Desde tempos primordiais, tentaram nos alertar dos perigos da música roque. Os avisos foram solenemente ignorados e hoje pagaremos por esse erro. 

Para demonstrar seu potencial letal, André, Sushi e Corraini infiltram bases militares ao som de bandas finlandesas e discussões sobre Dropsy, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain e Mad Max.

Após abandonarem esse mundo do mochila de criança, comentam os ocorridos da conferência pré-Tokyo Game Show 2015 da Sony, o novo presidente da Nintendo e Pokémon Go espalhando monstrinhos pelo mundo.

Envie Sua Pergunta!

Tem alguma dúvida, questionamento ou tópico de discussão sobre games, a vida, o universo e métodos de ganhar dinheiro? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Você pode também enviar sua pergunta pelo nosso Jogabilitumblr!

Links:

  • Ricardo Latoch

    Ola Jogabilideiros, com um orçamento reduzido entre Phanton Pain e The Witcher 3 qual é a melhor escolha?

    • André Campos

      Os dois são ótimos. Eu escolheria o Metal Gear, mas é uma decisão bem pessoal.

      • Ricardo Latoch

        Obrigado, considerando que acompanho as suas opiniões a quase 3 anos, creio que a decisões pessoais sobre joguinhos irão convergir 😀

  • O motivo de ele não falar durante o game é que é possível jogar o jogo inteiro com uma mulher, sendo assim eles evitaram falas durante o gameplay para não fazer duas vezes cada cena.

    Sofre a falta de demo, compre o jogo e se não funcionar devolva.

    • CD falsificado de Playstation

      Mas são tão poucas falas, que acho que não aumentaria tanto assim o trabalho, de gravar duas falas para cada cena.
      E note que mesmo nos Metal Gear anteriores (Portable Ops e Peace Walker) as cenas sempre mostravam o Big Boss, mesmo que você estivesse jogando com outro personagem.

      • é que esta de trocar o personagem na cena é muito escroto.

  • Conde Ferreira

    Essa historia do Metal Gear Solid, lembra a historia de Star Wars, aonde primeiro você conhece a historia do “filho”, que mata o vilão,dai descobre que ele é seu “pai”… dai começa a mostrar a historia desse “pai” virado o vilão… Hmm Referencias…

  • victorbass

    Só senti falta de uma menção ao anúncio de Gravity Rush 2 (e a remasterização do primeiro) para PS4 durante a discussão sobre a TGS.

    Imagino que nenhum integrante do site jogou o original do Vita. Ele tem seus defeitos, mas é um jogo que eu gosto bastante, tem um universo muito interessante e personagens bem carismáticos. Tem potêncial pra ser uma excelente franquia no acervo da Sony.

    Após platinar o primeiro jogo no Vita, sempre pensei o quão bom seria uma sequência que conseguisse aparar as arestas do primeiro jogo e evoluir as coisas que ele faz certo. Fiquei muito feliz com os anúncios, não só porque é a chance de muita gente jogar um game muito bom que passou batido, como a chance da franquia mostrar realmente a que veio, e o belíssimo trailer do segundo jogo criou altas expectativas aqui.

    • Sushi0

      Acho que o Corraini jogou Gravity Rush, mas foi o único e realmente nem ficamos muito animados com o anúncio, apesar dele ser um dos poucos jogos de vita que tenho vontade de jogar. Quando sair pra PS4 provavelmente irei jogar e quem sabe comentar aqui.

  • Diésio Ferreira

    É muito curioso como massa se incomoda quando alguém que não gosta daquilo que todos estão amando no hype do momento. Não joguei Mad Max e não tenho o minimo de interesse em jogar, mas isso é um sentimento meu que não me apetece o mundo em si. Em contra partida, eu gostei muito de The Order 1886 exclusivo da Sony, que foi apontado como “medíocre para abaixo” para grande massa até sites gringos que por muitas vezes concordei com o review. Me pergunto se essas pessoas se deixam levar pela opinião alheia deixando de ver o jogo com a sua própria perspectiva ou seria somente preguiça mesmo e se “o Polygon der um nota menor que 8 irei cagar para o jogo”.

    • CD falsificado de Playstation

      Polygon é vida, você está sendo preconceituoso.

  • Zeroum

    Sou mto fan de MGS, mas pra mim Phantom Pain foi o jogo mais fraco e capado da serie. As 30 primeiras horas de campanha do jogo são mto boas, acho também, que esse foi um fator determinante para que varias pessoas falassem nas midias que o jogo é mto bom e talz, pq a supresa de jogar PP, pela primeira vez é mto boa. A jogabilidade e level design, são “lindos e maravilhosos” mas é isso. A experiencia MGS, no geral, ficou bem a baixo da media dos seus antecessores. A missões principais diversas vezes acabam sendo repetitivas tanto quanto as secundarias, parece que o jogo esta repleto de filers. Custava o Sr Kojima fazer missões de disfarce? Tirar photos? Momentos em que o jogador é capturado ou perde todas as armas? entre outras situações “inusitadas”… O marketing do jogo mostrava duas locações, Afeganistão e Africa; Se vc esperava ser surpreendido com outra locação (com neve, pq não) sorry. A historia e relação dos personagens é bem forçada em varias partes (Um abraço pro Skulface, Eli e “Psycho Mantisinho”). E o desdeixo dos personagens (principalmente os vilões) é uma merda (Big Boss, Skulface, Eli, ?CodeTalker?). O jogo não é ruim, eu diria que é capado mas como nossos amigos Jogabilideiros não terminaram o game não vou me estender mto nas criticas.

  • Como alguém que terminou tanto Metal Gear Solid V e Mad Max eu diria que o tema recorrente entre os dois é: decepcionantes. Mad Max é realmente mediocre. O combate de carro é divertido, o jogo é bonito, mas a história é blergh, o combate meele é bem mais fraco que Batman e Shadow of Mordor, mas a violência e as explosões são um tanto quanto catárticas. É uma parada repetitiva pra caralho, mas ótimo pra jogar ouvindo podcast.
    Agora, MGS V é complicado porque ele é mecanicamente impecável – melhor jogo de stealth que eu já joguei na vida, mas a história é terrível. Big Boss e Ocelot são meus personagens favoritos da franquia e esse jogo só me fez gostar menos dos dois. Lembram quando o Troy Baker era um ótimo dublador? Porque ele esqueceu enquanto dublava o Ocelot. A primeira cena com “Let the legend come back to life” e os caralhos ele faz uma voz grave que parece um bom ponto entre o Ocelot MGS 1 e o do MGS 3, mas depois disso ele vira um redneck qualquer. Ele é russo, por que ele tem esse sotaque do sul dos EUA!? Eu acho a falta de cutscenes um problema, as fitas funcionavam no Peace Walker porque o PSP era um console fraco, mas aqui só parece preguiçoso. Por que caralhos eles contrataram o Jack Bauer pra ele ser um protagonista mudo? Tem cenas que é simplesmente ridículo ele ficando quieto com a cara de pastel do Link enquanto o resto dos personagens faz tudo. Quem lidera os Diamonds Dogs não é o Snake, é o Miller, que puta merda, que personagem insuportável! A Quiet, a personagem muda, é a unica personagem no jogo inteiro que tem um arco, enquanto todos os outros acabam da mesma forma que eles começaram, o Skullface é um péssimo vilão, os chefes são piores que a B&B Unit, tem missões que são basicamente quebradas(um fuck you pra missão 45). Eu entendo que o Kojima quis fazer um jogo diferente e parabéns pra ele, mas eu acho que a mudança pra um mundo aberto me fez não gosta do jogo e isso me deixa muito triste. Eu fico muito triste que eu vou deixar MGS com o gosto amargo na boca de 70h de jogo que me divertiram, mas que quando eu paro pra pensar no legado dele para a série, o jogo tá podre e incompleto. Eu odeio soar como o pessoal que descartou todo o Mass Effect 3 por causa do final e eu sei que a jornada é tão, se não mais, importante que o destino, mas quando eu cheguei no destino o meu carro explodiu, arrancou alguns membros de mim e matou algumas das pessoas que estavam na jornada comigo, então fica difícil não ficar triste com o que aconteceu.
    Melhor jogo stealth que eu já joguei na vida que se chamasse só The Phantom Pain por Joakim Mogren, ia estar no meu Top 10 jogos da vida

    • Zeroum

      Rodrigo, assino em baixo em tudo isso que vc falou. E não entendo quando vejo pessoas/reviews elogiando o tanto o MGSPP. Para mim, não jogaram o jogo inteiro ou falta lhes senso critico próprio.

      • Eu entendo, principalmente de reviewers. Meus problemas são, em sua maioria, nitpicks de alguém muito fã da série e um jornalista analisando o jogo não tem obrigação nenhuma de se importar com o grande arco da série. Mecanicamente é um jogo muito bom e isso costuma ser o bastante pra quem não tem investimento emocional ou expectativas como as que eu tinha

        • Zeroum

          Extato, mas cá entre nós, alguem que vai analizar um jogo que está em seu QUINTO episodio, e que cronologicamente conta o “inicio da metade da historia”, se preocupar só com a jogabilidade, é foda.

    • Crow

      SPOILERS ABAIXO

      Concordo que a história foi no minimo broxante (para não dizer que caiu o pau), porém algumas coisas são justificadas, como por exemplo o Miller liderar os Diamonds Dogs por justamente sabermos que o Big Boss desse jogo não é o real e que ainda está nos passos de se tornar a sombra do Big Boss (como vemos no primeiro metal gear), porém admito que pelo mesmo motivo de ele não ser o real faz você se sentir enganado (por mais que eu tenha achado o venom snake badass) você queria jogar com o big boss pela ultima vez. E o jogo também está inacabado, como vemos na cena final do Eli, que é uma piada do caralho, o cara nem meche a porra da boca, ou até mesmo eles não revelarem quem é aquele ruivo(a) com mascara de gás, digo, ele é ex-machina fodido mesmo ? E alguns furos na história só pelo motivo de agora existir dois big bosses. Para mim esse também foi um dos mais insanos, eu sei que Metal Gear é assim, porém acho que esse teve uma pegada muito mais maluco do que dos outros.

    • Marcelo de Carvalho

      Eu achei engraçado eles falando de forma esperançosa como tal coisa aconteceu, “como Big Boss virou chefe da Foxhound?”, “Como ele virou o demônio dos trailers”….hahaha…coitados, a história é um lixo e não responde nada. Eu achei uma estupidez esse plot dos parasitas, história tosca de um jogo de Resident Evil.

      A melhor coisa da história desse jogo foram os trailers. rsrsr

      Mas cara, jogar esse jogo é fenomenal…110horas e 70% de completion, estou indo pros 100%.

      • Crow

        Realmente hahaha, legal mesmo é que os trailers pareciam contar uma coisa completamente diferente do jogo, nos trailers aparecia o big boss virando o skull face, e todo mundo “DAMN SON!”, pobres coitados.

      • CD falsificado de Playstation

        Acho que você quis dizer “Como Big Boss fundou Outer Heaven”, não? Ele se tornou chefe da FOXHOUND após participar de várias guerras ao redor do mundo (ele já apareceu na capa da TIME), por isso os EUA acharam melhor colocá-lo como líder desse grupo, mesmo com o passado dele.
        Lembre-se que pouquíssimas pessoas sabem dos eventos de Portable Ops/Peace Walker, e na época de Outer Heaven (1995), a maioria já morreu.

        E cara, concordo plenamente com a sua fala sobre o trailer. Hoje em dia estão contando tudo de jogos e filmes nos trailers, e quando vamos ver, nem é tudo aquilo.

    • CD falsificado de Playstation

      Such a lust for revenge.
      WHOOOOOOOO?

      Só eu acho que esse combate “Batman Arkham City” já encheu o saco? Também achei isso péssimo no Mad Max. Tá ficando chato igual QTEs.

    • Pedro Guilherme

      Eu também fico com esse gosto amargo na boca, o jogo executa muitas coisas bem e existem momentos incríveis e emocionantes. Mas ao mesmo tempo, como você mesmo disse, ele deixa a desejar.

      Acredito que exista também um problema de pacing, o ritmo do jogo é um pouco quebrado, existem missões principais que são relativamente irrelevantes para a história e mesmo assim estão lá ao invés de serem Side Ops. O jogo também tem um sério problema de narrativa, a história que deveria permear as missões principais do jogo é tão escassa que você pode passar horas e horas sem nenhuma motivação interessante para continuar com aquilo a não ser o ótimo gameplay.

      Quanto as fitas, elas não funcionam tão bem quanto no PSP não por causa do sistema, mas por causa da maneira como foram implementadas. No PW, as fitas eram um complemento que permitia que o jogador soubesse curiosidades históricas, curiosidades de guerrilha, de táticas, segredos da história do jogo, etc, mas também acrescentavam uma grande profundidade aos personagens, as fitas adicionavam um valor muito grande ao jogo, mas também não tiravam nada da história principal dele. No MGS V:PP, a impressão que eu tenho é de que tal qual o roteiro das missões principais, a maior parte das fitas simplesmente dá a informação de maneira jogada, não tem muita inspiração na maneira como as informações são passadas, elas simplesmente são transmitidas, elas não acrescentam muito aos personagens e a narrativa da história acaba sendo prejudicada.

      Enfim, tem coisas boas sobre esse jogo, tem os seus bons momentos na história e é claro, a jogabilidade é fantástica e o level design é primoroso… Mas não é aquela experiência Metal Gear. Por mais que o jogo seja incrível mecanicamente, seja impecável, eu jamais deixaria de jogar os jogos antigos por causa dele, por que a experiência é completamente diferente e mesmo com as mecânicas ruins de alguns dos jogos antigos, eu prefiro me sentir inspirado e cativado pela história e mesmo assim ter alguma emoção com o gameplay (mesmo que não dê para comparar) a me sentir inspirado e cativado pelo gameplay e me decepcionar profundamente com o roteiro.

  • Pingback: Vértice #58: Nightwish Assassino | Podflix()

  • André Luz

    amigos jogabilideiros, não sei se repararam, mas neste cast e em outros se clico na imagem do post ele manda para outro cast nada ver, neste daqui manda para o jack 05. Clicando no link vem pra ca normal, só queria avisar.

    • CD falsificado de Playstation

      Tem que esperar um pouco para os links acertarem, mesmo depois de a página carregar toda. Passe o mouse por cima do link, e veja se ele corresponde ao episódio certo. Se não corresponder, espere um pouco.

    • Henrique Tavares

      Tem sido tão frequente que várias vezes vi que comentei em uma página errada. Tá bem frustrante mesmo 😛

    • André Campos

      Desculpa gente! Já sabemos como corrigir, em breve essa merda vai parar!

  • Johnny Lapís

    Engraçado Notar como esse jogo é o oposto do Padrão de Metal gear, que é cheio de Diálogos Expositivos com acesso de explicação, e Cutscenes gigantes, Neste ele já começa te dando um soco na cara, e depois disso, vc já é jogado no Afeganistão com seus equipamentos, um cavalo, e ali é dito seu objetivo, a forma que vc vai fazer esse objetivo é sua escolha, e ai o jogo que o jogo brilha.

    Bom já me alonguei, pra fechar quero dizer que eu nunca gostei de metal gear, Mas veja bem, apreendi que não é por que eu não gosto que algo seja ruim e mau feito, o Kojima é um gênio, por inovar atrelando mecânicas a historia, fazendo algo realmente interessante abordando diversos temas construindo uma trama marcante , tem diversas coisas que eu não gosto nos outros jogos da Serie, como Excesso de Explicação, ou Explicação Estapafurdias, como NANOMACHINES, Show Off, Vilão Miando, Robo Mugindo, se esconder em uma caixa, Super criança gênio, CYBORG NINJA De salto alto e unhas postiças, vilão dançarino de Tango e e diversas coisas que tornam Metal Gear algo pouco Palatável para meu gosto pessoal, Mesmo eu adorando ler sobre a trama Geopolítica, e Armamentista, as referencias e outros detalhes relacionados.

    Não gosto, mas eu sei que o Kojima é bom.

    E Phantom Pain é a Hideo Kokima Game, mas sinto a maneira que a historia me foi contada foi bem mais palatável, mesmo que ela seja rasa a ponto de em nenhum momento
    eu conseguir ver onde existe essa transição de um cara Idealista para um Terrorista.

    Na moral achei fraca a historia, apesar de ter momentos muito impactantes, ligando os pontos e de maneira geral achei bem meia boca.

    um jogo que se apoia quase que totalmente nas mecânicas, ele te da ferramentas e situações incríveis,
    que se moldam com suas decisões táticas, eu joguei umas 80h e jogaria fácil outras 80h.

  • Aurélio Dantas

    Essa semana foi a primeira vez que eu acompanhei um Vértice ao vivo e agora pude comparar com o trabalho do podcast editado pelo Sushi (imagino que seja ele quem edita), ele está de parabéns com a edição do programa, não que a transmissão ao vivo não tenha sido legal, mas é incrível como o programa ficou diferente e melhor para se ouvir no formato de podcast com uma edição que pode ser chamada de “simples”, mas altamente efetiva, estão de parabéns pelo trabalho mesmo.

  • Henrique Tavares

    Não entendi porque o Corraini falou “em plenos 2015 um jogo me faz ir atrás de dinheiro”. Ué, é um dos principais estimuladores da exploração. Minha principal crítica à vários Zeldas, por exemplo, é eles te darem dinheiro em excesso, e pior, sem nada pra fazer com eles. Fica tudo tão na boquinha. E achar baús com ruppees em Ocarina of Time era uma frustração tremenda, por sempre já estar com a carteirinha cheia. Em compensação, alguns jogos tem aquele item lindo e caro, que me induzem a virar um verdadeiro caçador de tesouros e viver aventuras muito legais. Talvez o Corraini fale de sistemas mal planejados onde a única forma de adquirir dinheiro é ficar juntando moedinha por moedinha de inimigos?

    • CD falsificado de Playstation

      É um trauma que ele tem com Bubsy.

    • Otavio

      Se me recordo bem, eles cobraram exatamente isso de GTA V, que tinha dinheiro em excesso e que seria legal se o jogo te obrigasse a sair pelo mundo pra conseguir dinheiro, aí tu se veria obrigado a explorar as diversas coisas que aquele mundo tem a oferecer, etc. Estaria com ele se ele argumentasse e apontasse as falhas sobre a forma com que o jogo faz isso, como você falou, mas ele só atacar a ideia em si é meio contraditório.

  • Gouveia

    Nossa! Olha isso…

    • Sushi0

      Haha ficou ótimo esse Sasahara. Ou sushihara?

  • Sou só eu que tenho problemas com a frontpage do site? Direto eu clico pra ir em algum podcast, o linha quente 2 por exemplo, e o site me manda pra algum vértice aleatório

  • Outrem

    Esse Teaser do Danganronpa 3 é foda. Mesmo ele sendo curto você não precisa saber japonês para perceber que ele vai exigir conhecimento prévio por parte do jogador dos Danganronpas 1, 2 e Another Episode (spin-off lançado recentemente). Então mesmo ele também saindo para PS4, se você não tiver um Vita para jogar todos os 3 jogos anteriores vai perder muito da experiência do jogo.

  • Jf Fernando

    Bem só explicando a historia de Danganronpa (sem spoilers) um grupo de alunos são obrigados a viver nessa escola controlada pelo diretor bizarro, para se formar os alunos devem matar alguem sem ser pego, toda vez que alguem é morto vem a fase de investigação e depois o julgamento, se os outros alunos descobrirem quem é o assassino, ele é executado, e o jogo continua com diretor criando motivos para alguem tentar se “formar”, caso errem quem foi o assassino todos morrem e o assassino sobrevive, recomendo o anime que conta a historia do primeiro game, anime curto de 13 eps http://goo.gl/m1sSSU

  • André Bonifácio

    Só passar para dizer: RICK! Obrigado pela indicação do anime do próximo JACK. MUITO OBRIGADOOOO.

  • Lucas Santana

    Olá pessoal, ótimo podcast.

    Sobre os títulos de Kingdom Hearts, realmente, eles poderiam fazer escolhas melhores. Sobre os títulos dos Remixes serem uma mistura de romanos com os nossos números é mais ou menos porque o primeiro Kingdom Hearts é Kingdom Hearts I, e então veio o II e agora o III, nos títulos principais sempre foram usados números romanos, enquanto que nos paralelos eram usados números como no Kingdom Hearts 358/2 Days.

    Então fica mais ou menos assim:

    Entre KHI e o II tem o I.5 e entre o II e o III tem o II.5. Ficaria estranho se fizessem II.V e principalmente com o novo título: II.VIII, melhor como II.8, já que o prólogo para o III é o 0.2, que somando II.8 + 0.2 dá o que? O KH III!

    De uma certa maneira faz sentido no estilo Nomura de pensar.

    Aconselho ao Caio a começar jogando em ordem de lançamento, vou fazer um esqueminha aqui (todos os jogos tem suas versões HD nos Remixes para o PS3):

    KHI Final Mix – Chain of Memories – KH II Final Mix – Assistir o filme do 358/2 Days que tem no I.5 – KH Birth by Sleep Final Mix – Assistir o filme do Coded no II.5 – Dream Drop Distance (que ano que vem sai no II.8 para PS4)

    Pode assistir o filme do X (lê-se Chi ou Ki) no II.8 ou jogá-lo no celular. E junto sai o prequel estilo demo (igual foi o Ground Zeroes do Metal Gear) de KH 0.2.

    Espero ter ajudado, qualquer duvida só perguntar =]