DASH #65: Consoles Fracassados

2016-05-29T08:38:14+00:00 29 de maio de 2016|DASH|29 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]A interminável guerra dos consoles não poupa ninguém.

Neste episódio, André Campos, Ricardo Dias, Eduardo Sushi e Caio Corraini reúnem-se para prestar uma homenagem (e uma leve sacaneada) aos bravos, inexperientes, descuidados e por vezes orgulhosos guerreiros que pereceram nesta árdua jornada.

Por que consoles como o Atari Jaguar, o Virtual Boy, o 3DO e tantos outros falharam? O que fizeram de correto? O que fizeram de errado? Em retrospecto, como poderiam ter se salvado?

Será que podemos chamar consoles como o Dreamcast e o Wii U de fracassos? Escute logo e descubra!

Tá No Seu Turno!

Nossa discussão continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes! Os melhores, mais relevantes e/ou mais aleatórios e-mails serão lidos na próxima edição do DASH.

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://audio.jogabilida.de/dash/dash65_consoles-fracassados.mp3″ title=”DASH #65″ share_link=”http://jogabilida.de/2016/05/dash-65/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2015/11/dash57capa_mini.jpg” meta=”Consoles Fracassados” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1451394946105{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZnYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzLmpvZ2FiaWxpZGEuZGUlMkYlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYSUyMGZhLW11c2ljJTIwZmEtM3glMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBpbmxpbmUtYmxvY2slM0IlMjBtYXJnaW4lM0ElMjAwJTIwMTBweCUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VJdHVuZXMlM0MlMkZwJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQyUyRmRpdiUzRQ==[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “Helix Nebula”, por Anamanaguchi
  • “A Hero’s Destiny”, por Magnus “Souleye” Palsson
  • “Sensual Ippon (Streets of Rage)”, por MV
  • “Anthem of a Misguided Youth (Zelda)”, por Benjamin Briggs
  • “Lizardiño Slayer Quartet (Mario 2)”, por ilp0
  • “Untulia”, por Magnus “Souleye” Palsson
  • “Pressure Cooker”, por Magnus “Souleye” Palsson
  • “Anna”, por Jonathan Eng (Trilha de Device 6)
  • “The Unholy Wars (Tales of Phantasia)”, por Sixto Sounds
  • “Go the Distance (Tales of Phantasia)”, por Sixto Sounds

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • 0:00:00 – Intro
  • 0:03:38 – Fracassos da Atari
  • 0:26:52 – Fracassos da Sega
  • 0:40:50 – Fracassos da Nintendo
  • 0:56:05 – Fracassos da Apple, Nokia e Zeebo
  • 1:12:37 – Ouya e Fracassos Discutíveis

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Henrique Tavares

    Outro já? Parece que foi semana retrasada que ouvi o último!

    • André Campos

      Tecnicamente foi! 2 DASH por mês é isso aí!

  • Um dos problemas do Virtual Boy foi que, na época em, a Nintendo adiou o Nintendo 64 de 95 pra 96 e exigiu que naquele ano deveria ocorrer algum lançamento no final do ano. Foi aí que o Yokoi se sentiu pressionado a lançar o Virtual Boy nas pressas, tem até entrevistas dele dizendo que o plano era pro videogame ter cores etc.

  • Caio_RB

    Excelente cast mais uma vez. Ansioso pelo cast dos controles que tem tudo pra ser tão bom quanto esse.

    Em relação ao Wii U e ao Dreamcast, eu concordo que eles são fracassos comerciais. Mas adiciono que são fracassos em comparação com seus antecessores e concorrentes mas diferentes em relação a Sega CD, Virtual Boy e outros fracassos mais chamativos.

    E obrigado por responderem haha Nem esperava isso.

  • FoodPoisoning

    Esse final de podcast e começo de leitura de e-mails me remeteu muito ao NowLoading por causa da música e a entrada do André.

  • Jonathan Menegalli

    eu sempre achei que o virtual boy usava só vermelho nos jogos pq os leds vermelhos são os mais baratos.

  • Excelentíssimo DASH! Gosto de quando abordam um assunto mais abrangente como o mercado de games ou mesmo franquias, curto quando vocês precisam ir longe e apontar mais de uma perspectiva sobre um momento ou assunto. E ah como eu curtiria um DASH com teorias e elucidações de vocês sobre supostas continuações de jogos como teorizaram sobre o Last of Us ao fim do podcast.

    E quanto ao Dreamcast esse foi um dos videogames que mudaram minha percepção sobre jogos: na época do PS2 como não tinha dinheiro para ele, comprei um Dreamcast usado com uns 60 a 70 jogos e pude experimentar quase toda biblioteca dele, incluindo o House of Dead com a pistolinha do console. Curtia muito Skies of Arcadia, Grandia II, Shenmue e até mesmo Berserk e os games de Sonic, o fato de ter vários minigames no memory card era algo incrível e podia levar para a escola. Eu tenho o meu guardado com muito carinho e fico triste que não foi uma experiência compartilhada com muitos outros jogadores, uma sorte que algumas pérolas dele vieram a tona após seu falecimento como o caso de Jet Set Radio e mesmo o Skies of Arcadia. Abraços chapas.

  • Patrick Reis
    • Elber M. Rock

      Megazord dos videogames!

  • Diogo Macedo
  • Raul Thales

    Vocês tocaram num certo ponto: a Nintendo virando uma third party.

    A indústria de consoles perderia um pouco por conta da sua inventividade(seja bem ou mal), mas colocando na balança, eu acho que seria MUITO benéfico se ela tornasse uma third party. Eu acho a Nintendo uma ótima desenvolvedora de games, não de hardware.

    Eu amo algumas das franquias dela, mas comprar um console só por exclusivos, privando-se de toda uma gama de ótimos jogos que saem para as outras plataformas principais e sequer são cogitados pros consoles da Nintendo é triste.

    Então Nintendo, facilita aê e lança o Zelda pro PS4, bjs te amo.

  • Jefferson Candido

    N-gage foi muito bom, muito mesmo!
    problema que era caro :/

  • SmokeE3 .

    Sobre a Tectoy, tinha lido que ela tinha falido, mas não encontrei de onde tirei isso. Mas ela está para sair do mercado de ações (ações inferiores á R$ 10,00) á um tempo já e não está bem. Resultados operacionais recentes: http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/listados-a-vista-e-derivativos/renda-variavel/empresas-listadas.htm

  • Queria o link do “299 dólares” do lançamento do PS1 no post =P

    Mas sério, ótimo Dash! Parabéns mesmo, está excelente! Adoro temas relacionados a história dos video-games, e já aguardo ansioso um sobre controles ^^

    • SmokeE3 .
      • Vlw! Eu editei o post e coloquei o link do vídeo ^^

        • SmokeE3 .

          só… na verdade o link que eu peguei ta no próprio programa:

          Links:

          Contribua com nosso Patreon

          Vídeo: Comerciais da Sega

          Vídeo: “Conferência” da Sony na E3 1995

  • João Dobbin

    Muito bom cast! Eu tenho um DC até hoje e gosto muito do console. Grande falha deles foi o custo, já que como o PS2 fabricava algumas partes essenciais, como o drive de DVD. A SEGA tinha que comprar partes de outros fabricantes, e não podia subir o preço vs uma concorrência como do PS2, manter o preço de U$199 com os custos só aumentando e entrando em uma espiral da morte de “quanto mais console vende, maior o nosso prejuízo” o fim era inevitável. A ideia da sega era levar um dispositivo online a baixo custo, para então oferecer serviços digitais e lucar em cima disso. Mas talvez tenha sido uma decisão precipitada, não imaginavam (mais) custos com isso e as vendas de software não estavam compensando…Isso tudo aliado aos erros passado da SEGA (32x etc) que já vinham trazendo uma empresa não muito bem das pernas…Uma pena!

  • Danilo Soares ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

    O Nintendo 64 nos últimos 2 anos de vida tinha cartucjos de 512mb, como no caso do RE 2 e Majora’s Mask se não me engano.

    • Maxwell Alves

      Eram 512 megabits que seriam 64 megabytes. Ainda bem longe dos aproximados 650 megabytes dos CDs.

      • Danilo Soares

        Ahh verdade, acabei de ver, o máximo era 64MB, comprimiram até a alma! Com o Expansion Pack ele ficava bem mais bonito que no PSone.

  • leonnn1

    Seria legal se vocês pudessem colocar alguns links a mais, mostrando o que vocês estão falando, o podcast é muito bom, e acho que isso fária ele ficar perfeito, como o pessoal do 99 vidas faz, isso também geraria pageviews pra vocês eu acho.

  • Sobre o N-Gage: Apresento a vocês, o segundo melhor site da internet mundial, perdendo apenas para o eterno pudim.com.br:

    http://www.sidetalking.com/

    De nada, bj.

  • Luis Guilherme Lima

    Boa tarde galera,

    Queria falar um pouco sobre a confusão da Sega em relação ao Mega Drive e o Saturno.
    O mega era o xodó da Sega of America e eles não queriam descontinuar o console, por isso eles tentaram esticar a vida dele ao máximo com o 32X. Já a Sega of Japan não gostava do Mega e queriam lançar logo o Saturno pois o Super Nintendo dominava o Japão.
    Então essa rixa entre as duas causaram essa confusão de datas de lançamento.

    Um abraço.

  • Maxwell Alves

    E por pouco a Sega não lança, junto com todos estes consoles e expansões, mais um console, o Sega Neptune. Era até bonito!

  • Márvio

    Não entendi por que não falaram do PS Vita? Se citaram o Wii U e comentaram bastante sobre ele, poderiam ter falado sobre o último portátil da Sony. Só posso concluir que: SEUS SONYSTAS!!!!

    Brincadeiras a parte, acho que faltou uma discussão sobre ele e a influência do mobile em jogos portáteis. E como a Nintendo pode ser a única que se salvou, em parte, neste ramo.

  • Hector Bonilla

    Neo Geo é considerado um fracasso? Eu só conheci uma pessoa que teve um, e ainda foi o Neo Geo CD.

  • Kalel Mota

    É realmente uma pena o Dreamcast não ter vingado, era um grande video game. Eu tive um, basicamente porque meu pai tinha um fliperama (com consoles e máquinas de arcade) e o Dreamcast não era muito requisitado pelos clientes, então ele me deu. Os jogos dele eram divertidíssimos, o que mais joguei foi o Power Stone 2.

  • Ouvindo o cast ainda, mas uma curiosidade é que o port de Nintendo 64 de Resident Evil foi feito pela Rockstar San Diego.

    https://en.wikipedia.org/wiki/Rockstar_San_Diego

    Outra coisa é que o Angry Video Game Nerd já fez videos sobre varios dos fiascos citados que valem muito a pena assistir. O de Jaguar é excelente.

X