Vértice #31: Kontroverse Podcastein

Caros membros da resistência, a segunda guerra mundial pode ser sido ganha pelos nazistas, mas as batalhas estão longe de acabar. Para fortalecer nossa causa, trago-lhes nossos mais novos (e polêmicos) soldados que desertaram da Alemanhã: André, especialista em resgatar Child of LightRick, grande técnico em TransistorSushi, renomado caçador de Aways Sometimes Monsters e o Márcio, infiltrador lendário de Wolfenstein: The New Order.

Para ampliar nosso conhecimento do inimigo, eles trouxeram consigo diversas informações vitais, dentre elas: o anúncio do novo jogo do Lucas Pope (Return of the Obra Dinn), a tentativa da Harmonix de bancar o novo Amplitude pelo Kickstarter, a Microsoft decidindo vender o Xbox One sem o Kinect, o anúncio de um novo e gratuito Unreal Tournament… E muitas, muitas polêmicas envolvendo a Nintendo e a Ubisoft.

Envie Sua Pergunta!

Tem alguma dúvida, questionamento ou tópico de discussão sobre games, a vida, o universo e métodos de ganhar dinheiro? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Você pode também enviar sua pergunta pelo nosso Ask.fm! Não se esqueça de deixar seu feedback! Gostou? Detestou? Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião é muito importante!

Links:

  • meuqueixo

    Vish. Quando eu fiz a pergunta pro André sobre se irritar com as rimas, eu tava querendo dizer se não era algo como já não gostar desse pegada infantil, bobinha, do Child of Light desde antes do jogo e daí ter que conviver com esse estilo o jogo inteiro seria algo irritante, não por ser mal feito. Como por exemplo alguém que já não gosta de romances ir ver Espetacular Homem Aranha 2 e ter toda hora lá o romance do Peter com a Gwen e isso irritar, não porque o romance dele sé mal feito mas sim porque é pertinente e não era o que ele foi buscar quando assistia o filme. 
    Eu é que fiquei todo afobado e enviei a pergunta bem na hora que o André ia começar a explicar os motivos de se irritar, invés deu ouvir primeiro, e o Sushi também só leu no final… É que eu falei de uma maneira burra. XD
    Sobre a minha pergunta no finalzinho do podcast, eu não acho que SotC não prima pelas mecânicas, mas sim o equilíbrio perfeito, como o André falou, mas a magia que me faz gostar tanto do jogo até hoje era feita nos momentos épicos que… acho que me fisgaram tão bem mais pela direção deles… puts, lembro da primeira vez que subi no Avion e o como me deu vontade de dar um grito de tão foda que era aquela sensação, de tu tá se segurando em um monstro voador gigante e ter que vence-lo ali naquelas condições ou o finalzinho do jogo, tu em pé na mão do Malus olhando ele nos olhos, ou as caminhadas pela aquela terra deserta e a curiosidade gigante de entender aquele mundo, aqueles monstros, aqueles templos… mas é como disseram, só é tão foda pelo equilíbrio… se fosse uma cutscene estilo God of War do Wander escalado o colossi enquanto eu aperto um ou outro botão, e rolasse deles se olharem não teria esse efeito. O impacto vem de tu mesmo ter chegado lá, na raça, e olhar nos olhos dele já pensando no que vai vir pela frente pra você fazer e não assistir. Journey mesmo, ele é foda pelo conteúdo por trás do que tu faz no gameplay. É isso que é primordial pra mim, o conteúdo por trás das minhas ações naquele jogo. Daí não consigo me importar com o Mario ou Donkey Kong, por exemplo, o suficiente pra passar horas e horas ali… meramente superando desafios. Dark Souls menos ainda. D:
    Enfim, obrigado por terem lido as perguntas. A interação com os ouvintes durante a gravação é muito bacana. 🙂
    Se cuidem e continuem fodas. o/

  • EverardoFeres

    André, se fizessem uma adaptação de Uncharted pro cinema e o Nathan Drake fosse Nathalya Drake, uma mulher afro-descendente de rastafari vermelho você não acharia estranho? 

    Pra quem liga pros quadrinhos, é um pouco estranho (no mínimo) ver o Tocha Humana negro… sei lá.

  • maajin

    EverardoFeres Eu juro que não estou querendo ser do contra e imutável na minha opinião, mas se anunciassem isso meu interesse pelo filme subiria de zero pra… Sei lá, 4.

    Eu realmente acharia estranho. Mas não estranho do tipo “que merda”, estranho do tipo “uau, eles tão tentando alguma coisa diferente? Que bom!”

  • _vdomiciano

    Não tenho oportunidade de jogar Transistor – meu notebook é basicão e não tenho PS4 – mas concordo 100% que a trilha sonora dela é demais!

    Tem ela inteira no Deezer – http://www.deezer.com/album/7814163 – já adicionei na playlist e são ótimas, sendo as minhas preferidas são In Circles e Forecast.

  • A.B.Sena

    É engraçado essa questão da representação de “minorias” (palavra engraçada essa) em jogos e até filmes. O ultimo lugar que eu esperaria isso seria na Nintendo >_<. Acho que a forma mais fácil de imaginar o quanto isso pode incomodar as ditas minorias seria imaginar como você se sentiria se um lançamento que você gostou bastante tenha TODOS os personagens negros, por exemplo. Esse seria O jogo que representaria  a evolução e bla, bla, bla então vamos forçar um pouco e imaginar pelo menos 90% dos jogos daqui para frente os personagens serem todos negros. E ae? Consegue ver algum problema?
    Esse tipo de problema pode até ser abordado por jogos, mas não vai ser um Mario Bros que vai solucionar ou mudar a forma como as pessoas veem o racismo ou a relação homossexual. A mídia dos videogames tem um potencial enorme para isso mas não tamos lá ainda.

  • WagnerTerradaRocha

    Poxa Márcio, se um pai não quer que um filme/série/jogo aborde um certo assunto, não seria função do pai verificar se este jogo apresenta este conteúdo e ele decidir se o filho deve jogar? Não da empresa cortar/ não-incluir o conteúdo.

  • EverardoFeres

    maajin EverardoFeres Uhnn. Não sei cara. A questão é que o personagem não é aquele. Como o Heimdall não era negro também (mitologia nórdica). Por melhor que tenha ficado, não condiz com o contexto da história. Não prepararam nada antes como quando usaram o Marvel Ultimate pra justificar o Nick Fury negro. Enfim, discussão boba de qualquer forma. Só acho estranho. Não ligo, mas entendo quem liga.

  • A.B.Sena

    EverardoFeres Eu não conheço muito de quadrinhos mas no universo Marvel os tais deuses não são na verdade alienígenas? Pelo menos é o que mostra nos filmes. Se eles são alienígenas não tem o argumento de eles serem nórdicos e tal, que eu acho que é o que o pessoal fala.

  • EdesWR

    Saudações…
    Sobre a questão Kinect e voltas e revoltas da Microsoft, creio que sendo um movimento calculado ou não, retirar o Kinect da caixa do Xone agora foi bem acertado. O Xone já vendeu uns 3,5 milhões de unidades COM KINECT, dito isso eu me pergunto quanto um jogo que use o Kinect vende…? Mais de 1 milhão? Duvido muito… A base instalada inicial já esta ai, o que vier de vendas fora do bundle agora é lucro. O produto principal que é o Xone vai continuar vendendo, por um preço menor, e sem necessidade de corte real de preço. Não estou dizendo que é um console pior ou melhor mas, dentro do cenário atual, foi a melhor decisão possível. Ao menos é o que o meu “achismo” me faz crer 😀

  • Poisony

    EverardoFeres maajin Solução: Sue Storm agora tem um padrasto ou madrasta!!

    FLW VLW

    Eu tava pensando em outras adaptações que tenham colocado atores negros para interpretar personagens que não são originalmente negros, e só me veio na cabeça o Ford Prefect no filme O Guia do Mochileiro das Galáxias. Ninguém nem chiou.

  • marciosbarrios

    Um pai consciente vai atrás de um jogo classificação LIVRE pro seu filho pequeno (exemplo que dei no cast). O que é o caso de Tomodachi. The Sims aborda sexo e a classificação é 13 anos.

  • marciosbarrios

    Caramba curti. Ela meio que conseguiu criar uma boa base e agora compra quem quiser. Curti seu raciocínio.

  • Rafael Ramiro

    Fala galera do jogabilidade, ótimo cast como sempre. Terminei transistor ontem e só acrescentando ao que foi dito sobre esta bela obra, o jogo está cheio de referências à programação em geral, por exemplo, As “functions” (skills) da protagonista como Get(), Switch() e Ping().

    Vocês provavelmente testaram isso enquanto jogavam, mas ao colocar a function Help() no slot de habilidade passiva, a Red tem 25% de chance de tornar uma “Super User” durante o modo de Turn(), podendo utilizar a Function “Kill()” usada para matar processos.
     
    Continuem com o bom trabalho e até a próxima.

  • maajin

    marciosbarrios Na verdade o Tomodachi Life ainda não foi classificado no ocidente, hein.

  • maajin

    Poisony EverardoFeres Teve uma parada assim no Hunger Games não teve?

  • marciosbarrios

    Quer bater uma aposta que vaibser Livre?

  • maajin

    marciosbarrios Quero, quanto?

  • WagnerTerradaRocha

    marciosbarrios Mas Márcio, o Tomodachi mostra cenas de sexo entre casais hétero? Não. Da mesma maneira não mostraria casais homoafetivo fazendo sexo. Assim sendo mostrar uma união homossexual não precisaria de uma classificação etária maior, se um pai específico se incomoda com isto, não compre pro filho, da mesma maneira que um pai específico pode não querer comprar um jogo onde uma tartaruga é pisada por um italiano de meia idade!
    Maajin, acho que já foi classificado sim

    http://www.thenintendochannel.com/game.php?g=575

    Salvei alguém de alguma aposta.

  • WagnerTerradaRocha

    Poisony EverardoFeres maajin Wilson FIsk, o Rei do Crime, no Demolidor

  • EverardoFeres

    WagnerTerradaRocha Poisony EverardoFeres maajin Rei do Crime foi uma mudança que eu gostei. O ator casou bem com o papel. Mas veja bem, ele não tem uma irmã loira e nem é de uma etnia onde todos são loiros do olho azul.

  • EverardoFeres

    A.B.Sena EverardoFeres Somente nos filmes eles são aliens. Nas HQs são deuses nórdicos mesmo. E mesmo nos filmes, eles sendo aliens, são aliens de uma “etnia” específica. Seria como você ver um humano roxo andando por aí. Mas, dá pra forçar essa explicação sim.

  • maajin

    WagnerTerradaRocha marciosbarrios Hahaha, ainda bem que eu sou sempre contra apostas e nunca aposto em nada.

  • EverardoFeres WagnerTerradaRocha Poisony maajin Um que ninguém tá falou nada foi o Tyrion fazendo um cara que não é anão no novo X-Men.

  • WagnerTerradaRocha

    Sushi0 EverardoFeres Poisony maajin  Shushi, olha como o Trask era antes no X-Men 3!
    http://cdn3.whatculture.com/wp-content/uploads/2013/07/trask.jpg

  • WagnerTerradaRocha Sushi0 EverardoFeres Poisony maajin Pois é, e ninguém falou nada.

  • Jhonatan Carneiro

    Longos dias e belas noites, Jogabilideiros!
    Fazia algum tempo que um Vértice não englobava jogos que me
    interessavam tanto. Estava muito ansioso para saber vossas opiniões sobre Child
    of Light e Transistor. Além disso, Wonfenstein foi uma grata surpresa, pois,
    como vocês mesmos apontaram, tinha para mim que o jogo seria um shooter
    descerebrado e nada mais.
    Em relação às polêmicas, é uma pena não ter conseguido acompanhar o
    cast ao vivo, pois imagino que a discussão no chat deva ter sido deveras
    interessante. De qualquer forma, discordo do Marcio no ponto em que videogames
    não devam tratar certos assuntos, pois eles deveriam ser explicados pelos pais.
    Em primeiro lugar, a classificação indicativa dos jogos existe para que os pais
    possam filtrar o que deve ou não chegar às mãos de seus filhos (apesar de que,
    claro, isso não funciona tanto na prática quanto deveria). Mesmo assim, os videogames
    (e seu público) já evoluíram ao ponto de poder tratar de temas considerados
    adultos. Gone Home e The Last of US são exemplos extremamente satisfatórios
    disso, pois abordam temas adultos de uma maneira madura.
    Infelizmente, apenas dois estúdios chamam-se Fullbright Company e Naughty
    Dog. Mesmo assim, ainda que o “comentário social” acabe não sendo tratado da
    melhor maneira possível (como em Bioshock Infinite) acho importante que ele ao
    menos exista. O que hoje vemos como polêmicas “desnecessárias” podem ser o
    estopim para o surgimento de jogos cada vez mais profundos, maduros e
    interessantes.
    Fico feliz com o anúncio do novo jogo do Lucas Pope. Aproveito para me
    disponibilizar, novamente, caso vocês precisem de ajuda de tradutores e/ou
    revisores nos seus projetos de tradução!
    PS: Sushi, a tua edição ficou fenomenal! Pirei quando começou a tocar a
    Marooned.
    Abraços,
    Senna

  • marciosbarrios

    maajin WagnerTerradaRocha marciosbarrios se safou de uma ein Dedé

  • marciosbarrios

    Jhonatan Carneiro Então Jhonatan, em nenhum momento eu disse que jogos não deveriam abordar assuntos “mais cabeludos”, muito pelo contrario. Eu só sou a favor de classificação etária. No caso de Tomodachi ou outros jogos da Nintendo, a maioria tem classificação Livre ou Família. Jogos como GTA, Last of Us ou o próprio Gone Home que vc citou, foram feitos pra outras faixas etárias e podem e devem abordar temas mais adultos. Abraço

  • marciosbarrios

    maajin marciosbarrios perdeu preibói, agora vc me deve sua alma

  • marciosbarrios

    WagnerTerradaRocha marciosbarrios então Wagner, não sou eu que determino isso. Qual foi o último desenho infantil que vc viu com um casal homossexual? Não sou eu que estipulo o que entra ou não numa classificação LIVRE, é a sociedade. Se pra sociedade um encanador pular em cima de uma tartaruga é ok e um casal homossexual não, não cabe a mim decidir. DEVE sim, existir uma conscientização para mudar e adaptar os valores da população e no futuro, quem sabe, um casal homossexual não será mais tabu.

  • ALisson001_

    Vídeo games são arte?

  • Jhonatan Carneiro

    marciosbarrios Jhonatan Carneiro Entendi o seu ponto, Marcio, e peço desculpas caso tenha
    interpretado mal sua fala. Inclusive, concordo contigo a respeito da
    necessidade de uma classificação etária sempre condizente com o produto que
    está sendo oferecido.
    Em relação ao Tomodachi, só acho que, ao meu ver, seria mais
    positivo modificar a classificação etária do que, de alguma forma, “censurar”
    parte do conteúdo. É claro que no caso de Tomodachi, o relacionamento
    homossexual não estava planejado em um primeiro momento, mas já tivemos
    diversos outros relatos de estúdios que cortaram alguma parte de seu conteúdo
    para diminuir a classificação etária do jogo.
    Abraço!

  • EverardoFeres

    Sushi0 WagnerTerradaRocha EverardoFeres Poisony maajin Nos X-men originais o Trask era tão coadjuvante que acho que nem notaram que era ele. Nesse tem a desculpa (esfarrapada) de mudança na linha do tempo. Mas é tosco também. Assim como o Harvey Dent em Batman o Retorno, que era negro (ator que fez o Lando em Star Wars)

  • ALisson001_

    André ainda não vi nada do Child of Light, os diálogos são rimados nesse nível?

    ————> http://youtu.be/QJv2vxD1b-k?t=3m50s

  • Dudley_o_Boxista

    Então, sobre o Tocha Humana, o problema não é ele ser negro. Posso citar por exemplo a única coisa legal do filme do Demolidor, que foi colocar o Michael Clarke Duncan como rei do crime, que ficou muito FODA. O problema é essa política tipo BBB, coloca um ou dois negros no elenco pra tentar fugir das críticas alheias. A Marvel tem um grande número de personagens negros que poderiam muito bem ir pro cinema. Por exemplo, você pode escalar um ator negro pra fazer o Demolidor ou pode fazer a série do Luke Cage. Mas a mudança de etnia de personagens pode ou não ser algo positivo dependendo muito mais do que for realizado com esse personagem.

  • maajin

    Dudley_o_Boxista Então a mudança do Tocha Humana não é necessariamente um problema, só será se o ator fizer um mau trabalho. Como você mesmo disse, o Rei do Crime ficou legal, e dá pra fazer essa mesma análise de que ele foi colocado lá pra ter mais diversidade étnica no filme.

  • Dudley_o_Boxista

    maajin De fato é isso mesmo, o que vai importar é se ele fará um bom papel.

  • A música do final do cast é da ost do transistor?

  • Jf_Legend

    Bem sou afronegão não me importo se mudam a etnia, eu só acho que se o personagem não tem nenhum background que tenha a ver com a sua etnia tanto faz ser azul, amarelo ou verde (Piccolo é nois brodi .__.) em outra midia contanto que a essência do mesmo permaneça, já a irmã do Tocha ser loira poderia ser facilmente explicado falando que, ele foi adotado ou, a mãe da mulher invisível conheceu algum cara negro por ae vai, bem sobre o farcry 4 sei que vai pegar mal mas eu achei legal, explico, se tiver um contexto algo em torno disso seria foda problemas no games que são muito levianos com esse tema, quase certeza que depois vão mudar a capa e falar que não foi essa intenção e blalblabla, concordo com o Rick, eu prefiro mil vezes que não tenha um personagem negro, azul, amarelo ou verde, se for apenas um personagem sem-nenhuma profundidade ou importância, na verdade a maioria deles mais me ofendem do que me agrada, muitos são estereotipados de algum modo cheios de girias ou trejeitos, nenhum game tem que ser uma “Turma da Mônica”, mas acho justo que quando tenha que sejam bem representados e com profundidade, mas esse assunto sempre vai ter nego… ops pessoas ofendidas, já vi pessoas em foruns putos porque a Clementine do TWD estava muito branca na segunda temp e com traços muito asiaticos,que não poderia ser assim só por que ela é filha de personagens negros, bem isso vai dar peso na estoria do game? bem acho que não…só se ela sobreviver a segunda temp e na terceira for pro japão e__e 
    parabéns mais um otimo cast.

  • Bode333 Não é. Ela é a Becomes the Colour da trilha do filme Stocker.
    https://www.youtube.com/watch?v=jzaVZYg0Fdw

  • AntonioMarcelino

    Gente, mas e o Lanterna Verde que foi completamente branqueado no novo filme.

  • Jf_Legend

    AntonioMarcelino  Cara a versão negra só ficou famosa no brasil, na real ele é meio que cota de personagens negros da dc

  • paranoid44

    Bom ver o Rick falando animado sobre um jogo novamente!
    Sobre a parte mais polêmica do podcast, tenho medo só que esse tipo de discussão limite o processo criativo de obras futuras. O pensamento de que TENHO que ter um personagem de alguma minoria no meu jogo pode ser um bloqueador criativo terrível.

  • AntonioMarcelino

    paranoid44 Eu já temo o contrário. Que a bandeira da Liberdade de Expressão seja usada pra passar por cima de avanços sociais e propagar visões de mundo preconceituosas, ofensivas e retrógradas. Tem que haver o mínimo de controle em cima, e se alguém achar ruim, acho válido tirar.

  • AntonioMarcelino

    Jf_Legend Mas ele tava no desenho, e o desenho é meio que a versão mais famosa da Liga da Justiça

  • AntonioMarcelino

    ALisson001_ É pior. Decamerão é em sonetos: decassílabos e rimas cruzadas (ABBA, CDCD etc). Child of light é padrão mais bardo, frases curtas e rimas AABBCCDD etc e tal. É bem shakespeare, enche o saco, ainda mais porque não tem dublagem

  • Pingback: podelki sochi 2014()

  • BodeMistico

    COEUR DE PIRATE!!!!!!!!, nunca imaginei que qualquer pessoa nessa terra ouvia isso além de mim. Eu e o majin temos finalmente algo em comum S2 S2 S2

  • thomyorkshire

    Márcio garoto propaganda de Wolfenstein, fiquei muito curioso pelo jogo

  • thomyorkshire

    ALisson001_ Sim e não.

  • Pingback: Where to buy center()

  • Pingback: Where to buy center()

  • Pingback: Where can i buy()

  • Pingback: Where to buy center()

  • Pingback: amped wireless power extender rea20 b00epgh86o 4298()

  • Pingback: hp business desktop d2t96us computer b00b0avll6 4101()

  • Pingback: transponder ignition toyota avalon corolla b008rv3dey 7905()

  • Ghost

    Não sei se fui só eu, mas os soldados de Wolfenstein me lembraram dos policiais do anime Jin-Roh. Talvez seja coincidência, embora eu já tenha visto uma reverência a Jin-Roh até no Scooby Doo.

  • Adolfo Nero

    FOI A RUSSIA QUE GANHOU A GUERRA!