Há muito tempo atrás numa galáxia muito distante, na época dos lendários jornalistas de vídeo game, os guerreiros rebeldes André, Rick, Sushi e Corraini se juntavam para brincar de espadinha laser, negociar bloqueios comerciais e conversar sobre jogos como Cibele, Horizon Chase e Star Wars Battlefront.

E, como ninguém é de ferro (exceto o C3PO), eles reabastecem seus midi-chlorians discutindo também as notícias mais relevantes da quinzena: as novidades do último Nintendo Direct, a Kotaku sendo colocada na lista negra de estúdios por falar demais e outras fofocas e intrigas.

Envie Sua Pergunta!

Tem alguma dúvida, questionamento ou tópico de discussão sobre games, a vida, o universo e métodos de ganhar dinheiro? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Você pode também enviar sua pergunta pelo nosso Jogabilitumblr!

Links:

Trilha do Podcast

  • “Late Nite Funk Squad”, por David Tobin, Jeff Meegan e Malcolm Edmonstone
  • “Forever”, por Kamelot

Blocos do Podcast

  • Cibele: 00:04:50
  • Horizon Chase: 00:21:53
  • Star Wars Battlefront: 00:46:19
  • Gaems Journalism: 01:00:05
  • Nintendo Direct: 01:38:17
  • Pingback: Vértice #63: Jornalismo nas Estrelas | Podflix()

  • Trevan

    Kotaku um dos piores Sites de jornalismo sobre games de todos os tempos.

    Sensacionalistas, contraditórios e sem nenhuma ética jornalistica e quem gosta dessa bosta de Site devia tomar vergonha na cara.

    • Belos argumentos. Bela generalização.

      A tia da quinta série chamou de volta do recreio.

      • DN@
        • Márvio

          Coitadinha da Ubisoft.
          Coitadinha da Bethesda.
          E coitadinho do Kotaku.

        • André Campos

          Cara, eu vi o site e assisti ao vídeo e, sem nenhum sarcasmo, poderia expandir mais por que você acha que eles tiram a credibilidade da Kotaku?

          O DeepFreeze (que eu acho que não deveria ser levado muito a sério, por se propor a expor falta de ética no jornalismo e ser muito menos ético que qualquer um dos sites que “expõe”, colocando informações pessoais adquiridas por meios duvidosos, boatos, informações sem fonte e muita coisa incorreta) coloca a Kotaku como um site que preza mais por relações com desenvolvedores que integridade jornalística… Mas ela ter entrado na blacklist por ter postado leaks favorecendo o leitor e prejudicando a desenvolvedora não é uma prova contrária disso?

          E no vídeo, o Total Biscuit além de se dizer contra o blacklisting, só levanta argumentos sobre a QUALIDADE do jornalismo da Kotaku, que concordo ser bem ruim e por isso não é um site que eu frequento… Mas considero ser um assunto bem separado de credibilidade.

          • DN@

            “[..] vi o site e assisti ao vídeo e, sem nenhum sarcasmo, poderia expandir
            mais por que você acha que eles tiram a credibilidade da Kotaku?”

            De fato, simplesmente jogar os links e esperar que eles falessem por mim não foi uma boa ideia. Minhas apologias.

            ————

            Sobre a idoneidade moral do DeepFreeze: eu discordo fortemente da sua posição. Embora algumas fontes são de fato obtidas de meios ilícitos (i.e. vazamentos de documentos privados) TUDO que eles afirmam tem fontes (muito diferente do que o Kotaku faz) e são facilmente ratificáveis por diversos lugares da internet. Em momento algum ele apresenta apenas boatos, como você afirmou. Por favor, se for criticá-lo, aponte os lugares específicos para que eu verifique e não apenas jogue um “Esse site não é confiável porque eu disse e pronto”.

            É de uma inocência doentia sentar nas próprias mãos e esperar que os provedores de informação que são supostamente corruptos se manifestem abertamente sobre isso, é um caso clássico de “Who watches the Watchmen”. Devemos ativamente procurar verificar se a informação que nos é transmitida pela mídia mainstream é de verdadeira, mesmo que por métodos não ortodoxos. (Deixando claro que sou contrário a qualquer tipo de agressão e ameaça, seja ela física ou verbal).
            Poxa, um dos grandes motivos pelo qual venho para o jogabilidade é justamente esse! Ter outras opniões sobre os jogos que pretendo comprar, já que as principais fontes de reviews do mundo podem estar comprometidas.

            O que o site(DeepFreeze) faz nada mais é do que simplismente agregar informações que JÁ ESTÃO NA INTERNET em um lugar de fácil acesso.
            Se essa informação envolve a vida privada dos envolvidos na corrupção, paciência. Seria a mesma coisa que ser contrário as investigações de corrupção do mensalão simplismente por expor a vida privada dos envolvidos. É ridiculo condenar o site por esse motivo.

            Da minha perspectiva o site é mais ou menos como um Wikileaks em uma escala muito menor.

            ——–

            “[…] coloca a Kotaku como um site que preza mais por relações com desenvolvedores que integridade jornalística [..]”

            Caralho mano, quantos milênios você teve que ficar canalizando o eufemismo disperso pelo universo para conseguir transformar todas as acusações de corrupção existentes contra o Kotaku (grande parte com provas irrefutáveis) nessa sua frase aí ?
            Sinceramente fiquei embasbacado com sua posição nessa parte.

            ———

            “Mas ela ter entrado na blacklist por ter postado leaks favorecendo o
            leitor e prejudicando a desenvolvedora não é uma prova contrária disso?”

            Dois pesos e duas medidas, hein André ? se o Kotaku vaza informações ele está favorecendo o leitor, mas se o DeepFreeze o faz (ou divulga a informação de quem o fez) ele é “muito menos ético”, puta que me pariu…
            Mas enfim… esse não é o caso porque não sabemos o real motivo do SUPOSTO blacklist (não existem provas, outra amostra do péssimo jornalismo apresentado pelo Kotaku, tratar suposições como fatos), citei o video do TotalBiscuit justamente pra ilustrar esse ponto, SE o blacklist existe de fato, PODE e DEVE ser pela péssima posição que o Kotaku quer colocar as desenvolvedores apenas para gerar clicks com sensacionalismo barato. O QUE NÃO BENEFICIA O CONSUMIDOR DE NENHUMA FORMA! Apenas dá mais combustível para os SWJ de plantão, como magnânima não gamer salvadora dos games Anita Sarkeesian e seus seguidores (cof cof… Corraini… cof cof) evangelizar a todos nós sobre como o machismo tóxico existente nos games atuais são a raiz de todo o mal da humanidade e ela, como novo Messias, pode nos salvar. (Desde que financiemos todo o projeto, é claro.)

            Algo que corrobora ainda mais esse meu ponto é o fato de que o Kotaku foi o ÚNICO site (do mundo mainstream) que se manifestou a respeito de ter entrado em uma lista negra das desenvolvedoras. Sendo que VÁÁÁÁRIOS outros sites já vazaram informações e não tomaram um blacklist na cara.

            ——-

            “Total Biscuit além de se dizer contra o blacklisting”
            Isso é irrelevante já que a defesa dele em relação ao Kotaku não é mutualmente excludente com minhas críticas ao site. Isso porque o argumento de defesa dele é fraco e simplista, se baseando apenas na ideia que o blacklist não beneficia o consumidor porque é uma fonte a menos de informação para nós.

            O que ele ignora é que uma fonte de informação do tamanho do kotaku tem o potencial de alienar uma grande parte da população gamer. Porra, a mídia não é chamado de “o quarto poder” atoa, ela pode destruir totalmente a reputação de uma desenvolvedora (especialmente se for pequena) com base em boatos, além de poder manipular a informação e consequentemente as pessoas da maneira que bem entender.
            Ou seja, um veículo que se comunica com a massa e que não se compromete com a ética jornalística(prova disso logo abaixo), como é o caso do Kotaku, estaria melhor não existindo do que alienando a população por aí.

            Nem mesmo tem uma política de ética eles tem. O próprio editor chefe do site, EM ENTREVISTA, admitiu que não precisam disso e não vão implementar um. Ele defende esse ponto falando apenas que no futuro as pessoas podem encurralar eles por não seguirem suas próprias políticas. PORRA, ESSE É EXATAMENTE O PONTO CARALHO! IMPEDIR VOCÊS DE FALTAREM COM ÉTICA.

            A entrevista em si foi fraca, e sem perguntas de tom
            confrontacional… e a posição do Kotaku foi basicamente:
            “O Kotaku investigou o Kotaku e não encontramos sinais de corrupção.”

            Não posso dar uma timestamp da parte que sobre a política de ética que eu mencionei porque faz tempo que vi essa entrevista então não lembro, mas te garanto que está aí em algum lugar e aqui vai o link:

            https://www.youtube.com/watch?v=MpmIrWqEUUU

            ——–

            “[…] só levanta argumentos sobre a QUALIDADE do jornalismo da Kotaku, que
            concordo ser bem ruim e por isso não é um site que eu frequento… Mas
            considero ser um assunto bem separado de credibilidade.”

            Discordo completamente, acredito que os artigos mencionados pelo TB fogem completamente do escopo qualidade. Isso porque são inflamatórios, sensacionalistas e principalmente: DELIBERADAMENTE MENTIROSOS.
            Se isso não constitui falta de íntegridade jornalística pra você, eu definitivamente não sei o que constituiria.
            Peço que você reflita e aponte casos (além de reviews pagas, óbvio) que abarcam o imoral no jornalismo, quero entender aonde você traça a linha que divide incompetência e desonestidade.

            ———

            E pra finalizar, da definição de credibilidade: “Característica de quem consegue ou conquista a confiança de alguém.”
            http://www.dicio.com.br/credibilidade/

            Veja que que a interpretação da palavra é mais abrangente do que apenas a ligação com a ética, moral e integridade. Permitindo a ligação com qualquer outra característica que provê confiança em alguém, como por exemplo: a competência.

            Se para mim o Kotaku falha miseravelmente nos dois frontes: moral e qualitativo, para você não é muito diferente.
            Ele também não tem a sua credibilidade, baseado no fato de que você descredita na capacidade do site de prover informação de qualidade.

          • André Campos

            Agradeço a resposta, e vejo que você tá realmente muito emocionalmente envolvido com isso tudo aí pra que alguém possa tentar mudar sua opinião. Alguns comentários apenas:

            -Talvez você seja um ouvinte recente nosso, recomendo que escute os Vértices da época da treta com a Zoe Quinn. Vai descobrir que estamos e sempre estivemos do lado do que você chama de “SJW”.

            -Você pediu pra apontar sobre a baixa confiabilidade do DeepFreeze: eles falam que a Danielle Riendeau fez um review de Gone Home e não declarou nele que fazia parte do podcast Idle Thumbs. O review de Gone Home foi escrito em 2012 e ela só entrou pra equipe do Idle Thumbs em 2014.

            -Acho engraçado que pra negar que o blacklist tenha ocorrido pela idoneidade jornalística da Kotaku, você diz que “não existem provas”… Mas para acusá-la do contrário você aceita boatos, conjecturas e teorias da conspiração. Você me pediu pra apontar casos que abarcam o imoral no jornalismo e só consigo pensar artigos de invasão de privacidade feitos por pessoas em blogs que seguem o tipo de pensamento desse site DeepFreeze. Você compara o que ele faz com “investigações de corrupção no mensalão”, mas mesmo para políticos comprovadamente corruptos, você não vê o endereço da casa deles sendo postado em publicações “jornalísticas”, ou fotos e informações irrelevantes vazadas que só servem para expor a vida da pessoa e em nada se ligam à corrupção que estava sendo investigada. E você consegue encontrar alguma prova de corrupção no jornalismo de jogos descoberta por esse pessoal? Não me refiro a “descobrimos que pessoa a é amiga/morou com pessoa b”. Me refiro a provas de verdade… Eu não conheço nenhuma. Você consegue apontar algum artigo onde a Kotaku foi “deliberadamente” mentirosa? Estou realmente curioso.

            -E dois pesos duas medidas? Se você realmente não consegue ver a diferença entre vazar informações pessoais de alguém e vazar informações sobre um jogo… Talvez o problema seja mais sério do que eu imaginei.

            -Por fim, lembre-se: o Jogabilidade também não tem uma política de ética e você não tem nenhuma prova de que não estamos mentindo e conspirando contra você o tempo todo. Pense nisso. Ou sei lá, pare de pensar nisso e presumir sempre o pior das pessoas.

          • DN@

            Buenissima noite senhores!

            Apesar de que meio acaloradas as repostas, fico feliz que tenham me respondido (:
            Venho aqui colocar mais alguns pontos relevantes…

            – Não sou ouvinte recente, apesar de não ser muito antigo também. Já conheço a posição de vocês e isso é irrelevante pra mim. Ouvir ideias que conflitam com as suas próprias é muito mais interessante do que se prender em uma “echo chamber”. Onde só a repetição da opnião mais aceita no ambiente é ouvida e aplaudida, enquanto as demais são silenciadas por gritos e não argumentos.

            – Não é o caso. Consulte: http://www.deepfreeze.it/journo.php?j=danielle_riendeau e leia o que está lá. Eu fiz uma rápida pesquisa e parece que aproximadamente 6 meses atrás ela não estava 100% correta, mas desde então foi propriamente atualizada para conter uma informação mais apurada. Toda informação de ratificação lá estava presente nas mídias sociais dos envolvidos,
            informação disponível ao público, não havendo violação de privacidade em momento algum.
            Enfim… não pretendo advocar mais pelo site do que já fiz. Só convido-os, caso achem partes que contenham real inverdades, que sugiram as mudanças necessárias. Quotando uma parte do about do site:
            “DeepFreeze attempts maximum transparency and objectivity in its operations. To that intent, all submissions and modifications are to be made publicly, in order for the administrator’s actions and choices to be visible and open to scrutiny.”
            Só me pergunto se você realmente pelo menos checou o site para ver se a informação que você encontrou no google realmente batia com o que estava lá… parece que nem isso :/

            – Já que você não irá aceitar qualquer coisa que esteja no deepfreeze em hipótese alguma, é ímpossível eu despender o tempo necessário para coletar outras fontes em dia de semana, tomaria uma parcela grande do meu tempo, como tomou ontem. Eu poderia tentar fazer isso no próximo final de semana, mas tenho a impressão que vocês irão se manter irredutíveis a qualquer argumento ou fonte que eu tente trazer aqui. Quotando o prórpio André “vejo que você tá realmente muito emocionalmente envolvido com isso tudo aí pra que alguém possa tentar mudar sua opinião.”. Pois é, essa impressão foi mutua, meu caro.

            – Creio que o que iniciou essa thread de discussão foi abordado no último paragrafo do meu último post, então só pra finalizar… minha posição sempre foi: (e muito provavelmente sempre será) Inocente até que se provem culpados. Eu NÃO preciso de provas de que vocês não estão mentindo e conspirando contra mim o tempo todo, é justamente o contrário! Eu PRECISO de provas para acreditar em tais afirmações.

            ps.: Feliz com a posição do Corraini, difere da minha apenas em 10%! ^_^

          • André Campos

            Hahahah, achei engraçado você ter recebido as respostas acaloradas com um “apesar” quando você foi quem argumentou com “porras”, “caralhos” e frases inteiras em caps lock. Mas obrigado também pela resposta de qualquer forma, e fico feliz em concordarmos em discordar por enquanto e quem sabe um dia retomamos essa discussão quando houver mais tempo?

            Só respondendo a pergunta que você se fez sobre eu ter checado o site pra ver se a informação que eu encontrei no google batia: A informação que eu encontrei não foi no google, foi no próprio site. Portanto: sim, eu chequei! E a informação incorreta continua lá, veja só que coisa!

          • Son1213

            Parece que alguém leva muito a sério o mundo dos jogos. Saudades da época em que as pessoas só jogavam.

          • Acredito que o André já bem disse tudo o que gostaria de dizer, de uma maneira muito mais educada e ponderada do que eu.

            Entretanto, já que você me citou diretamente, me sinto no direito de dizer uma ou outra coisa.

            Provavelmente concordo com 10% do que a Anitta diz e como o diz. Não consigo corroborar com a conduta dela e nem com a inflexibilidade que ela se utiliza para ponderar apenas o seu próprio ponto de vista, como se ela estivesse te fazendo um favor ao apontar quão errado você está – algo que, inclusive, você e ela compartilham, olha que demais.

            Acredito que ainda há muito machismo nos games, afinal, a arte é um reflexo da sociedade e vivemos em uma que ainda mata e maltrata muitas mulheres por absolutamente nenhum motivo.

            Apesar de não concordar com a Anita, acho incrível que ela tenha uma plataforma para se expressar como bem entende. Quem filtra o conteúdo é o expectador e é ele quem deve decidir se vai colocar o que foi dito em prática ou não na sua vida.

            Então, dica de amiguinho, ao invés de apontar dedos para as pessoas (que você mal conhece, diga-se de passagem), se olhe mais no espelho.

          • Ramon Peixoto

            Eu ainda me supreendo como uma discussão sobre sites de joguinhos pode ficar tão acalorada.
            Acho que é pelo fato de que tudo o que eu consumo atualmente sobre jogos vir por podcasts. Anyway um assunto nada a ver com o tema do post.

  • caiquelouvison

    A melhor coisa que o Top Gear nos trouxe https://www.youtube.com/watch?v=7nUn0BkKUBc
    “Que batida é essa que abala o coração?”

    • CD falsificado de Playstation

      Eu assisti um show dessa banda no Carnaval de 2010. Acho que eles até já se separaram.

  • CD falsificado de Playstation

    Ainda tá com aquele erro de clicar num episódio e ir para outro.

  • Henrique Tavares

    Twilight Princess não é de longe meu Zelda favorito, mas não vejo motivo pra ser uma decisão tão polêmica. Os chefes de TP são muito épicos, não sei como alguém esqueceria da batalha com aquele balrogão, a enguia gigante ou o dragão do Sky Temple. Já Skyward Sword, bom, eu pularia na garganta de cada um que escolheria ele.

  • El Luchador

    Te falar que estou me divertindo bastante com o Battlefront, no PS4, principalmente quando jogo em party com amigos.
    Comprei quando estava em pré-venda na PSN, com um dólar não tão alto como está hoje.
    Mas me doeu muito pagar 50 dólares no Season Pass.

    É foda.

    Mas pelo tanto que joguei de BF4, no PC, acredito que me divertirei por bastante tempo ainda, principalmente por ser Star Wars.
    : )

  • Flávio Passos

    Fala pessoal, maneiro o podcast. Curti muito sobre o Chase, já baixei! Mas não concordei nas opiniões sobre Star Wars Battlefront achei que vocês avaliram o jogo de uma maneira bem rasa e usando muito a opinião dos outros, acredito que para quem jogava os anteriores tenha recebido o jogo com um pouco de decepção ou uma boa surpresa, pois o jogo mudou sua proposta e focou na melhor experiência em FPS, problemas com conteúdo e simplesmente comercial, assim como o Battlefield ou COD que vende pacotes premium após o lançamento isso não deveria ser crítica de um jogo, mas sim de mercado. Com certeza não existe jogo perfeito, mas acho que o review desse jogo pode ser melhor do que ficou parecendo no podcast. No mais um grande abraço e parabéns pelo trabalho.

    • Fala Flavio, o objetivo das discussões no Vértice não é ser um “review”, mas sim ser a nossa opinião sobre o jogo e o que achamos dele. É uma conversa, nada muito definitivo ou oficial de “esta é a opinião do Jogabilidade sobre este produto”.

      Joguei pouco os anteriores, então julguei o novo Battlefront com base no que eu geralmente gosto em games de primeira pessoa.

      Fico feliz que tu esteja se divertindo mais com ele do que eu 😀

      • Flávio Passos

        Valeu Caio, eu jogo muito BF4 e esse foi o primeiro jogo de FPS que eu consegui curtir de uma forma equivalente, mas claro entendendo as diferenças entre eles. Curto a temática Star Wars e acho que isso alavanca muito o game e faz com que ele crie essa expectativa de mais imersão nas histórias e no mundo. Mas para mim a proposta de me levar pra dentro de uma batalha cinematográfica ficou clara e eu curti isso. Obrigado pela atenção e pode deixar que eu entendi sua opinião. Valeu e um grande abraço

        • Pois é Flávio, eu também sou muito mais fã de Battlefield, daí tem algumas coisinhas no Battlefront que pra mim poderiam ser melhores. Tipo, os veículos que seria animal se você pudesse entrar e sair, customizar mais os teus equipamentos, uma curva de progressão com mais opções, mais mapas e modos…

          Mas hey, é um PUTA jogo bom. Só queria que tivesse mais dele hahaha

  • Rafael Santos

    Uma curiosidade sobre Horizon Chase e Top Gear. Pra eu que sou da antiga e guardava os passwords anotados, vai lembrar que Horizons era o password para o ultimo estágio do game.

    Abraços

  • Ramon Nogueira da Silva

    Em meio às polêmicas, um comentário nada a ver: o Corraini falou do pessoal reclamando da versão feminina do Link, dizendo que “não é como se tivessem mudado o personagem de ‘Blade, a lâmina do samurai'”. Não como crítica, apenas acrescentando que mesmo que fosse um jogo desse estilo, será que teria problema? Como exemplo curioso (e por isso resolvi comentar), existe um mangá chamado Mugen no Juunin que no Brasil, por algum motivo bizarro, publicaram com o nome de “Blade, a lâmina do imortal” (quase, hein Corraini? =D ). É um mangá sobre samurais na Era Meiji, bastante violento e com várias críticas a cultura dos samurais e à cultura japonesa de um modo geral (coisas como excesso de honra, por exemplo). Nesse mangá, composto de um elenco majoritariamente masculino, o personagem mais badass é uma mulher! =D

    • Lâmina no Imortal. Cacete e ninguém me corrigiu na hora 😛

  • José Rodolfo Vivarell

    Hahahahah infelizmente eh também tenho preconceito de jogo grátis… Rs

  • Zé Vitu

    Obrigado Jogabilidade por me apresentar Jeff Gerstmann.

  • Gustavo Almeida

    Só hoje consegui terminar de ouvir o DASH, estão de parabéns.
    Não vou comentar sobre a Kotaku porque acho que já falaram tudo de importante.
    Só fiquei curioso quanto ao Overwatch, fiquei pensando que se ele fosse lançado por uma empresa que não fosse a Blizzard, a Rockstar por exemplo (que tem um nome grande),
    mas que fosse exatamente o mesmo jogo cobrando $60, ele seria mais aceito pelo público?
    Creio que grande parte da falta de aceitação de Overwatch é por conta de ser um jogo pago da Blizzard, e não por ser um jogo pago em si.

  • Ricardo Sergent

    Porra, que ideia incrível desse game Cibele…conheci minha esposa jogando MMO…ela morando no rio grande do sul, e eu em sorocaba sp…não cheguei a joga-lo mas pelo que ouvi e bem semelhante ao que passamos, vc conversando com o “clan” eu no caso tinha que “lidera-los” ainda, e ao mesmo tempo mantendo uma relação com a minha atual esposa haha….muito bom. Parabéns ao trabalho de vcs acompanho vcs há anos (cada um nos seus respectivos antigos trabalhos).

  • Kalel Mota

    Me pergunto se o nome do Horizon Chase não é uma referência ao Password para a ultima corrida do Top Gear 1 que era “Horizon”.