was successfully added to your cart.

Há muito tempo, um grupo de crianças determinadas: André Campos, Ricardo Dias, Eduardo Sushi e Clarice Garcia, subiram o Mt. Ebott em busca de aventura e encontraram Undertale.

No primeiro bloco, sem spoilers, tentamos cumprir a difícil missão de explicar o que faz desse pequeno RPG, inspirado por Earthbound e Shin Megami Tensei, ser tão surpreendente e um dos nossos favoritos de 2015. Como ele brinca com convenções, usa o humor com maestria e como subverte as nossas expectativas.

Em seguida, com spoilers liberados, mergulhamos fundo no universo e mitologia criados por Toby Fox e todos os seus incrivelmente carismáticos habitantes, suas histórias, mistérios, teorias e, claro, trilha sonora!

Escute já e embarque no DASH mais longo até hoje, nessa jornada sobre humanos, monstros, almas, amizade, esperança e tudo que há entre eles.

(Arte da vitrine por Bluekomadori)

Tá No Seu Turno!

Nossa discussão continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes! Os melhores, mais relevantes e/ou mais aleatórios e-mails serão lidos na próxima edição do DASH.

Links:

Trilha do Podcast

  • “Helix Nebula”, por Anamanaguchi
  • Undertale Original Soundtrack, por Toby Fox
  • + Detalhes em breve!

Blocos do Podcast

  • Introdução: 00:00:00
  • Bloco sem Spoilers: 00:03:05
  • Bloco com Spoilers: 00:41:05
  • João Vicente Edom Castelan

    Engraçado, eu to jogando Undertale, estou na porta do ultimo boss. Mas o jogo não me fisgou. No começo inclusive eu estava bem desanimado; mas com o andamento da história, passei a gostar mais. Mesmo assim, não me saltou aos olhos como algo “genial”.
    obviamente, vou ouvir o cast com toda atenção para saber as opiniões de vocês 🙂

    • Marcelino Pinheiro

      Cara… vi alguns vídeos sobre este jogo e também não me chamou a atenção. Vou ouvir o cast para ver se mudo de ideia para experimenta-lo.
      Até o momento mais parece uma histeria coletiva sobre o game do que ele ser “algo imperdível”.
      Espero que consigam me “vender” o jogo, pois sempre falam com muita paixão.

    • peresquibles

      To na mesma.

    • Anderson

      O ponto forte do jogo é o humor, mas a parte da historia mais “séria” para mim não é tão boa.
      Tecnicamente o jogo também é muito bom, então eu consigo ver de onde vem as criticas positivas.

  • Henrique Tavares

    Como assim, nem Dark Souls rendeu tanto.

    • Vitor

      Eu tinha certeza quando começaram a falar do lance da determinação servir como elemento de lore e de jogabilidade que iam fazer a analogia com a humanidade no Dark Souls, mas esperei em vão hahah

  • Jacarepaguá – FÊNIX Reptiliana

    Esse demorou para sair ein, afro-descendentada.

  • koto_rafa

    Cara queria muito que fossem fazer a localização do game. Vocês fazem um ótimo trabalho e seria muito legal ver isso no Undertale.

    • André Campos

      Não vou dizer que vamos fazer, mas também não vou dizer que não estamos fazendo.

      • koto_rafa

        Ahaha, espero que se sim.

  • Crow

    Que delicia de DASH

  • Renato Lauriano

    meu deus, agora que vi que isso tem quase 4 horas XD que delicia mano

  • Marlon Leal

    Eu não sei se vou escutar. Eu amei esse jogo demais, deve ser o meu favorito desde quando terminei Mother 3, mas ele toca nuns temas que me afetam tanto que desde quando eu zerei eu não leio, assisto e nem procuro ver nada sobre o jogo. Ele “acerta muito perto de casa”. Mas eu adoro os Dash e eu preciso de podcasts no momento. E eu tenho certeza que o programa tá ótimo. Hahaha não sei o que eu faço

    • Márcio Zacarias

      Confie no Jogabilidade, galera sempre “lê” os jogos direitinho e não decepciona =)

      • Marlon Leal

        Aah, nem é essa a questão! Eu escuto o Dash faz um bom tempo e são sempre ótimos. A coisa é que o que o jogo, por causa de alguns temas, me afetou tanto que mesmo ver fanarts dele podem me deixar meio mal; acho que discussões profundas sobre o jogo me afetariam demais.
        Mas não tenho dúvida de que o episódio tá excelente! Se fosse outra ocasião eu escutaria sem dúvida

  • Andrey Santiago

    AGORA MEU ANO PODE ACABAR! (no sentido de ser tão bom que não pode vir nada melhor)

  • Rafael Junio

    Na discussão no início do podcast, vocês falando sobre o Toby Fox, que ele é um cara recluso, não gosta de dar entrevistas e tal, me lembrei imediatamente do “The Begginer’s Guide” do Davey Wreden que fez também o Stanley Parable. (Spoiler aqui do Begginers guide) Acho que no jogo do Davey ele demonstra exatamente essa relação que as pessoas querem fazer entre o jogo e o autor, muitas vezes querem olhar para a obra e tentar definir a partir dela a personalidade do autor. Mas na verdade o jogo, apesar de estar cheio de influências e referências internas ou externas, é ainda só uma obra artística que já se explica por si só.

    Acho que as poucas entrevistas não implica que o Toby não tem “determinação”, que é escroto e se sente um humano escroto por isso ele deixa a entender que no jogo dele os humanos são horríveis e todas essas loucuras que, imagino eu, as pessoas estão implicando sobre o seu ser a partir da interpretação do jogo. Eu suponho é que a vida do cara deve ter mudado completamente com depois do lançamento do Undertale que ele prefere se afastar um pouco, porque se não é ele que vai ficar maluco por causa da gente que ta maluca pelo jogo.

    Mas enfim, Excelente jogo, excelente cast e excelente tudo.
    Até mais.

  • Gabriel Mattano

    Terminando o ano com chave de ouro!

  • Renan Ivo

    Agora eu também estou triste de saber que sou mais velho que a Adele.

  • IcaroBrendel

    PARABENS PARA O HAUNTER DOS EMAILS.

  • Arthur Ruiz

    To tentando voltar a jogar depois de ver o Durabilidade e agora a Toriel tem sempre a voz do André na minha cabeça.

  • nico

    Sobre o spoiler que eles discutem nos primeiros dez minutos: eu descobri bastaaaaaaaante disso apenas experimentando e brincando no jogo, felizmente ele te incentiva muuuito a experimentar por causa do tutorial (com o manequim e etc).

  • Lucas Luchi

    Dat jogo!
    Não sei se caiu na edição ou se não comentaram, mas não sequer citar a luta com o Mad Dummy e o tema foda que toda (remix do Ghost Fight) fez falta, um dos pontos do jogo que me fisgou pelo humor!
    (BTW, deve ser o primeiro comentário meio desde o NL #25 ou algo do tipo O_o)

    • Sushi0

      Não chegamos a comentar da luta em si, mas falamos da ghost fight sim, foi uma das músicas que escolhemos.

  • Só vim aqui citar o Alex Navarro: “Eu me identifico em níveis moleculares com o Napstablook.”

    Agora vou me deitar no chão e me sentir como lixo

  • nico

    aliás, vocês mencionaram que teria uma pesquisa de satisfação, qd

    • Lucas Vinicius

      Não deram link neh?Nem do programa que o andré participou tbm pq eu ja responde essa pesquisa

    • André Campos

      Foi mal, na correria pra soltar o podcast eu esqueci! Mas já tão linkados! o/

      • nico

        só perdoo por que vc é lindo

  • Kendi Kurihara

    Então, vi isso aqui e me parece que levanta uma discussão pertinente ao tema desse Dash:

    https://www.youtube.com/watch?v=mOFz1WCYVA8

  • Crow

    Não sei se vocês esqueceram de mencionar, porém a Undyne estava derretendo por conta da determinação no genocide, tanto que ela vive falando sobre ela ser mais determinada que o humano e que os monstros também podem ser determinados e etc.

  • Francisco das chagas

    bom nunca tinha ouvido falar kk

  • Chico

    Um dos melhores dashs até agora.

  • João M.

    Excelente cast como sempre, o jogo me fisgou muito, tanto que o terminei ontem, e agora estou terminando os vídeos de Undertale do André.
    Uma dúvida, vocês tem planos de um cast de Dark Souls 2?

    • André Campos

      Não, ele não vale um podcast, na nossa opinião…

  • Igor Deschamps

    Eu ia falar que meu coração não estava preparado por esse dash mas na verdade minha ALMA não estava preparada

  • Paulo Fontes

    ***** SPOILERS *****

    Um comentário que eu vi em um vídeo da batalha com o Sans e achei muito válido, me lembrou o que vocês disseram, de que a batalha contra ele foi feita para o jogador desistir.

    I couldn’t kill Sans. I didn’t want to kill any of the bosses, but Sans made me realize that hey, this REALLY isn’t worth it. I actually let him kill me with the unavoidable attack before restarting and buckling down for the true pacifist run. To be honest I’m kinda glad that I did, because when I found out what happens if you go through with it. I kinda felt like I wasted my time, but knowing that the genocide ending dooms all the characters for every run from that point forward, it suddenly made Sans into the true hero of my personal version of Undertale. Sans stopped me from allowing Chara to ruin everything at the last possible moment.

    • slashrick

      Perfeito!!

  • Vinícius Braga

    Zerei o jogo hoje no começo da tarde e acabei de ouvir o cast. Excelente cast!

    Sou formado em ciências da computação e sempre tive vontade de fazer um jogo, mas fui tomando outros rumos no meio profissional e nunca desenvolvi um. (um dia ainda faço)

    Fico impressionado quando aparece estes jgos feitos por um cara só, bastante simplório graficamente, mas com uma história muito atraente e inovações no gameplay.Concordo completamente com o Rick quando ele diz que se esse jogo foi o que o cara conseguiu fazer com as experiências de jogos da época dele tenho bastante esperança com o futuro.

    E to com Rick, fiz um final e vou olhei o restante no youtube, pormeu a vida e meu backlog não me permitem esse tempo.

    Apesar que nesse jogo fiquei um pouco mal por fazer isso, o jogo fala tanto em DETERMINAÇÃO que ver no youtube, meio que medeixou com a sensação que náo tive DETERMINAÇÃO suficiente.

    • slashrick

      Confesso que eu também fiquei bem mal com o lance da Determinação e eu ver os outros finais no YouTube =P Mas oh well. Tenho bastante determinação pra outras coisas mais importantes na vida xD

  • B.

    São jogos como Undertale que me enchem de DETERMINAÇÃO para produzir meus próprios trabalhos. Há tanto que eu gostaria de dizer e compartilhar com outras pessoas, tantos jogos que eu gostaria de jogar mas que não existem (enquanto eu não desenvolver)…
    Undertale me lembrou das infinitas possiblidades que essa mídia oferece e da beleza desse tipo de storytelling exclusivo dos videogames.
    Primeiro podcast que ouço do Jogabilidade, vou ouvir mais pois gostei muito da abordagem. Thanks, guys!

    • Sushi0

      Muito obrigado e espero que goste. <3

  • Outrem

    #yyhcast

  • Mario Martiniano

    comprei undertale nas promoções de natal do steam mas a hype me afastou dele, quando eu entrei aqui no jogabilidade e vi que tinha um DASH de 3 horas sobre o jogo isso me encheu de DETERMINAÇÃO!!!!

    inclusive esse cast ganhou lugar fixo no meu celular sbustituindo o dash 02 (persona4).

  • Thiago Valadares Noleto Damasc

    Eu achei que o jogo tinha acabado quando ele fecha sozinho depois de derrotar o Asgore, até desinstalei o jogo de raiva por causa do “final” com a Flowey. Graças a vocês descobri que tem muito mais, voltei e me diverti bastante. Uma das melhores experiências com video games foi muito ampliada com esse cast. Obrigado <3

  • Carolina Gonçalves

    Spoilers a seguir(mais ou menos):

    Eu achava o “Omega Flowey”(aquela forma monstruosa dele) horripilante até o Sushi falar que ele é “tipo o jogo do Casseta e Planeta”. Agora não consigo levar mais aquela porra a sério! xD

  • Pingback: DASH #59: Adeus Jogo Velho, Feliz Jogo Novo - Jogabilidade!()

  • D Motta

    Ouvi o podcast antes, mas minha determinação foi tanta q eskeci tudo q eu ouvi de spoiler até dos não spoilers. E pra mim o jogo acabou antes do jogo começar de vdd preferi ficar por lá msm e quando resolvi começar msm me deu um aperto no coração eu não queria sair dali e nem ataca-la (btw ela me matou)

  • Jabez Asafe

    To voltando aqui pra escutar esse cast maravilhoso pela 8ªvez, melhor dash.

  • Sabrina Rosa

    Meu, na moral, eu amo esse jogo mais do que já amei qualquer outro, é absurdo cara, nunca chorei nem em filme, nem em outro jogo como chorei em todos os finais desse jogo. Eu me identifiquei muito com cada personagem e o pior, eu vi em cada personagem uma pessoa que faz ou fez parte da minha vida. O personagem que mais me identifiquei foi o Sans (dorminhoco, aparece do nada em cada parte do jogo e faz piadas ruins, porém te julga pelas suas ações)

  • Michael Nakashima

    Hope and Dreams, Bergentruckung + Asgore, but earth refuse to die + battle against true hero, Once upon a time..

    Undertale já figura no top 5 albums… que jogo fantastico, tomei pra tudo na minha vida a frase… but it refuse.