Vértice #74: Satanpunk

2016-05-19T13:51:11+00:00 19 de maio de 2016|Vértice|17 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Num futuro altamente hi-tech, onde os humanos habitam marte, só há uma maneira de se discutir joguinhos: fazendo um ritual para invocar André, Rick, Sushi e Corraini do reino do mochila de criança diretamente para o seu ouvido.

Nessa invocação eles irão comentar sobre o surpreendente Doom, retornarão ao Hitman de festa que vem arrasando corações e Stellaris, o jogo que te ensinará a dominar planetas e preencher planilhas do Excel.

Além de jogos, esses capirotos em forma de guris também discutem o trailer do filme de Assassin’s Creed e do Battlefield 1, a Nintendo interessada pelo mundo do cinema, os novos Pokémons e a Disney encerrando a produção do Infinity e demitindo geral.

Envie Sua Pergunta!

Tem alguma dúvida, questionamento ou tópico de discussão sobre games, a vida, o universo e métodos de ganhar dinheiro? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Você pode também enviar sua pergunta pelo nosso Jogabilitumblr!

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/vertice_ep74.mp3″ title=”Vértice #74″ share_link=”http://jogabilida.de/2016/05/vertice-74/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2015/11/photo_2015-11-12_15-56-43.jpg” meta=”Satanpunk” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870167039{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZnYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzMi5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1tdXNpYyUyMGZhLTN4JTIyJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwaW5saW5lLWJsb2NrJTNCJTIwbWFyZ2luJTNBJTIwMCUyMDEwcHglM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUzRSUzQyUyRmklM0UlMjAlM0NwJTNFSXR1bmVzJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0U=[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “Late Nite Funk Squad”, por David Tobin, Jeff Meegan e Malcolm Edmonstone
  • “Ode to the Clitoris”, por Dorian Electra & Refinery29

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • DOOM: 00:04:11
  • Stellaris: 00:25:30
  • Hitman: 00:41:16
  • Assassin’s Creed, o Filme: 00:57:49
  • Nintendo no Cinema: 01:07:01
  • Disney Finity: 01:11:22
  • Pokemon Sun & Moon:01:18:46
  • Battlefield 1: 01:27:34

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Erick Felipe Volutao

    Boa tarde galera, tudo bem ? Aconteceu isso aqui quando tentei baixar :

    • André Campos

      Tinha realmente um erro, agora já deve estar tudo certo!

  • Sobre Stellaris ele realmente é muito fodão, porém no Late Game ele perde um pouco na diplomacia que é simplista demais, principalmente quando comparamos com outros jogos da Paradox como o Crusader Kings 2 que você pode até mandar matar alguém que você não gosta e depois ser assassinado por veneno ao estilo Game of Thrones, inclusive tem um mod do CK2 que munda o mundo para Westeros e é o melhor jogo do Game of Thrones que existe!

    Para o Caio que demonstrou interesse em 4X e quer algo mais para relaxar e não tão excel, recomendo Thea: The Awakening http://store.steampowered.com/app/378720/
    O criador do jogo foi o cara que criou o Gwent do The Witcher 3, o jogo é um 4X bem mais simples e bem melhor para relaxar, além de ter uma mecânica de eventos aleatórios muito legais e com ótimas histórias.

  • Pingback: Vértice #74: Satanpunk | Podflix()

  • Dotinha

    Espero Hitler como um personagem jogável.

  • Armoderic

    Que honra ser citado no vértice! fiquei muito contente. Perdi o inicio da transmissão ao vivo e só vi agora quando fui ouvir o cast.

    Stellaris, que eu estava bem ansioso, como vocês disseram eu joguei quase todos os jogos da Paradox, e a perspectiva deles tentando algo no espaço, diferente dos temas históricos deles, era algo que eu tinha muita curiosidade de ver. Eu gostei muito do Stellaris, ele tem alguns pequenos porém aqui e ali, mas são coisas mais de ajuste (sendo que a Paradox já está cuidando disso), e mesmo assim, ele é um jogo muito bom, um dos meus GOTY desse ano. Agora estou bem curioso pois a Paradox deve ainda lançar o Hearts of Iron IV (6/Jun) enquanto a Creative Assembly deve lançar o Total War: Warhammer esse mês (24).

    Entre as coisas que gostei no Stellaris estão os eventos e narrativas emergentes, a customização dele (enquanto vários jogos do genero tem customização de naves/raças ect… eu sinto que do Stellaris para raças funciona muito bem, mesmo sendo simples ela ajuda a definir bem cada raça), o suporte a mods, e a trilha dele que é feita do Andreas Waltdetoft o compositor das trilhas de vários jogos da Paradox, mas nessa trilha ele se superou.

    No entanto, apesar da aparência intimidadora, a maior parte dos jogos da Paradox são bem acessíveis não tão diferentes de um civ, principalmente o Crusader Kings II e o Europa Universalis IV são tranquilos, inclusive fica a dica.

    Por curiosidade, cada jogo da Paradox normalmente tem um “tema/foco” o Crusader Kings é sobre pessoas e dinastias na Idade Média, Europa Universalis é sobre as nascimento das nações modernas e a época da exploração, até o período Napoleônico, Victoria é sobre povos, classes sociais, ideologias e colonização e a Primeira Guerra enquanto o Hearts of Iron é sobre a Segunda Guerra. O Stellaris é muito sobre exploração do espaço.

    • Armoderic

      Só algumas adições:

      – Imaginei que o Rick fosse comentar algo sobre o Civ IV que foi anunciado a pouco.

      – Em matéria de recomendações de jogos 4X: além do Thea que o Gradash citou, eu adicionaria: Sins of Solar Empire (misto de 4X e RTS), talvez o Rick e o Sushi gostem ; Rise of Nations (RTS com elementos de Civilization, como avançar de época. pesquisar tecnologias), acho que o Corraini e Rick pode gostar bastante. Warlock Master of the Arcane 1 ou 2 (4X de fantasia bem estilo civilization), Age of Wonders III (fantasia), Endless Space (espacial) e o Endless Legend (fantasia) são excelente recomendações também, principalmente o Legend.

      – Só como curiosidade, o termo 4X é usado muito para se referir ao Civ, mas na real o termo em si foi criado por um dos desenvolvedores de Master of Orion, cujo sucesso criou o subgênero do 4X espacial – porém, após dois grande sucessos, Master of Orion 3, foi um desastre total, devido a vários problemas de desenvolvimento, conflitos internos, interferências e outras coisas, tanto que o MoO 3 é meio o “Daikatana” dos jogos de estratégia. Desde então, várias pessoas tem tentado continuar o gênero, dai o por que você vê tanto a expressão “sucesso espiritual do Master of Orion” e tem tantos dele no Steam.

  • Henrique Tavares

    Já eu acho que a parte dos dias atuais do AC é bem qualquer coisa. Só jogo pelas partes históricas mesmo.

  • Dudley_o_Boxista

    Eu acho uma injustiça com os pokémons mais recentes esse endeusamento(?) que tem na primeira geração. A primeira geração é a geração do Magneton, Jynx, Voltorb/Electrode, Grime/Muk, Staryu/Starmie, Mr. Mime, Porygon. Com isso dá pra pelo menos poder afirmar que design simples não é sinônimo de qualidade, ao menos nesse caso. Acho que muito desse discurso vem do fato de ter ou não acompanhado aquela geração em outra época com outra idade. Nem questiono o fato de terem deixado de serem simples, só não vejo problemas nisso acontecer.

    • Henrique Tavares

      Isso não é nivelar por baixo, não?

      • Dudley_o_Boxista

        O mesmo argumento usado pra rebaixar outras gerações. “Ah tem um pokemon saco de lixo, ah tem um pokemon sorvete”

  • Vi

    Como sempre adorei.
    E finalmente (!!!!!) uma vértice com uma mulher cantando no final o/

  • “Pentagrama da Ellie” me lembrou imediatamente disto:

  • Rosemberg Almeida

    ohhhhhhhhhhhhh Vérticeeeeeeeeeeeeee! 8) André ♥

  • Grillo

    Que musiquinha mais amor é essa no fim?

    • Grillo

      Ah a trilha fica ali do lado, valeu 😛

  • leonnn1

    Tem um cara novamente que é chato ein, não direi quem…. o resto é ótimo parabéns!

X