com o bom trabalho, pessoas. 😀

  • Voltando agora para comentar melhor, alias sobre o cast como sempre muito bom, achei bem legal a participação do Jurandir, estou ansioso sobre o novo projeto de vocês, espero que de muito certo.

    Acabei me identificando bastante com esse documentário, desenvolvo jogos por hobby e sempre tenho aquele réquiem de um sonho de um dia me tornar um desenvolvedor independente, logo quando terminou o filme fiquei bem desanimado em querer continuar a fazer jogos, só de pensar o que esses caras passaram, da arrepios, mas prefiro acreditar que esses casos foram mais isolados.

    Sobre as historias, começando pelo Jonathan Blow, achei aqueles comentários dele sobre a grande maioria das pessoas ter gostado de aspectos secundários de seu jogo muito arrogante, parecia que ele estava cagando para o sucesso do jogo e toda a grana que ele tinha ganhado. Será que não era obvio que isso iria acontecer? Ou ele queria que seu jogo só fosse comprado por meia dúzia de pessoas que dão total importância para o aspecto artístico/filosófico do jogo? Apesar disso gosto muito do trabalho do cara e estou muito ansioso pelo The Witness.

    Sobre a historia do Team Meat sem duvidas a mais emocionante, principalmente pelo Edmund, acho que ele foi o único cara mais sensato do documentário, sabia exatamente o que estava fazendo e não ficou muito de mimimi como os outros, seu parceiro parece um sóciopata, até entendi sua situação no começo, mas depois que o jogo estourou o cara ficou na mesmas, se mata de uma vez. Alguém sabe o que ele esta fazendo agora? parece que ele não esta mais no Team Meat confere?

    A do FEZ foi interessante também, mas acho que faltou esclarecer melhor aquele lance com o sócio dele, não da para saber se realmente o cara foi um grande fdp ou não. Mas a jugar pelo Phil que parece ser um cara obsessivo pela perfeição da para ter uma ideia por que o outro pulou fora. Aquele lance de ele falar que iria se matar se o jogo não desse certo, acho que foi da boca para fora, ele não parece ser maluco o suficiente para isso, alias achei o cara o mais “normal” dos quatro.

  • Scyoher

    Muito obrigado pela indicação, nunca ouvi falar desse documentário, achei o filme excelente!

    Parabéns pelo podcast e boa sorte no novo projeto, estou ansioso para saber o que é o projeto Jogabilidade! Nos vemos daqui a duas semanas!

  • Caio

    Já estava com vontade de ver esse filme, agora ainda mais. Comento quando eu ver.

    Sobre o dash virar quinzenal, eu entendo. Já previa que isso iria acontecer. Ouço todos os casts, mas não tenho o costume de comentar, mas vi que o numero de comentarios caiu bastante, mesmo no belíssimo mes de Half-life. Acho que o numero comentarios caiu pela falta de atração do site/blog, seja pelo abandono da seção de noticias ou pela falta de outras atrações, fazendo com que a galera que só baixa o dash pelo feed não precise visitar o site.

    Então o site se resume ao podcast, que é excelente! É o meu podcast favorito ao lado do nerdcast. Olha ai como vcs são fodas! Dash pra mim, é um ponto de referencia sobre games. Não concordo em tudo o que vcs falam. Mas pelo argumentos colocados sei que, mesmo que vcs falem mal de jogo(Diablo), posso gostar de um game.

    Assim sendo, acredito que é melhor para a qualidade do Dash, que ele passe a ser quinzenal. Duas pessoas ditas bastente ocupadas normalmente teriam dificuldades em produzir o conteúdo de qualidade como o Dash(ném sei como vcs conseguiram fazer 25 casts )

    Então acho que vcs precisam de uma equipe. Principalmete nesse projeto do jogabilidade.Se vcs precisarem,assim como o marco_b, me coloco à disposição para colaborar com o que precisarem. Seja com reviews ou noticias, ou algo do género.

    Vida longa ao Dash!

  • Renan Glaser

    Fiquei muito interessado nesse filme… principalmente por ja ter jogado tanto Braid quanto Super meat boy…conhecer a pessoa por tras da obra é algo interessante.
    Quanto ao Dash, estou profundamente triste… tanto por ter menos do meu atual podcast favorito, quanto triste comigo mesmo por não ter feito nada pra divulgar o cast, nem ter dado nenhum feedback, coisa que eu fiz na época do nowloading. Fico aqui ansioso e torcendo pelo novo projeto e disposto a participar muito mais.

    • Daniel

      Digo o mesmo…

  • natchy

    Conheço alguém que passou a parte do abismo sem saber que dava pra correr, hein.

  • [NL]Dovahkiin

    Ok, assisti ontem o Indie Game: The Movie, através do Steam. Vou ouvir novamente o podcast e assistir outra vez. Querem notas? Documentário: 10/10, Jogabilida.de e Dash Podcast: 10/10.

  • Ian

    Bem, eu estava preparado para comentar bastante apartir do DASH de Diablo III, pois bem amigos, não tenho previsão de ver tal documentário, então desculpe-me por ter falhado, infelizmente não vou poder ter uma discussão com fundo filosofico (como queria fazer em um bom jogo), ótimo trabalho o Rick e o André estão fazendo com o jogabilida.de vida longa a todos.

  • Augusto Mesquita

    Curti o cast, muito bom.
    Esse documentário só está disponível por distribuição digital?

    • Por enquanto sim! Mas a edição especial, com mais material e opção de cópia física já está em pré-venda no site oficial, acho!

  • Paulo

    Fantárdigo, nem vou esperar passar na tela quente, vou na locadora alugar agora!!!!

    • fillipe

      Locadora? A do Paulo Coelho?

  • Na boa, que filme sensacional. Fazia tempo que eu não assistia algo tão interessante e envolvente. Quando você enxerga os jogos finalizados nem imagina todas as dificuldades que esses caras passaram.

    Para mim, o Ed é o destaque do filme, a parte do level design e a história de como e porquê ele cirou Aether são extramamente interessantes.

  • Rodrigo_T

    Dash foda, matei a saudade do podcast…

  • Leonardo

    Eu estava pensando se o Jogabilidade tem algo a ver com o canal do Youtube, que está vazio. Quem sabe um programa no estilo Guilherme Gamer?

  • Leonardo

    O cast de Megaman X só vai sair 13 de Agosto? Ahhhhh!!!

  • Amigos do Jogabilidade, olha só o que eu estou organizando aqui em Curitiba nos dias 28/jun e 6/jul, entrada grátis e talz 😀 http://levelmais.com/exibicao-indie-game-movie-em

    • Opa, sou de Curitiba, pensando em dar uma passada ai, levar alguns amigos que ainda não assistiram o filme.

  • @PedroNogueira

    Aê galera, eu estou começando a estudar Objective-C e programação pra Jogos. Alguem interessado em um Brainstorm pra produzir um jogo simples ?

    (esse filme reacendeu a chama dentro de mim)

    (é, eu sei que é piegas)

  • Heitor Polidoro

    Muito bacana o cast. Não estava querendo ver o filme, mas agora fiquei com vontade. Chegando em casa eu compro. 😉

  • mateusix

    Eu odeio o Phil Fish. Não sei porque, é daquelas pessoas que tu não vai com a cara e nunca irá. hahaha

    Falando sério agora. Bait cast..
    O filme é muitíssimo interessante mesmo. Sou fã de cinema tem a vida toda, e logo que sairam as críticas dos grandes sites, fui ler as mesmas. Ouvi muitos falando de que neste filme, eles "endeusavam" demais os indies, e uma das ÚNICAS FALAS do filme (que são do Tommy) falando mal da EA, de Modern Warfare, etc, eles transformaram e colocaram na crítica como sendo algo que "destrói o mainstream", que as companhias grandes são más e tudo o mais. Jurava que o filme era bem isso, indies hipsters contra o mundo mascarado indo da tristeza até a glória dos mesmos. Por isso, é foda de acreditar em críticos de cinema.

    Fui assistir sem hype epis de ler, mas devido ao tema do cast de vocês e do GOTR, tive de ver qual é a desse filme. Assisti e, bem… Com certeza sai de alma lavada. A gente sente pena, ódio, um clima de tensão…porra, que documentário é esse, cara? Que edição maravilhosa que consegue isso em um documentário sobre games? De tantos por ai, daqueles fakes, esse se consagra demais nestes quesitos. Os takes super pensados, a fotografia, tudo fica mais humanizado. E como o André falou, eles não taxam o espectador de burro não, eles sabem com quem estão lidando, e até dão uma micro aula do Steam, dos indies , pra quem nunca viu isso…Achei demais.

    Acredito que muito deste filme pode ser levado pra vida. Até mesmo o projeto Jogabilidade se inspirou novamente, pelo que entendi ai nos comentários de vocês. E poxa, quem não se inspira?
    Comprei a ideia das pessoas ali, são seres táteis, humanas de verdade. Aquela cena dos likes do facebook pro Fez, dos 11 mil pra zero. Como assim, quem aqui de nós, com sites e podcasts para administrrar nunca se sentiu assim ? Ok que é em menor escala, mas…Porra, se for parar e pensar, qualquer pessoa que "posta algo no seu facebook", espera receber uma premiação destas, pode ser bobo mas é algo que deixa a pessoa feliz, toda aquela liberação de dopamina e tal.

    Cara. Sensacional. O filme e o cast. Falei tudo e não falei nada, mas está ai, tive de comentar.
    Alías, algo que achei "ruim" no filme. Com tanto material (300 horas) acredito que poderiam ter colocado mais um desenvolvedor. Um que tivessse dado errado. Algum daqueles caras dos 300 deu errado. Seria interessante ver esse lado da tristeza pós anos e trabalho em cima de um game. Ok, talvez (taaaalvez) eles tenham feito isso e pensando que Fez iria fracassar, pois no final do filme, não sabemos que fim dá com o Phil. Quer dizer, nós que estamos sempre lendo e jogando, sabenos que Fez deu certo (e porra, lancem logo pro PC)
    Mas, nada que atrapalhe a experiência. Vamos esperar ver se rola esse seriado do HBO. Ou uns extras com o material ai. Quem sabe.

    Enfim
    Sorte no Jogabilidade. Acompanharemos de perto.

  • Fabio Colenetz

    Òtimo cast, como sempre, menos o de Diablo que ficou forçado, cara quanto a notícia do cast quinzenal, tranquilo contanto que vc´s não parem de fazer os mesmos. Não sei qual era os objetivos de vc´s que não foram alcançados, talvez o dash não seja pra todos gamers, acho mais cerebral, mais afundo no mundo gamer, ai acaba ficando com um público mais celeto, só um exemplo o jogo de perguntas, que vc´s fazem, e a galera sempre acerta, ou quase tudo, reflitam mas continuem.Abs

  • Daniel

    Cadê o dash?!

  • josibas

    Dash o dash,, DASHiiiiiiiiiiii CADÊ VOVÊÊÊÊÊ?????

  • josibas

    ****você

  • Estou comprando o Indie Game The Movie neste exato momento! Quando vi a pré-venda na steam, pensei em deixar pra comprar quando estivesse numa promoção de 50% ou mais, mas não vou poder esperar mais depois desse DASH. E eu não sabia que tinha legendas em português, vou aproveitar isso pra poder passar pros meus amigos também.

    Mais um podcast muito foda, parabéns a todos os envolvidos ;D

  • Mateus

    Alguém mais acha que o próximo cast será sobre Superbrothers: S&S?

    • Nâo achei nada que indique que eles estiveram jogando Superbrothers: S&S, sem twittar nada como "We got The Gold Trigon. We are so awesome. ‪#sworcery‬".

  • @mRPotatoPenis

    OMFG! WHERE IS DA MODAFOCKIN DAAASH!!!?

  • LuizG

    muito bom,o filme ótimo e não se fala sobre somente jogos fala sobre humanos ^^

  • Elvis Rocha

    Andre e Ricardo,

    Quero desejar boa sorte e que vocês atinjam o objetivo desejado com este site, mas espero também que o DASH continue sendo feito, pois acho legal a opinião de vocês, quando falam de jogos antigos, novos, famosos ou não tanto.

    Parabéns e sucesso

  • Ricopa

    Esse projeto tem algo a ver com o "bilid"? Toda vez que entro no site só consigo pensar em como se pronuncia isso, bilide, bilaide, bilhide…

    • Tem a menção do trocadilho que eles falam nos primeiros podcasts e explicaram na situação.

  • feliperene

    O filme é muito bom e me fez querer jogar Fez e Super Meat Boy. Achei Fez realmente incrível. É uma pena que algumas pessoas criem birra com o jogo por causa de declarações polêmicas do Phil Fish. Acho bacana ter alguém mais falastrão na indústria. As pessoas podem discordar ou não, mas o cara falou ali o que ele acha. Não é só ele que pensa que a indústria japonesa ta em baixa, né?! Além disso, tem muita gente polêmica em outros ramos da indústria do entretenimento que tem o trabalho admirado. Pode ser o caso aqui.

  • André Coelho

    Finalmente Assisti ao filme e pude ouvir o cast. Goste muito do documentario e fiz o teste com minha namorada que nao gosta de videogames. infelizmente ela se entediou e so assitiu metade. Acho que o filme é pra gamers mesmo afinal. uma pena.

    no mais, parabens pelo Dash, ficou excelente.

  • Indie Game: The Movie por US$ 4.99 (R$ 10,16) no Steam até 23 de Julho de 2012!
    http://store.steampowered.com//app/207080

    De nada! 😉

  • jessica

    Puxa vida vocês são ótimos!! Falam de tudo que eu gosto por aqui! (bem quase tudo..)
    Acabei de comprar o filme e estou com grandes espectativas.
    Desejo sorte com seu projeto!

  • Jéssica

    Só tem eu de menina aqui? o.o

    • Poisony

      Tem a Taís Fantoni e a Azul_Turquesa também, mas faz tempo que eu não as vejo postando. Mas não se intimide!

  • Poisony

    Agora que assisti o filme preciso comentar como eu comecei a gostar mais ainda do McMillen pela forma como ele foi retratado no filme. Jogos dele que eu já curtia ganham um peso novo agora que eu sei como foi a infância dele, sua família e tudo o mais. Vi com a namorada e percebemos que a gente não tá tão longe do que é ele com a Danielle.

    Já o Phil Fish é engraçado por ser humano na mesma medida em que é caricato. E mesmo compreendendo os momentos tensos e injustos da vida dele é difícil se conectar a esse cara (a namorada mesmo não suportava quando o cara aparecia em cena). Ele faz o contraponto do filme de uma forma muito boa.

    Em suma, filme emocionante pra quem acompanha essa cena toda. Muito bom mesmo.

  • Cast sensacional pessoal curti pra caramba viu continue assim com o ótimo trabalho beleza.

  • Chi

    Ontem eu ouvi metade do cast, cheguei em casa e comprei pra poder assistir com a minha namorada nesse final de semana, mas assim que baixei eu resolvi dar uma olhada e assisti quase metade do filme xD

  • Eugênio Freire

    Muito foda o cast, pessoal! Ouvi-lo me fez lembrar do podcast FODA do nowloading sobre Braid. Estava falando disso com minha namorada, ela falou bem: podemos considerá-los como uma espécie de "crítica literária", só que de games. Esclarecendo as nuances e desvendando as tramas dos games authors. Parabéns pelo dash!

  • Chi

    Agora eu ví o filme todo com minha namorada, nós gostamos pra caramba. Como vocês falaram, não precisa ser um exímio gamer pra gostar e não dá vergonha alheia xD

  • Acho que o podcast poderia ter acabado quando o Jurandir falou "Eu dou fácil"

  • Kim Martins

    Eu ouvi esse dash na época do lançamento, mas só assisti ao filme no Netflix anteontem, dia 18/01/2014… um delay gigante, to ligado hahaha

    Assim como vocês, dou 10/10. Um documentário muito humano e técnico ao mesmo tempo. Altamente recomendado.

    Parabenizo e agradeço ao André e ao Rick pela iniciativa de comentarem sobre o Indie Game: The movie, pois foi por meio de vocês que conheci essa belezura =D

    Abraaaaços

  • Pingback: have a peek at this website()

  • Pingback: Sun Max zonnestudio Solarium Amsterdam Nieuwezijds Voorburgwal 78 1012 SE Amsterdam 020-330-6010 for fast tanning()

  • Michel Melo de Souza

    Abs Jurandir.

  • Roger Vincoletto

    Ops

  • O lançamento do Steam não foi em 2013?

  • Pingback: LivroCast 075 - Jogador Nº 1 - LivroCast()