Fora da Caixa #12: Deadpool, Opeth, HideoTube

2016-02-18T15:30:58+00:00 18 de fevereiro de 2016|Fora da Caixa|78 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Numa era em que Hideo Kojima, o criador da Caixa, está pedindo joinhas no YouTube nós percebemos que, de fato, não tá fácil pra ninguém.

E é nesse clima que André, Rick, Sushi e Corraini se juntam para divagar sem rumo por dezenas de assuntos, o canal de youtube do Hideo Kojima, falar um pouco sobre músicas, a banda Opeth e também sobre o filme Deadpool com spoilers e muito calor humano.

Saia da caixa você também!

Tem algum feedback, sugestões de filmes, músicas, séries, apresentações de balé ou qualquer outra coisa? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de.

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://audio.jogabilida.de/foradacaixa/Fora_da_Caixa_ep12.mp3″ title=”Fora da Caixa #12:” share_link=”http://jogabilida.de/2016/02/fora-da-caixa-12/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2016/02/fdc-capita.png” meta=”Deadpool, Opeth, HideoTube” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1449180476769{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZuYW9nYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzMi5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1tdXNpYyUyMGZhLTN4JTIyJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwaW5saW5lLWJsb2NrJTNCJTIwbWFyZ2luJTNBJTIwMCUyMDEwcHglM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUzRSUzQyUyRmklM0UlMjAlM0NwJTNFSXR1bmVzJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0U=[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “First Crush”, por Saberpulse
  • “Coil”, por Opeth
  • “Ghost of Perdition”, por Opeth
  • “Harvest”, por Opeth

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • Hideo Tube e outras loucuras: 00:01:07
  • Opeth e mais algumas loucuras: 00:23:04
  • Deadpool: 00:58:42

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Diogenes “Boris” Ribeiro

    Opa, sei que é o lugar errado mas vocês poderiam arrumar o link pra baixar do Dash #53? :**

  • :DD

  • Johnny Lapís

    Bom,

    Sushi, eu sempre curti a vibe de descobrir sons, e nos meus 20 anos
    eu saia pra caralho para o Milo Garage, Asobe e outros lugares, a gente se
    reunia nestes lugares e ficava trocando ideia sobre música, acho foda a vibe
    ei cara porra peguei um play foda já ouviu ? eu gosto pra cacente de usar um aplicativo no Mac,
    chamado Discover Music, onde vc vai criando uma especie de teia de referencias e similares.
    muito bom, ouvir música e achar aquela banda que vc diz ei isso é minha cara.

  • Gabriel.psd

    Novo bingo do Jogabilidade tem que ter o Caio falando de uma ex.

    • Incomoda tanto assim vocês eu ter um passado? Porque toda vez que eu cito alguma, vem alguém comentar sobre isso.

      • Gabriel.psd

        Peço perdão caso tenha falado algo que não devia. Mas longe disso, acho as conversas que você tem sobre isso as mais interessantes.

      • Lucas Vinicius

        (Só dizendo que não tenho nada contra vcs falarem da sua vidas,passados e tals eu gosto bastante até.) Eu entendo o porque de sempre repararem eu costumo escutar podcast para me divertir e geralmente escolho um podcast pela temática e uma coisa que eu gosto no fora da caixa é descobrir coisas novas para me divertir ou pensar, mas quando começam a falar de ex,ou algo que lembra ex e coisas do tipo geralmente vem lembranças que as vezes não estamos ouvindo para isso.Quando rola uma vez vc sente aquela incomodadinha la no fundo e ok normal mas quando vem varias vezes as pessoas simplesmente reparam só isso mesmo e quanto mais recorrente mais as pessoas vão reparar mesmo.Antes que fique bravo lembre-se eu gosto de quando falam sobre vcs e suas experiencias mas entendo pq as pessoas reparam.

        • Então eu tenho de fazer o que? Mudar as histórias? Falar “minha amiga”, “um conhecido meu” pra parar de rolar essa chatice?

          • Lucas Vinicius

            Não sei não sou criador de conteúdo faça como quiser.Eu só falei que as pessoas vão reparar de qualquer jeito é seu publico,eles te seguem,querem ouvir o que você tem que falar e se falar de ex eles vão reparar que você está falando sobre ex ué.O que fazer quanto a isso eu realmente não sei,nunca lidei com publico mal conversei com mais de 5 pessoas me ouvindo.

          • Eu fui casado. Lidem com isso. Anos e mais anos de histórias da minha vida estão ligados a essa e outras pessoas. Só que se toda vez que eu contar algo, vir alguém “alá o Corraini falando de ex de novo”, eu simplesmente vou calar minha boca e parar de compartilhar esse tipo de coisa porque incomoda e incomoda pra caralho.

          • Lucas Vinicius

            Eu lido com isso como eu disse eu gosto de escutar com suas experiencias e sim eu reparo mas eu até agora nunca comentei pq sei que as pessoas tem suas próprias vidas e experiencias só respondi agora porque vc perguntou. 0.0 Desculpa qualquer coisa só queria te dar um feedback. :/

          • Gabriel Macena

            Não cheguei a comentar o que comentei querendo tirar deboche ou importunar. Na verdade nem cheguei a cogitar a possibilidade de isso lhe incomodar já que pelo visto eu nem pensei em qual seria sua reação a ler esse tipo de comentário, por isso peço profundas desculpas a você. A última coisa que eu desejo é que vocês precisem se policiar em qual assunto querem conversar durante um podcast por causa de um grupo de ignorantes como eu.

          • Eduardo Samoggin

            Pra mim não incomoda não.

      • Kyle777

        Eu acho que tem que continuar falando. Eu pelo menos curto ouvir experiências sejam de qualquer tipo!
        Embora já tenha tido histórias ruins com ex, não tenho trauma e fico remoendo o passado.

      • Márvio

        Eu aceito o Corra do jeito que ele é

        <3

        Continue falando do que vc quiser.

  • Lucas Vinicius

    Mc Garden é um funk que eu gosto muito bem critico tanto com cenário do funk atual quanto ao país atualmente.

  • FHC

    Nossa, falar sozinho é muito eu! Pior quando os assuntos se atropelam e estou falando em voz alta e mudo de tema e volto pro tema e é uma loucura. Ainda bem q ninguém vê!

  • Caio

    Gosto muito do Deadpool dos quadrinhos mas por algum motivo achei o filme bem chato e maçante. Bom, eu vi dublado, pode ter sido por causa disso também.

    • Lucas Vinicius

      Só para saber vc lê Deadpool nas edições mais recentes?

      • Caio

        Sim, eu li todos os volumes. Mas sei lá, por incrível que pareça o filme não me fisgou, achei muito sem conteúdo.

        • Lucas Vinicius

          É pq eu só li a origem dele,uma vez que ele tava num time com alguns mutantes e wolverine que ele fica puto por terem tentado matar uma crinaça e tals, e aquela que ele mata todo universo marvel e bem….Eu acho que ele faz uma boa historia de origem para o pesonagem mostrando o lado mais serio dele talvez no proximo seja mais frenetico e mais voltado para comédia.

    • Finn Suado #DeMadureira

      Caio a dublagem tá boa pra kct, fiquei com medo de ver uma dublagem ser uma bosta mas não é boa.

  • Alex Amaro

    Não sabia que o Kojima era casado e tinha filho o.o

    • Power Otaku-Kun

      Eu já sabia há alguns anos. Ele tinha dado uma entrevista pra Famitsu contando que o filho dele gostava muito de Mário e que ele comentou isso com um executivo da Nintendo (não lembro o nome, faz tempo que li a entrevista) quando o encontrou no metrô, e foi assim que o Snake entrou pro Smash Bros Brawl

  • Andrey Santiago

    Quanto a musica eu sou o típico garoto indie underground alternativo experimental, eu conheço bandas e artistas desse tipo todo dia, sinto um grande desgosto por musica mainstream, pra mim é como falaram no podcast, são feitas para terem sucesso e ganhar dinheiro, elas não me passam nenhum sentimento (pra elas me passarem algo elas tenho que me esforçar muito). No fundo ate escuto algumas, mas não é a mesma coisa do que eu escutar um Ben Howard – To be alone (que fala sobre solidão) ou alguma musica Vaporwave/Future Funk (que carregam criticas as falsas promessas do capitalismo e/ou trazem pseudo-nostalgias). Pode ate parecer que sou esnobe, mas eu fico bem quietinho no meu cantinho com as minhas musicas desconhecidas, é questão de gosto.

    • Johnny Lapís

      sou destes bandas com 2 curtidas hahaha.

    • Chaoz Holvorcen

      Porra, me desse um drible? mudasse o nome da musica na hora que eu ia procurar e.e

      • Andrey Santiago

        Ben Howard – To be alone.

    • Henrique Tavares

      Eu já tive bastante uma época de ter curiosidade de ouvir bandas tags mais criativas no last.fm haha. Tinha umas piras de ir atrás de coisas tipo apocalyptical dark martial folk, dreamwave shoegaze post-punk, alternative fusion prog, avant-garde progressive post-black e coisas pretensiosas do tipo. Valia também ir atrás de coisas que fossem a maior mistureba possível, tipo Diablo Swing Orchestra. Hoje em dia quase não descubro nada novo, fico na mesma coisa, e descobri um gosto por pop do mais chicletinho.

      • Thiago Nunes

        Já vi que MOLEJÃO ninguém curte aqui, aff…

        Ah, e Diablo Swing Orchestra é qualquer coisa de maravilhoso. O desprendimento desses suecos em misturar metal (e vertentes) com indie rock, blues, boogie, opera, ragtime, música cossaca e o que mais couber é lindo de se ouvir.

        • Henrique Tavares

          Para certas circunstâncias da vida nada como um pagode anos 90 hahaha

  • Johnny Lapís

    O Corraine.
    CG é bem mais caro que usar um Ator, seria mais barato deixar o ator do Colossus em carne e osso, e na hora da luta ele se transformar.

    • Eu não falei que CG é barato. Falei que eles não transformaram o Colossus em humano para não ter de pagar o cachê de outro ator que interpretasse o personagem em carne e osso. O custo foi apenas do dublador.

      • Johnny Lapís

        eu acho que não usaram ator, devido a Bio-tipo, porque mesmo assim seria mais barato usar o ator e com transformações curtas, e o Stefan Kapicic fez o motion capture então o Ator não fez só a voz.

  • Erick Fernandes

    56:30 Achei interessante vocês falarem que não dá pra perceber qual parte da música desperta uma determinada emoção em quem ouve, e o porque disso. Não sei se porque sou meio músico, ou sou muito fã de metal progresso, mas tem detalhes bem sutis em algumas músicas, que me dá um tesão tão grande, que mesmo o resto da música sendo uma porcaria, eu acabo gostando dela como um todo. Por exemplo, o Caio citou que gosta de Symphony X, e na The Odyssey depois dos 20 minutos tem uma parte com umas técnicas de guitarra que me agradou imediatamente, assim como na Candlelight Fantasia. Mesmo sendo uma parada mística e decifrável tecnicamente pra alguns, não perde a magia na sensação de ouvir, dos despertar de emoções.

  • Indicação pro Sushi, Quo Vadis, não é Black é Death, mas é extremamente progressivo. Recomendo o album Day Into Night. Pena que acabou 2004, mas tem tudo no Spotify

  • Victor Seiti Yonemura

    Ta que pariu. Que história foi essa do carrapato. SahuHSushaUSahsUASHusHSUashaUS

  • Zandor Reis

    Sushi acabou confundindo as bolas um pouco. Opeth, apesar da influência de black metal, distanciou-se bastante do gênero a partir de morningrise. É difícil enquadrar os caras mesmo, mas no período pré heritage eles seriam um progressive death metal.

    • Sushi0

      Eu sabia que alguém iria me corrigir sobre o black ou death e não sei a diferença e pra mim nem faz diferença xD
      Isso da ateismo dele eu realmente não sabia, já vi dezenas de entrevistas com ele, mas nunca tocam no assunto então isso passoi batido por mim.

      • Zandor Reis

        Como Henrique Tavares disse, existe uma diferença mais ou menos clara na sonoridade. De qualquer forma hoje é cada vez mais difícil categorizar as bandas com essas formas genéricas. Em se tratando de opeth essa categorização é praticamente impossível, estaria fazendo um desserviço ao trabalho dos caras.

        Quanto a questão religiosa, neste vídeo ele explora um pouco o assunto. Basicamente diz que não se importa ou se incomoda com a religião alheia
        https://www.youtube.com/watch?v=OK3pqM6hDP0

        • Henrique Tavares

          Não acho que são definições genéricas. São vertentes distintas de estilos que uma banda acaba explorando, e que com certeza as mais cabeça-aberta acabam explorando e misturando mais coisas. Tanto que tem milhões de subgêneros dessas três, tipo symphonic ou sludge, gothic, groove, speed, math, ambient, avant-garde…

          • Zandor Reis

            Realmente me expressei mal. Muitas classificações conseguem definir bem as direções de uma banda. O problema é quando o assunto é prog, quanto mais opeth que sofreu tantas variações com o passar dos anos. Não sei se por coincidência, mas as variações no som da banda coincidem com mudanças de integrantes

        • Sushi0

          Pra mim eu só não me importo muito com generos, aí eu não feço nem questão de aprender o que faz uma ser uma coisa ou deixa de ser outra, eu simplismente ouço o que gosto é muito mais fácil assim.

    • Henrique Tavares

      Eu ia falar sobre isso também. Sempre vi Opeth mais para o ramo de Death Metal, pelas características de técnica com velocidade que o Sushi mesmo falou, e que discordo que isso seja tão forte na banda de qualquer forma (se bem que o mais antigo que ouço deve ser o Still Life), acho que eles tem bastante musicalidade mesmo nas partes mais porrada, que já diferencia MUITO do Death Metal que vejo por aí no estilo Nile, que acho insuportável apesar da temática egípcia. Os próprios momentos bonitos e limpos deles já deixa eles únicos, apesar de às vezes enjoar de eles sempre tocarem em variações extremas, sendo sendo ou música 100% lindinha com dedilhados e vocal limpo pra 100% pauleira com distorção e gutural.

      Já as características sonoras que eu sempre vi em Black Metal era ser algo sujo, cascudo, distorcido, desconfortável, bem lo-fi, sem muito arranjo, nem sempre barulhento – tanto que conheço muitas bandas de black metal que acabaram levando ao “ambient black metal”, como o próprio Burzum. E para entrar na trinca, o Doom Metal eu vejo como um som denso e pesado, com um compasso mais lento e som mais grave, que algumas vezes funde com o sludge metal por essas semelhanças musicais. Acho que dentre os três o que mais acabo gostando é o black, por ter umas vertentes realmente muito experimentais, inclusive ando curtindo muito o “black’n’roll” do Satyricon.

  • pedraum_quejero

    Se ja tinha ficado feliz de ter tocado opeth no final do vertice imagina agora q tão discutindo. Acredito ser minha banda favorita, o show é sensacional, e apesar de os albuns terem mudado bastante não parece que eles reneguem o passado, pois tocam músicas antigas também (apesar de achar que dão preferência pras mais prog.). Ja tive minha fase de gostar das baladas mas ultimamente tenho curtido muito as mais pesadas deles.

  • Gente eu vou dar uma dica sobre mensagem de voz para vocês que mudou minha vida.

    Se você colocar o telefone orelha, tipo em uma ligação normal, a mensagem toca só para você. É algum tipo de magia (e não tecnologia).

    • André Campos

      Colocar o telefone na orelha? Ligação? Do que você tá falando? Tá louco…

      • Olha, mantenha isso em segredo, mas me disseram que essa nossa máquina de mensagens chamada smartphone também faz ligações! Explicando. Ligação é um termo que os antigos usavam para denominar uma conversa de voz através do telefone na qual as pessoas colocavam o aparelho na orelha e na boca ao mesmo tempo num movimento paralelo à face. Parece loucura, eu sei, mas VOCÊS PRECISAM ACREDITAR EM MIM.

    • SmokeE3 .

      hauehuaehu CARALHO. Eu não sabia disso não. pensava que era um bug do Whatsapp, pq basta tirar o olho do celular quando ta tocando a Msg de voz que ele parecia que ficava mudo… ta aí, ganhei meu dia…

      • Eu fiquei abismado no dia que aprendi isso, jurei passar para o máximo de pessoas possíveis (até chegar nas pessoas que não se importam com a comunidade e ouvem mensagens particulares no meio de todo mundo)

    • Pescador Parrudo

      Caramba! Eu não sabia dessa bruxaria. Funciona mesmo. ‘-‘

  • MarcusVss

    Nossa, quando criança eu tinha a mesma mania do André de falar e repetir só mexendo os lábios o que eu falei, eu nem percebia mas tinha um amigo que ficava me zoando e tenho a mania do Sushi de ficar inventando histórias na minha cabeça – e o pior, às vezes eu fico tão imerso no pensamento que começo a fazer na vida real as caras que estou fazendo no pensamento, às vezes chego até a falar em voz alta. Achava que só eu fazia essas coisas.

    • Sushi0

      Somos TODOS loucos!

      • MarcusVss

        É, e pelo menos escapei do carrapato =P

  • André, um dos irmãos piologo (o cabeludo) tem esse problema de repetir fala, baixinho. Só que ele repete o que o irmão de capacete fala! o___o

    • Mikael de Freitas

      Tem isso em vídeo? Nunca reparei nisso aehaeiuhiuaehuia

  • jojoka

    Sushi, preciso muito te recomendar um barulhão do Devin Townsend: Epicloud. Ouve com fones.

    https://www.youtube.com/watch?v=sV_D2TqlDXY

  • Henrique Martins Carvalho

    O Aquiles é babaca sim =x

    • Nos 3 churrascos que eu passei do lado do cara, ele nunca foi… Então, para mim, ele não é 🙂

  • Heider Mesquita

    #Peideiesai

  • Pescador Parrudo

    Opeth! Caramba, finalmente. Tirando a mancada sobre dizer que é uma banda black e sobre o “satanismo” do Åkerfeldt (ambos já corrigidos aqui nos comentários), até que ficou bom. Opeth, até hoje, continua sendo minha banda preferida (Still Life e Damnation como álbuns preferidos), e a coisa de eles conseguirem passar o contexto da música pelo instrumento é verdade… Ghost of Perdition mesmo é um ótimo exemplo disso. Cada ritmo, harmonia e melodia de cada instrumento, ao longo da música, estão lá por um motivo bem específico. Até o prato da bateria no último minuto da música expressa alguma coisa dentro do contexto. Enfim, sensacional. E eles fazem isso com tantas outras músicas… Face of Melinda, The Moor, Windowpane, Blackwater Park, To Bid You Farewell… Enfim… Melhor banda DA VIDA.

    A despeito disso, eu tava refletindo sobre algo… Se um podcaster chama uma pessoa (ou um grupo de pessoas) de babaca por causa de uma atitude ou de um jeito de pensar – mesmo que não seja algo grave, apenas diferente do que ele mesmo pensa – eu também tenho o direito de vir aqui e chamar o podcaster de babaca por ele pensar daquela forma? Ou serei chamado de hater e o meu comentário será deletado? Quero dizer… Podcasters estão “imunes”? Tudo bem eles se manifestarem de forma agressiva ou hostil em relação a alguma coisa, e reclamar depois de haters xingando eles nos comentários? É algo a se pensar.

    • Sushi0

      Poder ser babaca todo mundo pode com qualquer um por qualquer motivo, a pergunta certa seria “eu deveria ser babaca?” e a resposta é sempre não. Independente do que falaram ou do quão babaca uma pessoa foi o ideal seria responder de uma maneira não babaca de volta, comentando as atitudes, mas sem se rebaixar ao nível dela. E ninguém tá imune à nada e ninguém deveria se manisfestar de maneira hostil ou agressiva em nenhum ambiente, idealmente ao menos.

  • Josi

    Cada vez que o Sushi falou “Black Metal” ao comentar Opeth, um pedacinho de mim morreu
    haha

    • Sushi0

      Já me corrigiram um vez no twitter quando de Opeth e hoje eu basicamente faço isso de propósito exatamente pra irritar quem se importa com as distinçoes. =)

  • Léo Oliveira

    Obrigado por me fazer voltar a ouvir Opeth auhsuahsuah … a banda é sensacional!

  • Emanuel Filipe

    Uai, o André disse que o video do Hideo Kojima ja tava uns 80% traduzido… mas a legenda ainda acaba antes dos 5min…
    To entendendo mais nada rsrs

  • Giovanni Romanelli

    Eu não sou o único a engajar longo e ávidos debates em forma de monólogo?
    Obrigado Corra, por me fazerem sentir 4,2% mais normal

  • Bruno Rollin

    Sushi, ouça Katatonia! Inclusive o Akerfeldt gravou o vocal inteiro do Brave Murder Day…

    https://www.youtube.com/watch?v=ZPSGS-ymseI

  • Raí Faustino

    Comecei a ouvir vocês nesse podcast, o Opeth chamou a atenção. Hahaha assinei e vou ouvir os outros!

    • Sushi0

      Muito obrigado e seja bem vindo! <3

  • Luciano Dourado

    Eu gosto do Fora do Caixa justamente por “humanizar” vocês, humanizar no sentido de mostrar como vocês são de verdade. E boa discussão sobre música e é incrível que até nesse tema vocês conseguem encaixar Dark Souls.

  • uncleacid

    os últimos do Opeth são muito bons – eu não gosto muito da fase “gutural” deles, mas por gosto mesmo – Apesar de ser fã de carteirinha de Dark Funeral e Death (vai entender). Acho que a mesma coisa coisa aconteceu com o Anathema, começou extremo e depois foi ficando mais “sutil”, apesar que com o Anathema eles pegaram uma boa vibe do Pink Floyd e essa harmonização toda. O último do Katatonia, que foi gravado aovivo dentro de uma catedral, é uma das coisas mais legais que eu já ouvi também – uma ambientação fora do comum. O Caio falou em prog melódico, tem uma banda chamada Tesseract que mescla o prog com “algonovoqueeunãosebemoqueé” e se torna um som muito acima do que é acostuma a ouvir por ai. Principalmente no álbum “altered state”. A linha vocal da banda (mesmo com uma troca de vocalistas) é algo que chama muita atenção.

  • Hector Bonilla

    Opeth é sensacional!

  • Felipe Almeida

    Pelo que eu ouvi do programa Sushi, você pode gostar bastante das bandas de Melodic Death Metal, que é o meu estilo favorito *-*
    Amon Amarth, Insomnium, The Agonist, Arch Enemy, Dark Tranquillity

    • Sushi0

      Amon Amarth foi uma banda que eu tentei ouvir há muitos e muitos anos atrás e não tinha me pegado, vou dar uma reouvida pra ver se dessa vez eu curto.
      As outras, tirando Arch Enemy, eu não conhecia, vou dar uma procurada nelas. Vlw xD

  • Khalir

    Interessante, eu gosto bastante do Heritage, e não curto o Pale Communion. Mas pra mim não tem competição, Blackwater Park é o melhor deles. Gostaria sim que eles voltassem a fazer algo mais pesado, mas não acho ruim a fase atual, mesmo não gostando do Pale Communion.

    Parabéns pelo cast 🙂

  • Odilon Gonçalves

    Fala Jogabilideiros! Não consigo descrever a minha alegria quando entrei no site de vcs e vi o nome OPETH no título do Cast. É uma das minhas bandas favoritas, também!

    Comigo aconteceu de forma muito parecida como com o Sushi. Não sou muito de gutural, mas adorei as linhas de voz do Mikael Akerfelt.

    Opeth é uma grande influencia (no lado progressivo), para mim e minha banda, o Vivalma. Apesar de saber da resistência do Sushi em conhecer bandas novas rsss, convido todos a conhecer nosso trabalho.

    Produzimos uma web-série com releituras progressivas de músicas do universo nerd, o Prog Metal Version.
    https://www.youtube.com/playlist?list=PLuYFb-weyURYAQiXyx0A8l5S2K9Bz0pi3

    Temos um disco autoral e duplo, o Human Effect:
    https://www.youtube.com/playlist?list=PLuYFb-weyURY8JSmI2JbZKd-Mar93NDJH

X