was successfully added to your cart.

JACK #04: Makoto Shinkai

Mais uma quinzena, mais um encontro dos cavalheiros do JACK. Dessa vez, por indicação do grandessíssimo Raugrave André,  ao invés de discutir sobre uma obra específica, os nobres Superintendente RickCalifa Corraini e Barão Sushi discutiram sobre três seletas e garbosas criações do diretor Makoto Shinkai: Voices of a Distant Star (Hoshi no Koe), 5 Centimeters per Second (Byosoku Go Senchimetoru) e The Garden of Words (Kotonoha no Niwa).

Um sempre importante aviso aos que ainda não as assistiram: todos os detalhes e revelações serão discutidos e dissecados.

E não se esqueçam, caros membros remotos, a próximo encontro será um especial sobre esta estupenda obra.

O que achaste?

A sessão do clube continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes!

Links

  • Benji382

    Não sei do que se trata.

  • MrSchrodinger

    Ainda não ouvi o podcast, mas vou deixar aqui o que eu achei dos filmes agora para que a opinião de vocês não me influencie e depois que eu ouvir, eu comento outra vez

    Gostei de Voice of a Distant Star. Ele é impressionante para algo feito por uma só pessoa, mas meu deus que character design feio. Cenários lindos cheios de detalhes como a cancela da passagem do trem balançando e aquele char design…
    Eu senti uma pegada meio Evangelion nele, das lutas bem cruas até a ideia de que adolescentes de 15 anos pilotando mechas pode não ser uma boa ideia. Falando nas batalhas, elas são legais mesmo com aquele CG que faz os filmes de Berserk parecerem bonitos.
    Uma coisa que me irrita, não nesse curta em especial, mas em histórias de romances dos mangás e animes é essa idealização meio estranha e a incapacidade de “let it go”. Quer dizer, a mina tá a literalmente anos-luz da Terra e o garoto tá lá esperando, se ela fosse voltar, ele estaria muito velho. É bonitinho e tudo mais, mas me irrita. Também é interessante ver como aqui no ocidente se tem muito mais a ideia “bola pra frente que o mar tá cheio de peixe” enquanto por lá, ou pelo menos pelo que os animes passam, é algo muito mais de amor eterno, puro e fantasioso.
    De certa forma isso me lembrou muito Nagi no Asukara, que é dos criadores de Ano Hana. Recomendo.
    Sinto que 5cm/s é quase um remake de Voices of a Distant Star. Tecnicamente ele melhora muito em animação e traço. Tematicamente ele repete algumas coisas como o relacionamento a distancia e o envio de cartas. Achei o filme de uma sensibilidade impressionante, sendo palpável a ansiedade e o nervosismo do personagem principal indo encontrar a garota. A cena do beijo é linda e todo o clima de melancolia do primeiro curta é bem interessante.
    Eu prefiro o segundo curta, acho que a garota protagonista é bem mais identificável, com o lance de ficar esperando ele sair pra se encontrarem “por acaso” e o ciumes que ela sente porque o menino está sempre no celular. Fico triste pela garota por ela reprimir os sentimentos em prol da pessoa que ela gosta, o que é algo também comum em animes, esse grande “sacrifício”. Triste, tava torcendo por ela.
    Gostei o final, achei ele realista, todo mundo seguiu em enfrente ao contrário de Hoshi no Koe, os personagens seguiram em frente da paixão adolescente e continuaram vivendo.
    Garden of Secret Words é um filme que me deixou com mixed feelings. Enquanto ele tem a animação linda e ainda tem uma história bastante tocante, eu fiquei bastante incomodado com o tema. Uma mistura meio creepy de pedofilia com petiche por pés. Ele tem momentos bem legais, como mostrar um pouco do dia-a-dia dos dois protagonistas e a cena em que a professora tá em pé no banco e tem um galho na frente da “câmera” meio que mostrando como mesmo eles estando próximos, ainda tem muito entre eles(Essa cena muito bonita logo depois da cena muito bizarra de foot fetish). Sinto que ele é dos três o que se tem menos a comentar. Visualmente muito impressionante, mas fiquei incomodado pela fixação por pés e a diferença de idade entre os dois.

    No final das contas foi uma experiencia muito boa maratonar a obra de um diretor de anime que não seja o Miyazaki(Não aquele que o Sushi tem um altar no quarto, o do Studio Ghibli), achei as obras dele bastante sensíveis e pretendo ver outras coisas dele.

    PS: Eu acho que o André tem fetiches por pé pra ter recomendado esse terceiro filme.

  • pedro_tex

    Das três animações discutidas, só vi 5cm/s, portanto vou adiar ouvir o podcast até que eu veja todas elas. Também nunca tinha comentado por aqui, mas acho que isso merece uma exceção. (história de infância incoming)
    Eu tenho 18 anos. Em 2001, com 5 anos, eu conheci uma guria na primeira série. Nós brincávamos todos os dias, andávamos e fazíamos seja lá o que crianças na primeira série fazem juntos. Eu me sentia muito feliz só por poder estar perto dela, e conversar com ela. O sentimento era mútuo, mas éramos crianças e não sabíamos expressar nossos sentimentos além de dar as mãos. Nossos pais sabiam disso, e adoravam essa situação, tanto que quase todas as minhas fotos daquela época tem ela ao lado.
    Eu estudei com ela até 2003. Nessa época, já era claro o que um sentia pelo outro; eu ia pra escola mais pra ver ela do que pra outra coisa. Só que meus pais se separaram nesse ano, e eu acabei me mudando com minha mãe pro canto da cidade. Foi bem difícil ter que me despedir dela, sabendo que provavelmente nunca mais eu a encontraria. Passei o próximo ano inteiro “desanimado”, que era como um piá de 9 anos conseguia descrever o que estava sentindo.

    Em 2005, houve a chance de eu voltar a estudar no meu antigo colégio, e tomei ela com todas as minhas forças. Encontrei meus ex-colegas, e logo perguntei “onde está ela?”, mas me disseram que ela também tinha se mudado, pro outro canto da cidade. Novamente, entrei em depressão. No final do ano, soube que teria que me mudar pra outra cidade a 300km de distância, e já tinha perdido as esperanças de rever ela novamente. Mas encontrei uma ex-colega dela, que me passou seu e-mail, e com muito medo de rejeição acabei pedindo pra nos encontrarmos no parque que ficava em frente ao nosso colégio. Mesmo com muitos imprevistos, nós conseguimos nos ver, e passamos praticamente o dia inteiro juntos; só aproveitando aquele momento, pois iria pra um lugar mais longe ainda, sem chances de voltar. Depois desse dia nunca mais nos vimos ou conversamos, talvez pra facilitar a separação, e eu tentei e acabei conseguindo esquecer dela.
    Já no início de 2014, me recomendaram 5cm/s. No final, quando toca One More Time, One More Chance, todas essas memórias voltaram e eu passei uns bons minutos chorando, de tão fortes que eram as semelhanças da história na animação com o que ocorreu comigo. Por coincidência, uma semana depois encontrei todos meus colegas da primeira série, inclusive ela. Pedi pra ela assistir o filme, e ela disse ter chorado tanto quanto eu c:
    Hoje nos encontramos pra fazer qualquer coisa nos dias em que nossas faculdades deixam, mas como bons amigos ^^

    (acabou história de infância)
    Não sei como é para as outras pessoas, mas por me relacionar TANTO com a história, 5cm/s é minha animação favorita de todas, e sempre volto a me emocionar com o final. Aguardando ansiosamente pela opinião dos cavalheiros.

  • maajin

    MrSchrodinger Hahaha! Juro que não tenho e nem vi essa fixação que você viu. Os pés são importantes pra história e tem um simbolismo forte relacionado a eles, mas creepy pra mim foi essa sua “podofobia” aí, hein? xD

  • MangaAnimeBrasil

    André, vi o primeiro, e a primeira parte do segundo. Achei as  tecnicas de animação e a direção muito boas. Mas as histórias, vou falar verdade, são muito chatas! Talvez por que não seja o meu estilo de animê, mas não me deu vontade de continuar vendo. Agora vou ouvir o Jack, vamos ver se me convencem a assistir o resto.

  • pedro_tex Que história! Enquanto lia eu torcia muito para que a história terminasse com vocês juntos. Infelizmente esse não foi o caso, mas ao menos você recuperou o contato com ela e parece feliz.
    Espero que esse não seja a primeira e última vez que comente aqui, por favor continue. xD

  • MangaAnimeBrasil Tenta dar uma segunda chance, os filmes são tão curtinhos que isso nem será um sacrifício tão grande.

  • Benji382 O JACK como um todo ou esse episódio em específico? xD

  • NacibVeio

    Deixando aqui minha opinião XD.

    Para o caso do 5cm e do Voice, foram tramas completamente intimistas e pessoais, e no meu caso não consegui me identificar com o tema – e quem me dera ter me identificado 🙁 -, mas gostei da forma simples e delicada que ele trata esses relacionamentos, nem um pouco melosa e piegas como é comum nesse tipo de história, mas indo exatamente de encontro à isso, não colocando finais “felizes para sempre” em ambos. No mais, achei muito bonitinho e agradeço ao tamanho curto dos filmes; foi a medida certa para que eu não acabasse desgostando.

    Já gostei mais do Garden of Words, que sim, tem a animação e clima como o principal chamariz (MEU DEUS como é bonito aquele filme), mas acabei gostando também da forma que ele coloca esses personagens pouco prováveis para se relacionar. A forma criativa que ele põe a chuva como um dos pilares dos encontros (mesmo não fazendo tanto sentido assim em algumas partes). Enfim, foi um filme muito agradável, com boas ideias, que me fisgou mais que os outros.

    Agradeço aos senhores por terem proposto o tema, estava há tempo querendo ver Garden of Words, e sempre acabava arrumando desculpa pra não ver. Ouvirei agora o cast para ouvir suas opiniões!

    Abraço!

  • pedro_tex

    Sushi0 Eu continuo sentindo algo muito forte por ela, mas não é mais o que eu sentia antes. E nós estamos com outras pessoas também =P Mas tô extremamente feliz por voltar a falar com ela; de um jeito ou de outro ela foi e é importante pra mim.
    E continuarei sim, haha

  • Glauber Campos

    Ainda não ouvi o podcast, então tentem não xingar muito caso eu fale algo que vocês já disseram no programa.

    Voices of a Distant Star foi o que eu menos gostei. Não achei ruim, mas comparado com os outros está bem atrasadinho. Todos os cenários são lindos (o que parece ser um padrão também nos outros filmes), mas que personagens feiinhos, viu? Demorei uma boa parte do curta me acostumando com eles. <nitpicking>E como eles constroem robôs e naves daquele porte e ainda usam um celular do início dos anos 2000?</nitpicking> Também achei as cenas de ação bem desnecessárias (talvez é uma metáfora pra alguma coisa, vai saber). Entretanto, gostei do tema, só não consegui me identificar muito bem com os personagens. Talvez por ser uma ficção científica ou sei lá o que.
    Uma coisa que notei nos créditos do filme é que a Donna Burke faz a voz da inteligência artificial da nave. Legal 🙂

    O 5cm, na minha opinião, já é bem melhor (personagens sem cara de bolinho de chuva ajudam muito). Tive bastante empatia pelas personagens, principalmente na primeira parte. Vi muita gente achar o filme bem depressivo, mas não sei porque não senti isso…
    Na verdade eu sei. Primeiro que só fui perceber que era o mesmo garoto nos três curtas depois que eu terminei! Eu achava que o garoto do Cosmonaut era um outro qualquer. E segundo que eu gosto muito de “One more time, one more chance”, mas não faço a mínima ideia do que a música diz. Enfim, irei rever o filme porque eu vi que não entendi muita coisa, principalmente as metáforas como a da árvore. Adore esse tipo de coisa mas sou muito lerdo e só vejo elas quando alguém aponta. Também preciso ler a letra da música.

    Garden of Words é com certeza o anime mais caprichado e lindo que eu já vi. Sério, eu podia tirar um print de qualquer frame  e conseguiria um papel de parede absurdamente lindo. Aquela chuva!
    Gostei de quase tudo no filme, as personagens, os cenários (OLHA AQUELA CHUVA!), a trilha, o ritmo, a trama, enfim. Tudo!
    Empatizei tanto com o garoto e a professorinha que es estava torcendo do fundo do meu coração para que chovesse logo. E eu adorei o fato de que nenhum beijo aconteceu. Só achei meio estranho aquela explosão que o garoto teve no final. Foi como uma trovoada que trouxe a chuva (AHA!).

    Bom, eu sou péssimo pra analisar e entender as coisas (comigo é tudo na base do empirismo), então vou terminar por aqui e começar a ouvir o programa.
    Continuem assim 🙂

  • Jeronimous_

    Ouvindo! =D
    Só dizer que o título “5 centímetros por segundo” é a coisa mais pornográfica sem ser pornográfica que já vi.

  • pedrorp

    Achei triste não citarem que a cena final do Garden of Words tem um dos melhores choros em anime, ever.
    Excelente cast, Makoto Shinkai há muito tempo é um dos meus diretores favoritos, engraçado pensar que quem me recomendou o primeiro filme dele que eu vi (5 cm per second) foi minha ex-namorada de um relacionamentoà distância.

    Por mais que eu goste muito do estilo de história contida e densa do Makoto Shinkai, gostaria de ver ele dirigindo roteiros de outras pessoas, já que ele se demonstra bastante competente nisso. 

    Espero que um dia tenha um cast neste formato sobre o Mamoru Hosoda, que dirigiu o não tão bom filme do Digimon, mas depois nos recompensou com Toki wo Kakeru Shoujo (The Girl Who Leapt Through Time), Summer Wars (melhor coisa de Digimon, sem Digimons) e o absurdamente fantástico Ookami Kodomo no Ame to Yuki (Wolf Children). A forma com que cara esse evoluiu de qualidade é espantosa e eu diria que ele tem potencial para ser um dos grandes diretores de animes de todos os tempos.

    Mais como uma curiosidade, vocês sabiam que o Makoto Shinkai faz vários comerciais bem famosos no Japão né? O mais recente se chama Cross Road, feito para um serviço de educação à distância: https://www.youtube.com/watch?v=AfbNS_GKhPw
    Quiçá, a qualidade técnica deste comercial é tão boa quanto a do Garden of Words. 

    E sobre Garden of Words também, eu queria deixar a recomendação do vídeo (e respectivamente, o canal) do DEMO sobre o Garden of Words https://www.youtube.com/watch?v=3Fz-X9dV2yc. Em meio de tanta piada de peito, bunda e pinto ele faz análises muito bem ponderadas sobre vários animes o mais variado quando puder ser.

    Continuem com o ótimo trabalho que é esse JACK e aguardando ansiosamente um JACK de K-ON!

  • Deilson

    Otimo cast, conheci the garden of words pela musica e agora vou com certeza atras dos outros citados no cast, todo mundo ja sofreu por amor alguma vez, principalmente não correspondido, mas é muito bom ver esses filmes que nos fazem sentir mais humanos

  • pedrorp

    Pra quem se interessar mais em conhecer outros diretores de filmes de anime que vão além da patota Studio Ghibli/Hayao Miyazaki, eu, como um grande evangelizador de animes, deixo aqui minhas recomendações:

    Kon, Satoshi:
    >Perfect Blue
    Paprika 
    Toyko Godfathers

    Yoshiura, Yasuhiro:
    >Eve no Jikan
    Sakasama no Patema
    Harmonie

    Hosoda, Mamoru:
    Toki wo Kakeru Shoujo
    Summer Wars
    >Ookami Komodo no Ame to Yuki

    Os meus favoritos estão indicados com ‘>’, mas qualquer um aí é sucesso.

  • MrSchrodinger

    Ouvi o cast e vim aqui complementar o que comentei mais cedo

    A minha ordem de preferencia ficou:

    1º 5cm/s
    Foi o unico filme que eu realmente me identifiquei com algum personagem, que no caso foi a garota da segunda parte. Provavelmente porque nesses 20 anos andando na Terra eu sempre estive numa posição parecida com a dela, de gostar de alguém e eventualmente perceber que nunca ia acontecer. Pra mim ele é o mais emocionante dos três.

    2º Voice of Distant Star
    Mesmo sendo curto e contextualizando pouco, eu me senti como o André e consegui notar o que os personagens sentiam e o que um significava pro outro sem muita explicação

    3º Garden of Words
    Eu gostei do filme, ele é ABSURDAMENTE bonito, os detalhes da animação – como a cena em que o professor está escrevendo no quadro e você vê pedacinhos do giz esfarelando, FODA! Mas o lance do pé e a diferença de idade entre os personagens me incomodou. Não é nem uma questão dele ser maior de idade e ela ser, mas é que a diferença é muito grande, ela tem quase o dobro da idade dele. No futuro, quando ele tiver realizado o sonho e for mais velho, essa diferença vai ser menos significativa. Eu penso como seria a aceitação desse filme se fosse uma aluna apaixonada por um professor…

    Eu não chorei com nenhum dos três filmes, mas no final do cast, quando vocês estão discutindo sobre a tematica da “trilogia” e falam de ser a ultima vez de ver alguém, nostalgia, viver a vida como se todo dia fosse o ultimo e o relato do Corraini, aquilo me emocionou bastante. Não cheguei a chorar porque estava no ônibus e já acho estranho o bastante eu rir enquanto ouço podcasts, chorar ia ser ainda mais bizarro.
    O final desse JACK e o final cast de Apollon foram muito bons, me fizeram refletir um pouco sobre a vida e como eu lido com as pessoas a minha volta. O André e o Corraini falaram que tem dois anos para fazer algo incrível, mas eu acho que vocês já fazem tem alguns anos e não se deram conta.

    Muito obrigado pela recomendação desses filmes e muito obrigado por esse emocionante podcast.

    See you Space Cowboys.

  • CODA Ayax

    Boa noite nobres senhores. Primeiramente gostaria de avidar que estou comentando antes de ouvir o cast, então erros podem acontecer. 

    Obrigado André por essa indicação. Sou um aspirante a animador por causa de obras assim. Atualmente não tenho acompanhado animes porque sempre os que escolho pra assistir ficam presos a clichês de personagens erotizados, colegiais engraçaralhos e violência desenfreada.

    Não conhecia as obras do Makoto Shinkai e gostei do que vi. A evolução no visual de uma obra pra outra é tão absurda que depois de assistir The Garden of Words fica estranho assistir o Voices of a Distant Star e o 5 Centimeters per Second. Uma coisa que achei curiosa foi que nas animações dele sempre tem “partículas”, com a neve no Voices, pétalas no 5cm/s e chuva no Garden.

    Não gostei muito do Voices of a Distant Star, o visual dele me incomodou e não achei os personagens tão carismáticos. 

    Dessas 3 obras a que eu mais gostei e me emocionou foi a  5 cm/s. Na primeira parte eu fiquei angustiado porque o Takaki não chegava nunca na estação que precisava. A segunda parte eu não gostei enquanto estava assistindo porque não tinha percebido que o Tōno era o Takaki (sou péssimo pra gravar nomes de personagens), mas depois que fiz essa ligação tudo fez mais sentido. A terceira parte é um chute no saco. Depois de tanto tempo ele ainda “viver” esperando pela Akari me parece um pouco exagerado, mas é aceitável e o final é de fazer uma cebola chorar. Apesar de ser ruim para o espectador o final não ter sido com o Takaki e a Akari juntos isso valoriza mais a obra, que trata tudo da forma mais realística possível e um final feliz não parece realista nessa história.

    The Garden of Words realmente é um orgasmo visual. Eu assisti já com a expectativa muito alta e o começo dele acabou sendo meio sem graça. Porém depois dos 10/15 min eu já estava totalmente cativado pelos personagens, mas estava torcendo para que não tivesse outro final depressão igual o 5cm/s e felizmente não teve.

    As trilhas sonoras também são excelentes, mesmo se eu não tivesse gostado das animações já teria valido pela trilha sonora.

    Gostaria de deixar a recomendação do mangá/anime Nana, que também é uma obra que retrata relacionamentos de forma magistral e tem personagens mega carismáticos. Agora ouvirei o cast 🙂

  • CODA Ayax

    pedrorp Paprika e Toyko Godfathers realmente são muito bons. Os outros eu não assisti.

  • Olá nobre cavalheiros desse distinto podcast.
    Eu tentei assistir até o prazo, mas Voice of Distant Star me desanimou tanto que eu não tive ânimo para ir atrás dos outros. Depois de ouvir o cast, fui assistir The Garden of Words e pura que pariu, que foda. Vocês falaram muito do final em aberto, mas quando eu assisti esse último eu falei “Porra, tem que acabar aqui. É o melhor momento do anime” e realmente acabou. Diferente da primeira obra, o “The Garden of Words” entregou um inicio, meio e fim, que apesar de aberto, foi satisfatório.
    Fico um pouco bolado ao saber que o próximo Jack vai ser sobre um anime que eu já assisti. Sei lá, eu acho que o podcast de vocês se diferencia dos outros justamente por essa parada “clube do livro”, mas como gosto do podcast de vocês e Cowboy Bebop é um dos meus “animus” favoritos, nem vou ligar muito (não quer dizer que o anime é bom, ouviu Rick?), mas seria interessante se na próxima vez que tiver obra longa, que seja desconhecida.
    Posso sugerir um tema?
    Assim como nesse cast, eu gostaria de ver um sobre as obras do cara que para mim é o maior cineastra de animação ainda vivo e atuante, o Mamoru Hosoda. Vocês tem que ver 3 filmes:
    – https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&cad=rja&uact=8&ved=0CCkQtwIwAQ&url=http%3A%2F%2Fwww.youtube.com%2Fwatch%3Fv%3DXk9SAmD00Iw&ei=b4mrU4alGarMsQTktIDoDg&usg=AFQjCNHoWMK81h_sCScfk_1nIK3_MTk7MA&sig2=yfB-mycRDL7QyCRqlXMaUw&bvm=bv.69837884,d.cWc – http://pt.wikipedia.org/wiki/Toki_o_Kakeru_Sh%C5%8Djo.
    – Summer Wars.
    – Wolf Children – Ōkami Kodomo no Ame to Yuki – http://www.animebook.com.br/wolf-children

  • MangaAnimeBrasil

    Sushi0 MangaAnimeBrasil  Cara, por isso adoro podcast. Todos os comentários que vocês fizeram e as mensagens que tiraram das animações, me fizeram olhar a história com outros olhos, acabei de assistir o Kotonoha no Niwa Aenianos  e realmente gostei (A cena que a Professora desce da escada e abraça o menino é mesmo emocionante). Mas acho que isso foi mérito de vocês. As vezes eu não tenho paciencia de ver essas coisas mais pensativas. Acho que são coisas óbvias esses pensamentos tipo “hoje pode ser meu ultimo dia no mundo”, pensem em quantas pessoas estão morrendo neste exato instante e eu você estamos continuando vivos, qual a probabilidade do nosso momento chegar sendo que a cada segundo tem uma fila de pessoas partindo e estamos fora dela. Eu gosto de histórias tipo To The Moon ( Que pra mim é o melhor romance/drama/ficção cientifica da vida rsrsrs), que tem várias dessas reflexões, mas a história não fica apenas nos pensamentos dos personagens ou no que eles sentem. Agora vou começar a ver Cowboy Bebop, que também ja havia começado a muito tempo atrás mas não terminei.  Podcast Excelente , Parabéns!

  • pedrorp Recomendações anotadas!

  • MrSchrodinger A diferença de idade não me incomodou, pois apesar do filme mostrar um relação entre uma mulher de 27 e um menino de 15 eu não senti nojo ou repulsa, eu achei que fizeram um bom trabalho em contextualizar a relação dos dois e que mesmo amando ele a professora nunca iria ter nada com ele, pois ela sabe a complicações. E também porque quando tinha 16 eu já saí com uma mulher de 26 e fiquei gamadinho em outra que também tinha 26 então acho entendo um pouco pelo o que eles passaram.
    Cara, você tem que ver essa podofóbia aí. xD

  • @Artur Antunes Eu também acho que um dos aspectos mais legais do JACK é a indicação de coisas novas/diferentes, mas às vezes é legal falar dos animes que já amamos e são mais conhecidos. Mas não se preocupe, o foco ainda será em coisas menos conhecidas, ao menos na minhas indicações. xD

  • HikaruDragon

    Excelente podcast!! Inclusive foi o primeiro Jack q ouvi pq os outros não pude assistir os animes.

    É impressionante como o Makoto Shinkai consegue explorar o mesmo tema de pontos de vista tão diferentes e sem ser repetitivo. Sem falar dos cenários maravilhosos (muito por conta dos detalhes e principalmente pelas cores) que pra mim já superaram até a realidade!

    O meu favorito dos três foi o 5 centimeters (E tbem o primeiro q eu tinha visto), e mais em específico da segunda parte. Gostei muito da personagem q vira protagonista nessa parte. O fato dela estar naquele momento de finalmente decidir o q quer fazer na vida mostra q ela não é só uma personagem que vai olhar a relação dos dois de fora, mas q trás muitas questões também.

    Garden of Words fica em segundo. É quase inacreditável visualmente e é muito impressionante como em apenas 40 e poucos minutos de animação ele consegue fazer com que os personagens fiquem tão concretos na nossa cabeça, como se você tivesse passado muito mais tempo do que isso com eles. Ao contrário do André eu gostei muito da cena do abraço dos dois. Eu concordo que ela é bem expositiva, porém ela vai de encontro com o personagem que quase nunca expõe seus sentimentos, sempre aparentando calmo (E como o Sushi disse é o único momento em que ele altera a voz). 
    The voice of distance star foi o que eu menos gostei dos três. Aconteceu comigo o mesmo que com o Sushi de que ele não conseguiu me fazer me importar com o casal. Eu entendi a ideia da distância e tal mas eu não fiquei investido emocionalmente. Mesmo assim eu gostei muito, principalmente do final.
    Como não ouvi os outros Jack, não sei se vão falar em algum momento sobre mangás, mas espero que sim! Eu entendo que eles são mais complicados porque geralmente são mais longos mas tem alguns curtos como Solanin (Quem não leu, recomendo fortemente) que tem apenas 2 volumes e muito conteúdo pra discussão.
    Fiquei feliz de saber que o próximo será Cowboy Bebop! Na época que eu vi eu adorei o filme e não gostei tanto assim do anime, mas tava querendo rever pra tentar saber se eu acabei não entendendo a proposta ou algo do tipo.
    Enfim, obrigado pelo ótimo trabalho!

  • RenanDaemon

    Olá Jogabilideiros! Parabéns pelas discussões!
    Assisti aos filmes. Particularmente, não gostei muito do 5cm/s, mesmo sendo melhor que o Voices e tendo bons momentos não consegui me engatar na história. Já passei por situação envolvendo distanciamento de pessoas queridas, mas não consegui me afeiçoar aos personagens. Não sei exatamente o que faltou…
    Já o Garden of Words achei sensacional, os personagens me desceram muito mais fácil, talvez pelo fato de serem mais maduros, e mais aspectos de suas vidas serem apresentados. Para mim, o final foi impecável. E claro, o desenho é maravilhoso.
    Abraços

  • GabrielBerilio

    Gostei pra caralho das discussões contidas nesse sapiente podcast.

    Sou muito grato pelas indicações, em especial pelo “Garden of Words”, que para mim, foi a obra mais benquista.

  • BodeMistico

    Heil Sushi!

  • Poisony

    @Artur Antunes Sushi0 E você sempre pode pensar que ainda existe alguém que nunca viu Cowboy Bebop e a parada “clube do livro” ainda fica valendo!

  • FabianKurayamiBessa

    @Artur Antunes
    Wolf Children – Ōkami Kodomo no Ame to Yuki é, disparado, uma das melhroes animações já produzidas nos últimos anos.

    Uma obra que aborda o amor materno, o amadurecimento o sentimento de “deixar ir” de modo absolutamente soberbo.
    Obra de arte.

  • pedrorp

    Estou com um sorriso de orelha a orelha pelos comentários citando o Hosoda ou suas obras, um artista desse merece o reconhecimento.

  • FabianKurayamiBessa

    Sushi0 
    Nem sei se foi você Sushi, mas tenho que parar minha degustação deste excelente episódio para comentar uma declaração que alguém fala durante o programa
    “Ah se vocÊ for neste jardim não é assim, é tudo barroso e marrom”
    NAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAO!!!
    Meu deus!
    O Shinjuku Gyoen é um dos lugares mais lindos que visitei no Japão. Ele é absurdamente parecido ao que se vê no anime nas estações de primavera e verão.
    Os piqueniques que fiz com minha esposa foram alguns dos momentos mais idílicos da minha vida.
    Enfim, acreditem, O Japão é LINDO. Os jardins, que são imensos parques presentes em todos os special wards de Tokyo, são todos deslumbrantes.
    Enfim, voltarei a ouvir este ótimo episódio de um dos meus diretores favoritos. =D
    http://www.inuaoi.com

  • FabianKurayamiBessa Sushi0 Não fui eu, foi o André. 
    Na sessão de links eu coloquei um mostrando como são os lugares do anime na vida real e o parque é muito bonito mesmo.

  • FabianKurayamiBessa

    Impressões sobre as três obras:
    – Hoshi no koe
    Um anime muito especial para mim. O vi a 11 anos atrás, quando tinha apenas 18 anos. Me apaixonei tanto por este anime que o consegui levar para uma mostra em minha cidade.
    Além do fato de ser um trabalho de um homem só, Hoshi No Koe usa o pano de fundo de sci-fi para falar sobre lembranças. Sobre as sensações de reviver a nostalgia do amor puro da adolescência. Enquanto o personagem principal segue em sua vida ordinária, os momentos e sentimentos de amor que ele teve em sua adolescência ainda permeiam sua existência. É uma metáfora muito poderosa que apesar de parecer pessimista, mostra-se um anime sobre a capacidade de carinho sobre seu passado. Isso além da mensagem óbvia sobre amor e distância. Ah, ao final da mostra, ao menos um terço do auditório lotado lacrimejava T___T
    – 5cm Per Second
    Meu trabalho favorito de Shinkai. Não há muito o que falar. Acho que vocês já disseram tudo que eu poderia dizer. Absolutamente amo este anime. É incrivelmente devastador e impossível não se identificar, especialmente no meu caso, que tive um relacionamento a distância com minha atual esposa antes de nos casarmos.
    – Garden of Words
    Ahhhh como amo este anime! Adoro o modo como ele cria uma história humana sobre pessoas quebradas, buscando a reconstrução em um momento íntimo gerado pela causalidade. Adoro o modo como Shinkai cria um “ritual” capaz de lentamente conectar estas pessoas e consertá-las. Para mim é o trabalho mais maduro de Shinkai e os diálogos e construções narrativas e visuais são incrivelmente artísticas.
    Os ambientes são absurdamente lindos e incrivelmente fieis a Tokyo. O Shinjuku Gyoen ( que NÃO é um jardinzinho pessoal HUAhuahuahuhuah É um parque nacional e uma das principais atrações do distrito de shinjuku em tokyo, tem cerca de 55 hectares e é tão ou mais impressionante do que vcs viram na animação) é um elemento tão importante nesta história e tãoi integrado aos sentimentos e sensações dos personagens.
    Enfim, Shinkai é um GÊNIO. Fico feliz em ver que vocÊs estão ajudando a popularizar um de meus diretores favoritos nos últimos 10 anos =D
    Vlw Jogabilidade!!
    http://www.inuaoi.com

  • FabianKurayamiBessa

    Sushi0
    Ah sry.
    Ainda não sou bom em diferenciar as vozes de vocês hahahhaa
    Não tinha visto o link. Me bateu um desespero pois o SG é lindo demais, tão lindo qt no filme.
    Se forem a Tokyo é obrigatório visitá-lo!

  • GabrielValente

    Pra mim o melhor dos 3 curtas sugeridos é o Voices of a Distant Star, sem dúvidas.

    Partindo do ponto de que os três filmes tratam da distância (física ou emocional) entre duas pessoas que se gostam, achei que no Garden of Words e 5 centimeters (principalmente o primeiro curta) existe um dramalhão muito grande (ainda que bem construido), o que talvez seja até uma caracteristica comum dos japoneses quando querem falar de sentimentos, mas que a meu ver fica exagerado em certos momentos.

    Aqueles personagens (do Garden e 5 cm) estavam separados por uma distância no sentido real de separação entre 2 pontos, mas ainda assim que pode ser vencida a qualquer momento, basta a vontade dos personagens. Não havia nenhuma grande briga entre eles, ou grande problema do passado que os impeçam de simplesmente combinar um encontro ou um dia juntos, não importa se vai levar 4,6 ou 10 horas de trem pra chegar. No fim de Garden of Words o personagem sabe exatamente onde a amada dele se encontra, ele sabe que no futuro pode ir para aquele lugar quando tiver vontade ou se sentir pronto. Nem que seja algo como naqueles filmes Before Midnight, Sunset, e Sunrise. Nem que seja um encontro em vários anos, mas os personagens sabem que aquilo é possivel. 

    Já no Voices não existe o que fazer. 

    Imaginem se a pessoa que você ama está milhares e milhares de anos luz no espaço. Não existe nada que você possa fazer a respeito disso. Não existe telefone, carta, whatsapp, ou pegar um carro/trem/avião para ir de encontro a essa pessoa. A única coisa que você pode fazer é aceitar o sentimento de perda e lidar com a saudade da maneira que conseguir.

    Já imaginaram receber uma mensagem que demorou 8 anos pra chegar e saber que aquela pessoa que escreveu não existe mais? Mesmo que ela esteja viva, quando aquela mensagem chega, a pessoa que escreveu já está muito mais velha, com uma mentalidade diferente, com experiências vividas diferentes. Isso SE ainda estiver viva. Receber uma mensagem dessas deve ser uma mistura absurda de alívio e felicidade ao ver que ela continuou escrevendo e se lembrando de você, e ao mesmo tempo de tristeza imensa por não saber mais o que esperar depois disso.

    Por isso mesmo sendo tecnicamente bem inferior aos outros 2 filmes discutidos, gostei muito mais do Voices of a Distant Star pela coragem de mostrar um história de amor e amizade tão bonita mas ao mesmo tempo tão triste, e consegui aceitar isso tudo com menos de 30 minutos de anime.

    Claro que os outros também são muito bons (e belissimos visualmente), principalmente a forma madura como acaba o segundo curta do 5 centimeters.

    Obs: bom ver como o nivel voltou a subir nesse JACK, não deixem mais o Corraini escolher a pauta! hahahahahaha

  • Armoderic

    Excelente o cast e as discussões!
    Vamos por partes:
    Hoshi no Koe: Bom, considerando que foi todo feito por uma só pessoa e realmente impressionante. Não cheguei a ter problema com os protagonistas e a trama está ok, como o André comentou está muito bem amarrada e usada, só teve um um ponto que fiquei confuso, quando ela parecia estar conversando com ela mesmo ou com um dos alienígenas.
     
    Curiosamente, em uma das cenas do quarto do cara, perto do fim, dá para ver um casaco de um uniforme que parece militar o que às vezes me parece sugerir que ele estava pensando em ir atrás dela, mais ou menos como no 5 centímetros por segundo (o que alias por si só seria uma história incrível dele indo atrás dela, sem saber sequer se ela está viva). Só achei estranho ela estar usando o uniforme escolar dentro mecha.
    Entre as inspirações, além das que comentaram como Evangelion e Gundam, o jeito que os mísseis são lançados me parece uma clara referência a Macross, que meio popularizou esse jeito de lançar misseis (tanto que virou uma entrada no tv troopers “macross missile massacre”).
    5 Centímetros por Segundo: Muito bom, mesmo. Só que também fiquei bem confuso quanto a ser o mesmo protagonista, pois quando em um primeiro momento achei que fossem três histórias com pessoas diferentes porém com o mesmo tempo, só mais adiante caiu a ficha. Na real em Cosmonaut começa com um planeta meio estranho no início, achei até que o tema de ficção ia voltar. Também me identifiquei muito com algumas situações.
    O primeiro capítulo é sensacional e emocionante. O segundo é muito bom também, como vocês disseram ela é boa demais para ele. Esse sofrimento dele pela perda da garota do primeiro capítulo e até mesmo o ato de ficar escrevendo mensagens e não mandar elas foi algo que me identifiquei. Porém, o que ele deveria ter feito é ir adiante, aceitar o que aconteceu (guardando a a memória daquilo) e não ficar apenas na quase auto flagelação. Pois quando você vê o terceiro capítulo percebe que essa atitude dele levou ele a um caminho de solidão e degaste absurdo (ele mesmo se descreve como alguém esgotado, no qual não sobrou nada de bom), sendo que ele tinha chances de seguir um outro rumor, haviam opções (como o capítulo 2 mostra, ela estava interessada nele, mas talvez ele nem via).
    Garden of Words: Sensacional e muito bonito. O conceito dos dois se encontrando naquele lugar para ambos, e principalmente ela, irem se curando aos poucos é muito bom. No início do anime não tinha me ligado que talvez ela fosse uma professora, pela roupa achei que fosse alguém de escritório ou algo assim. Uma coisa que pensei é que apesar dela falar no telefone que não está com um distúrbio alimentar por causa do bullying das alunas, o anime meio dá a entender que sim, uma vez que ela primeiro diz que está mentido e depois pelo que ela come em geral. Isso mostra como o que ela sofreu foi algo bem pesado para ela.
    O momento final que eles discutem eu achei emocionante, ele agir meio como criança foi ok, ele já age bem maduro para a idade, um momento de fraqueza é totalmente ok naquela situação. Sendo que ali ele expressa um medo e insegurança de algo que ela nunca nem comentou – o fato dele querer fazer sapatos e viver disso o que revela que ele talvez um medo forte de ser julgado negativamente por isso. O final mostra ela novamente dando aula, ou seja ela se curou das feridas, mas fiquei pensando, e ele? tipo o anime termina com ele indo lá e repetindo o ritual, será que ele também vai na mesma onda o protagonista do 5 centímetros e ficar preso nisso?
    Bom apenas reforçando o que CODA Ayax falou recomendo o anime/manga de Nana pois também mostra relacionamento de forma madura e inclusive mesmo antes de Nana recomendo Paradise Kiss que é a da mesma autora, é curto e muito bom.

  • Armoderic Acredito que no Voices a ideia é que o protagonista vai atrás dela mesmo. No manga até mostra ele entrando pra parada e tal.

    Eu acredito que o protagonista do The Garden of Words não irá parar como o do 5 Centimetros, pois ele é mais decidido.

  • Armoderic

    Sushi0 ah, não sabia que no mangá fica claro isso, quando vi o casaco dele ali achei que fosse apenas uma sugestão de algo que talvez pudesse acontecer. Depois realmente pensando melhor, realmente no Garden of Words, realmente ele ali em particular não iria fazer o mesmo que o outro protagonista, o que gera um diferença bem interessante de atitudes de cada protagonista em relação a situações bem semelhantes.

  • CaioCorraini

    GabrielValente Só por causa disso vou colocar http://www.animeq.com.br/2010/06/kissxsis.html na próxima vez que for sorteado aqui ò.ó

  • alongospelrock

    Pra mim, o melhor dos três foi Garden of Words acredito que por sua simplicidade de fatos.

  • Great Grey Wolf Sif

    Ora ora, por onde anda o fanboy do Dinopron? Fico admirado que ele não esteja pendurado no saco do gordinho. Talvez esteja com hemorroidas ou morreu de tanto Cheetos. Será que ficou com vergonha de aparecer? Acho que ele deve estar fazendo banners.

  • pedro_tex

    Enfim, demorou um cadin mas finalmente vi as três animações ;D
    Concordo com o que alguns disseram abaixo, The Garden of Words pra mim é o trabalho mais maduro do Shinkai. E caramba, depois de uns 10 minutos assistindo tive que voltar pro início porque só estava babando pra beleza dos cenários; fantástico. Como o André (acho) disse, por mostrar a construção da relação entre os dois personagens, pude me interessar mais por eles e pela trama.
    Já Hoshi no Koe não me pegou de jeito nenhum. Começava a me comover com a distância entre a guria e o guri, mas aí mechas no espaço lutando contra aliens… sei lá, pareceu destoante :v
    Esperando pelo próximo JACK, tô há tantos anos pra assistir isso e só vocês que me motivaram a começar c:

    (mas 5cm/s é meu favorito <3)

  • alongospelrock

    Jack #5 demoro já… Bora la galera

  • Bonidex

    Obrigado por ter recomendado ótimas animações novamente. Tirando o episódio 3, todas as indicações até agora foram espetaculares (minha opinião). Apesar de achar isso, nesse programa o Corraini soltou várias pérolas filosóficas que me fez ver que ele realmente merece fazer parte deste clube tão distinto de cavalheiros. Ou seria cavaleiros, já que é knights?
    Obrigado e aqui vai o puxão de orelha: estou assistindo Cowboy Bebop, mas e o Jack 5?

  • D Motta

    Chorei nas duas animações ñ tenho psicologico pra assistir Hoshi no Koe

  • Bpasch

    Opa, o filmes foram adicionados no NETFLIX. 🙂