Fora da Caixa #23: Stranger Things, Ghostbusters, Férias

2016-07-21T20:40:30+00:00 21 de julho de 2016|Fora da Caixa|63 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Depois de cantar tanta música de anime ao ponto de resolver que não iria mais comer Rick, Sushi e Corraini acharam que tava na hora de tirar o André de uma outra caixa.

Para isso eles se juntaram para falar dos hits do verão Stranger Things e Ghostbusters além de também comentarem mais um pouco sobre Stand-ups com Jim Jefferies e Bo Burnham e um pouco sobre as férias do rick, comida e muita divagação.

Tem algum feedback, sugestões de filmes, músicas, séries, apresentações de balé ou qualquer outra coisa? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de.

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/Fora_da_Caixa_ep23.mp3″ title=”Fora da Caixa #23:” share_link=”http://jogabilida.de/2016/07/fora-da-caixa-23/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2016/02/fdc-capita.png” meta=”Stranger Things, Ghostbusters, Férias” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1449180476769{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZuYW9nYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzMi5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1tdXNpYyUyMGZhLTN4JTIyJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwaW5saW5lLWJsb2NrJTNCJTIwbWFyZ2luJTNBJTIwMCUyMDEwcHglM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUzRSUzQyUyRmklM0UlMjAlM0NwJTNFSXR1bmVzJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0U=[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “First Crush”, por Saberpulse
  • “Ghostbusters”, por Ray Parker Jr.
  • “Center of the Universe”, por Kamelot
  • “Intro”, de Stranger Things
  • “What Do You Want From Me”, por Pink Floyd

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • Férias e comida: 00:06:15
  • Ghostbusters: 00:35:20
  • Stand up(Jim Jefferies e Bo Burnham): 00:50:33
  • Stranger Things: 01:20:25

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Caio Longo

    “Parabéns para quem inventou dormir”
    – Lindo, André.

  • ArcanoXV

    YESS, STRANGER THINGS!

  • Manteiga No Biscoito

    Gostei do novo Ghostbusters, bem melhor do que o original.

  • Hernesto Vautero

    Sobre o CK não sei, mas sobre o Fassbender, aquela história de agressão que teve anos atrás foi mais que desmentida.

  • Daniel Neves Araujo

    Sushi, sobre despertador uma coisa que funciona bem são aquelas pulseiras fitness sabe? Várias tem função de despertador com uma vibração no pulso, e combina com essa função que o Caio falou da hora do sono mais leve pra acordar. Eu tenho uma Mi Band e é bem efetivo pra acordar e ainda por cima como é silenciosa não afeta os outros.

    • Sushi0

      Eu tenho uma amiga que usa esse Mi Band e ele realmente parece bem interessante, mas por enquanto eu resolvi usar o Sleep Cycle que o Corraini comentou e ele tá funcionando por enquanto. Se ele começar a falhar eu penso em pegar um Mi Band também. haha

  • Alex Amaro

    Fiquei curioso pra saber qual o despertador que o Corra usa 🙂

  • mrfrai

    Eu sou alergico a cebola 🙁

  • Artur Oliveira

    Nunca me interessei por Stand-up, mas como ouvia vocês falando bastante do Louie C.K , me deu vontade de dar uma chance e ver uma das apresentações dele, mas depois dessa história não sei se vou conseguir assistir normalmente…

  • Se o André falou que tem o “Karaoke com todas as musicas que você sempre sonhou” no minimo eu espero todo o álbum de Hamilton disponível lá.

    • André Campos

      Essas de fato não tem… E a gente procurou!

  • Pingback: Fora da Caixa #23: Stranger Things, Ghostbusters, Férias – Podflix - Jogabilidade - Podcast()

  • Whateverman

    Apesar de saber o que o Louis CK faz, decidi rever um show antigo e não mudou o modo que eu via, ainda acho engraçadissimo e enquanto via mal me importei.

  • André Luz

    caras dormir é muito overrated, gostoso e quando vc ta com sono e deita, mas dormir em si e muita perda de tempo, eu trocaria tranquilamente todas as horas de sono por fazer outras coisas haha.

  • Giovanni Melo

    O Kanye West é meu cantor favorito, meu produtor favorito e fez os meus álbuns favoritos. O fato dele ser um babaca não tira esses méritos para mim. Eu entendo o Rick sobre o Louis C.K, apesar de que o Louis fez ser muito grave, é difícil deixar de gostar de alguém pelos seus atos fora do palco.

    • Anderson

      basta o cara ser acusado que ja vira fato que ele fez a parada

      • Giovanni Melo

        Eu errei nesse meu comentário, eu coloquei como fato algo que não foi provado, Sorry.

  • Omelete Box

    Saber diferenciar o artista do produto ninguém quer, né.

    • André Campos

      Saber é fácil, conseguir é outra história.

    • Thiago Nunes

      Nem é questão de querer.

  • Andrew Henrique Pavei

    Serio mesmo? A mulher não pode ir no aquário com o filho pequeno porque te atrapalha? E porque tu ACHA que a criança ta ali ali sem absorver nada? Para de ser cabeça fechada e comece a perceber que tudo isso faz parte da educação e aprendizagem do pequeno mestre Pokemon, o mundo não gira entorno dos seus interesses ou mesmo do que você acha ou não certo.

    Ela não pode ir no aquário porque tem um filho pequeno e a culpa não é sua por ela nao usar camisinha? na boa … vou escutando o podcast de vocês mas…

  • KoiSTB

    Sushi, eu tb tinha um problema pra acordar com despertadores convencionais e vivia perdendo a hora pro trabalho. A solução foi comprar um daqueles despertadores de desenho animado (aqueles com sininho estridente em cima) e deixar ele em cima do guarda-roupa do outro lado do quarto.
    Aí alguém ficava desesperado com o barulho e vinha me acordar. XD

    • Sushi0

      Eu resolvi dar uma chance pro despertador que o corraini comentou e ele realmente funciona! Caso queira dá uma procurada por Sleep Cycle.

  • Caralho, fiquei completamente chocado com as paradas do Louis CK…. cara é meu comediante favorito da atualidade. Espero que seja gente querendo dar golpe nele, de verdade, pq vai ser uma decepção fodida.

    Sobre o Seinfeld, ele namorou uma menina de de 17 anos (que é crime nos USA, mas não no Brasil). Cometeu um crime, mas não acho que é algo pra julgarmos ele… eles ficaram juntos por 4 anos, rolou consentimento e tudo mais e rapidão ela ficou maior de idade, haahha.

  • Sinceramente acho que parte do barulho de Stranger Things também foi porque faz tempo que não temos séries de mistério que são bem amarradinhas, com atuação convincente, fotografia, arte, trilha sonora, tudo caminhando junto, tudo colaborando com uma atmosfera realmente envolvente e principalmente SEM subestimar o telespectador, sem prometer mais do que vão resolver ou, indo por outro viés, chamá-lo de burro. Twin Peaks é facilmente uma das minhas séries preferidas (até a revelação do assassino o ritmo dela é impecável) e olhando o que temos hoje como mistério em séries é bem fácil enxergar os problemas de roteiro e narrativa (Lost, Wayward Pines, Under The Dome, etc), acredito que Stranger Things consegue se manter ali sempre no mesmo nível, deixa alguns ganchos interessantes ao final e sabe ser sagaz o suficiente para ser uma “série para toda família” sem abrir mão de personagens inteligentes (que são capazes de ler sinais, investigar, ligar os pontos) e uma progressão confortável de se acompanhar. No mais, parabéns pelo cast!

  • Esse negócio de artista é muito foda porque normalmente por ele ser um artista ele já é meio maluco. O que eu tento fazer é sempre separar a obra da vida pessoal e saber o mínimo possível sobre qualquer artista, porque a chance de se decepcionar é muito grande.

    Sobre o Louis C.K. o negócio é um pouco pior realmente por ele falar muito sobre a vida pessoal no palco, e por ser um cara muito inteligente, com uma visão muito interessante de mundo. Com esse tipo de caso é impossível não perder o respeito por ele, mas eu sempre vou tentar levar tudo como personagem e esquecer da vida pessoal.

  • Ainda sobre o assunto “novo GB arruinou a minha infância” e aceitando que é uma hipérbole do caralho, mas que tem gente babaca no mundo e tudo o mais.
    Vocês realmente acham que uma obra lançada posteriormente não consegue comprometer as anteriores?
    Desde que o futuro darth vader gritava yiiiipeee enquanto acidentalmente destruia sozinho uma base militar espacial eu acho que sequências podem de fato comprometer os filmes que já existem e são amados e consagrados há décadas.
    Senão me engano já ouvi de alguns vcs não querendo um Last Of Us 2 e Telltale’s Walking Dead 2, na época por motivos similares por exemplo…

    • André Campos

      Pelo menos pra mim, tanto no caso de Last of Us quanto de The Walking Dead o desejo era de que fizessem algo diferente em vez de seguir o caminho mais seguro e continuar com aqueles personagens. E eu entendo o desejo de querer que uma franquia que você goste tenha sempre filmes ou jogos ou o que quer que seja de qualidade, pra poder olhar pra ela como um todo e falar “que foda”. Mas daí a dizer que um ruim estraga um bom é outra coisa.

  • Sor Lucas

    Caramba, fiquei bem triste por causa deste podcast.

    Eu entendo totalmente que as pessoas cresceram em um ambiente sócio-cultural onde seja aceitável zoológicos e aquários mas estamos em dois mil e dezesseis do ano graça, exploração de animais mantidos em cativeiro para puro entretenimento humano é algo abominável. Eu não estou criticando o Rick, eu também cresci achando isso normal e já fui muitas vezes em zoológicos e aquários mas isso se torna um problema ainda maior quando é indicado em um podcast que atinge tantas pessoas e não fazem este questionamento, apenas faço um apelo pras pessoas que lerem este comentário refletirem um pouco, não estou julgando e condenando a moral de ninguém, peço apenas que pensem um pouco sobre a questão ambiental que é importante e as pessoas não se dão conta por pura ignorância científica.

    Ps one: Sim, estes estabelecimentos são regidos por leis governamentais bem rígidas e fiscalizados (vamos ignorar a questão de fiscalização no Brasil), isto não torna correto o fato de retirar animais silvestres de seu habbit para entretenimento.

    Ps 2: eu também acho a natureza linda, mas o lugar dela não é em gaiolas e tanques.

    Ps 3: amo vocês, isto não é um ataque.

    • Lucas Santana

      É engraçado como atualmente, mais do que antes, ouvir zoológico soa estranho aos ouvidos, enquanto ouvia o cast estava pensando nisso, mas como tava na rua não dava pra anotar em algum lugar ou algo assim sobre isso.

  • Sobre o Louis C.K, confesso que fiquei chocado e triste, pois conheci o comediante a pouco tempo e inclusive a primeira vez que ouvi falar dele foi aqui. Agora sobre essa parada de continuar acompanhando o trabalho do cara depois de uma mancada dessas. Bom, eu sou fã de poucas pessoas, mas de muitos artistas, eu separo as coisas, como diretor eu gosto muito do Woody Allen, agora como pessoa… Os únicos artistas que eu sou fã tanto artisticamente quanto no pessoal são Dave Grohl e Tom Hanks. Espero nunca ouvir nenhum podre sobre eles, pois ficarei de luto. Mas continuando a parada do Louis, acho muito mais complicado, porque ele é um comediante, e ele faz críticas sobre diversas coisas nas suas piadas, e agora é como o André (acho que foi ele que comentou) disse, o cara faz uma piada sobre algo, mas a gente sempre vai lembrar desse podre dele, ele perde a moral completamente.
    Outro dia fui ver um Stand Up com o Eddie Murphy, e o cara abriu o show com piada sobre gay, e o pior que nem eram piadas inteligentes, eram piadas ignorantes e desinformadas, pra mim o show acabou ali, agora tem outros comediantes que fazem certas piadas “incorretas”, mas são piadas bem feitas, como uma que ouvi do próprio Jim Jefferies.

  • Rodrigo Paiva

    Nunca tinha escutado nenhum episódio que não fosse sobre games, acho o melhor no gênero, os caras manjam do assunto, o fator “SJW” me incomoda um pouco, mas dá pra suportar, já o desse episódio não deu não cara, na moral, ridículo isso sobre dar preferência à palavra da vítima, é principio básico de qualquer constituição democrática a presunção de inocência, explica pro pessoal da Escola Base e pra família da mulher que foi linchada acusada de pedofilia no Guarujá que eles não vão ter tanto problema depois de provar que não fizeram nada…

    • André Campos

      Claro, porque dando preferência à palavra da vítima estamos automaticamente apoiando linchamentos e vigilantismo.

      • Rodrigo Paiva

        As palavras ditas, ipsis literis, foram: ” Eu sempre vou errar em favor às vítimas” E que hora eu disse que vc apóia o vigilantismo? Eu disse que dar ouvidos somente à suposta vítima antes de uma apuração é o que dá ensejo a isso.

        • Ricardo Ferreira

          Eu concordo Rodrigo. Foi perfeito no seu post. Eu entendo o pessoal do jogabilidade pois são assuntos que realmente pesam no nosso dia-a-dia e muitas vezes nos cegam para o que é justo ou não. Neste caso especifico foram opiniões bem apaixonadas que fogem bastante do que é ver o caso com todos os olhos… e bem, foge bem do que é o significado filosofico do que é justiça.

          Existe um PORQUE de existir advogados, existir juizes e existir um tribunal. Mesmo motivo pelo qual pena de morte é tão discutida… porque sempre corremos o risco de punir alguém que é inocente por falta de provas, por falta de testemunhas. E isso ocorre diariamente.

          Gosto muito dos meninos mas as vezes eles pesam a mão numa opinião sem nem discutir fatos, argumentos ou o que é investigado.

          No caso do Louis CK, é dificil dizer… mas não existem provas então sempre fica sob a luz de investigação. Nem sempre a vitima diz a verdade, caso contrário todos os politicos seriam inocentados por tudo o que fazem. É complicado mas é algo bem maior do que eles simplificaram, na minha opinião, injustamente.

        • slashrick

          Interpretação de texto: Não somos juízes nem investigadores. É ÓBVIO que queremos que justiça seja feita e fatos apurados. Como eu falei no podcast, infelizmente nesse mundo quem tem mais dinheiro e poder consegue driblar justiça, principalmente se tratando de grupos constantemente desfavorecidos na nossa sociedade. Tendo isso em vista, prefiro acreditar que as meninas que estão denunciando o Louis CK estão falando a verdade.

          Na prática, tanto faz o que eu acho (ou o que você acha). As coisas são como são e não vão mudar. Fico de consciência um pouco mais tranquila quando penso da forma que penso, pelo menos.

        • Rodrigo Paiva
    • Dudley_o_Boxista

      Ao mesmo tempo, você parte do pré suposto que a justiça é infalível, o que sabemos que não funciona assim. Também discordo um pouco da visão apresentada no podcast, porém temos casos onde alguém com poder e a mídia a seu favor manipula do jeito que quer e sai impune. Do mesmo jeito que você está no seu direito de acreditar que a lei é maior acho que também é direito de todos acreditar em qualquer outra coisa contanto que entre em desacordo com as leis. E estou sim cagando regra porque não entendo de lei, apenas já cansei de ver impunidade.

      • Rodrigo Paiva

        E vc parte do pressuposto de que as pessoas não mentem, eu nunca disse que a Justiça é infalível, mas é o “menos pior” dos meios. Eu tb acho a impunidade uma merda, mas vc reparou que esse povo (SJW’s) só se indigna com esse tipo de crime? Assoviar pra uma mina deveria ter pena de morte, mas um menor matar um pai de família, não pode prender pq não resolve.
        E impunidade tb está no fato de a pessoa denunciar alguém falsamente e sair disso sem ir em cana, que nem o caso (que ainda não está totalmente esclarecido, eu sei) do Feliciano, mas já deu pra ver que a história, pelo menos em parte é mentirosa, e se levassem como dogma o que a infeliz falou? já postei antes mas vou mandar de novo como exemplo, olha a merda: http://www.mirror.co.uk/news/uk-news/heartbroken-mum-teen-who-killed-8518826?ICID=FB_mirror_main
        E, por último, uma imagem pra ficar a reflexão

  • Vi Stranger Things numa sentada. Misterio interessante e tals. A curiosidade me levou até o final. Mas como eu odeio esses personagens. Não consigo sentir empatia por ninguém. Exceto o gordinho sem dentes. 😀

  • Sobre Stanger Things:

    – O André disse que a El quase não é um personagem, e na verdade, ela é a personagem com mais evolução durante a temporada, tanto que no fim, a temos demonstrando sinais de carinho e amizade que não condiziam com sua posição inicial;
    – O Sheriff é um personagem sensacional, que vai aos poucos ganhando a confiança do espectador e no último episódio tem seu arco (único que ainda não tinha sido devidamente esclarecido) aberto e fechado de forma muito sensitiva;
    – Não podemos esquecer que toda a história da primeira temporada ocorre em apenas cinco dias;
    – Os mistérios são EXCELENTEMENTE explicados, da melhor forma possível. Não existe em momento nenhum, um personagem que sabe de absolutamente toda a trama, e que explicitamente explica aos protagonistas o que houve. A explicação ocorre naturalmente, bem dividida entre os episódios, e deixa as perguntas mais importantes para o episódio sete (que eu considero o melhor episódio), e o fechamento da história para o último episódio;
    – Muito da falta de sentimento do André e do Sushi pela série é a questão de reconhecer mas não ser tocado pelos fanservices. Eu adoro (alguns) animes, e tenho alguma nostalgia para Cavaleiros, Digimon, Dragon Ball, mas não se compara em absolutamente nada ao ouvir Mirkwood ou Radagast, prestar atenção ao lindo cartaz de Enigma de Outro Mundo, ver a cena das bicicletas de ET repensada e reformulada, ver Os Goonies novamente, em uma versão mais bem produzida e com verdadeiros atores em tela (pois as crianças do goonies original são insuportáveis) e ver os personagens jogando um rpg na garagem, por 10 horas seguidas, como fiz durante toda a minha infância. E, ao contrário do que possam estar pensando, sou mais novo que todos vocês do cast (meu pai é um nerdão).
    – O final da temporada é PERFEITO no quesito produto. Se toda a série funcionou, vamos para uma segunda temporada com outro mistério, mas com os mesmos personagens. Se os personagens não agradaram, vamos a outro mistério com outros personagens.
    – Esta temporada na verdade é um filme de pouco menos de oito horas. Os cliff-hangers não são colocados no fim do episódio (em sua maioria), todos os arcos abrem e fecham, os personagens evoluem, e a história é contada de maneira leve, divertida e misteriosa.

    Já fazem alguns Fora da Caixa que eu percebi que os nossos gostos, tirando o video-game, não se batem muito (tirando o Corraini, normalmente concordo com o que ele diz), então deixarei-os neste podcast em específico, mas continuo ouvindo o Vértice, o Linha Quente,o Dash e o Construindo Mundos com todo o meu amor (não ouço o Jack pois como vocês falam sobre animes, sei lá, fora do meu escopo e gosto em sua maioria, escuto apenas episódios ocasionais).

    Ótimo trabalho a todos vocês, seus lindos!!!

    PS: It Follows é ruim. Desculpa.Fui assistir felizão depois que vocês falaram tão bem dele em um Fora da Caixa passado, e porra, que decepção. Normalmente eu não sinto medo de filme de terror, mas pelo menos uns sustinhos eu levo, e nesse filme nem isso. Sem tensão, uma trilha sonora fraca, que não conversava com o filme, a atuação da personagem principal é sofrível, e o pior na minha opinião, a história, que não leva a lugar nenhum, fica em aberto e não explica porra nenhuma. Se tu tem uma puta ideia, como é a ideia inicial do filme, me explica, caralho. No final, eu olhei e disse “Tá, e daí?”, e a sensação mais merda que existe é a tá, e dai. Me pareceu que os caras pensaram “Porra, ideia foda do caralho, mas como a gente termina?” o outro olhou e disse “Não sei. Faz assim, deixa o final em aberto, pra ninguém entender nada, e a gente vira cult, que nem aquela merda do Donnie Darko”.

    PS2: Desculpa, mas eu tinha que extravasar.

  • Márcio Zacarias

    Passei para agradecer a dica do Corra sobre o Bo Burnham. Muito diferente mesmo, as vezes difícil de degustar, mas tem uns picos de genialidade que são excelentes. Ainda prefiro um estilo mais clássico de Stand Up, como do Louis CK, mas foi muito bom ver algo tão criativo, intenso e bizarro 🙂

    Sobre o Louis CK e como o Rick se sente, vcs podem começar a usar a minha tática: Partam do princípio que todo mundo é meio podre. Tons de cinza, lembram? Não o filme, mas o lance de ninguém ser realmente bom ou realmente mal, mas sim algo no meio disso.

    É inocência achar que existe alguém no mundo puro de coração que nunca fez merda. Logo, é irreal colocar esse pré requisito de que pra gostar de algo, quem fez este algo deve ser “bom”. Obviamente que todos temos que pagar pelas nossas cagadas, principalmente se forem crimes, mas não é pq o pedreiro roubou uma galinha que o muro que ele construiu é de menor qualidade…

    OK, analogia simplista a do muro, mas caras: https://www.youtube.com/watch?v=bvlSxCC0wVg

    O “Of course, but maybe” é menos genial pq o Louis CK fez merda? Aquele tapa na cara, no finalzinho da rotina, é menos impactante e real por ele ser um pervertido?

    Claro que as acusações tiram muito do brilho dele como pessoa e também me abalou um pouco esta história, mas no fim das contas não consigo deixar de gostar do trabalho dele como um todo. Talvez na próxima vez que ele falar alguma coisa sobre abuso sexual vá soar hipócrita, assim como (guardadas as devidas proporções!) é hipócrita alguém criticar o trabalho semi-escravo na China tendo um smartphone no bolso.

  • Ayana

    Sem dúvida, a melhor parte do programa foi esse comentário: “Ele falou que não gostava do Trump, tinha certeza que era uma boa pessoa!”.

    • unknow

      Também não gosto do Trump, é um imbecil, mas num mundo que tem terrorismo, ditaduras socialistas, e políticos tão filhos da puta ou mais que o Trump, querer coloca-lo como o maior vilão da humanidade é uma forçação de barra enorme. Porque é tão cool desgostar do Trump, mas não é cool desgostar da Hillary? Os dois são filhos da puta. Políticos normalmente são filhos da puta.

  • Lucas

    Não achei as acusações contra o Seinfield que o Sushi falou

  • tiagocartum

    Sobre o Caso Louis CK
    Como alguns já falaram nos comentários, acho complicado essa mistura de profissional/pessoal que tão comumente fazemos.
    Podemos admirar o trabalho de uma pessoa e considerá-la ela terrível no seu âmbito pessoal. Não precisamos ser amigos de todos os quais admiramos. Afinal, se visto de muito perto, todos nos temos nossos podres e bizarrices.
    Julgar um profissional pelo âmbito pessoal é o mesmo que dizer que um presidente é inapto do seu cargo porque traiu a esposa com a estagiária, ou porque gosta de tomar uma 51 de vez.
    Achar um comediante engraçado pelo seu texto, pela sua performasse no palco, etc, é uma coisa. Admirar esse trabalho não tem nada a ver com corroborar com o que ele faz no seu âmbito pessoal.
    Adoro o trabalho de vocês e pouco me importa as besteiras morais ou amorais que vocês comentem ou comentarem =D.
    Apenas continuem com o bom trabalho que continuarem admirando-os cada vez mais pelos profissionais que são.

  • Leandro Tavares

    Rick, sinto levantar essa bola, mas sua fala sobre mulheres com crianças no aquário foi babaca. Sou pai de uma garota de cinco meses e durante os quatro meses de licença maternidade da minha esposa vi de perto que esse período dedicando sua vida à outra vida tem seus lados negativos, entre eles a exclusão da sociedade. A mãe não leva a criança no aquário para a criança conhecer peixes, mas sim para ela, mãe, siar um pouco de casa e relembrar que há um mundo lá fora. Assim como há iniciativas como o Cine-Materna, que são sessões de cinema “amigáveis” para bebês, que permitem que a mãe vá ao cinema sem se preocupar com barulho alto do filme ou um ar-condicionado no talo. Não sei se você já tinha pensado por esse lado, mas como sabemos que você e os amigos do Jogabilidade não são babacas, acho que a fala foi apenas uma questão de não conhecer esse outro lado. Fica a dica, segue o amor S2

    • slashrick

      Então, não ouvi como ficou a edição do podcast, mas enquanto eu falava eu notei que estava sendo um pouco babaca sim. E sinto muito por isso. Em algum momento da gravação eu até falei “nah, falando sério, a mãe faz o que quiser onde quiser. é um país livre. só tomar cuidado ao seu redor quando estiver andando com um trambolho do tamanho de um carrinho em um corredor estreito” ou algo do gênero.

      Foi mal =(

  • Sushi é a cara da menina do Stranger Things, a “onze”…

  • Gabriel Sussumu

    Podem repetir o nome do karaokê? Não tenho certeza se entendi direito porque não consegui achar na internet. Esse final de semana vou dar uma passada na terra do chuvisco e gostaria muito de fazer o ouvido da namorada sangrar. Obrigado ^^

    • Clarice

      É Porque Sim o nome! 😀
      http://www.karaokeboxporquesim.com.br/

      • Gabriel Sussumu

        aaaa obrigado! Um amigo foi lá há pouco tempo e disse que tinha até Panic! at the Disco o que me deixou bem animado ^^

        • Clarice

          De nada! ^_^
          Agora trate de arrastar tua namorada até lá e cantar bastante Panic!

  • T. Daltonico, o “fã do Porco”

    Pessoas que gostaram realmente do filme do Ghostbusters: 0
    Pessoas que falam bem do Ghostbusters por ser propaganda feminazi: 1.455.244

  • Luiz Augusto de Barros

    Gente, eu não consegui achar NADA sobre essas acusações em cima do Louis C.K.! Onde vocês leram isso? Em portais respeitosos (CNN e BBC, Google News) não consegui nenhum link pra algo parecido.

  • Dudley_o_Boxista

    Caramba, o podcast foi bem polêmico. Mas de modo geral gostei. Sobre diferenciar a obra do artista é relmente algo complicado. Concordo que vai da pessoa se quer ou não, ainda mais quando tem obras que estão muito ligadas a própria pessoa. Como exemplo posso citar o Jovem Nerd que eu acompanhava esporádicamente até saber das tretas da Laura Bu, que me deixou bem desanimado com o posicionamento deles. Larguei todo conteúdo dos caras. Mas não tenho nada contra quem consume, só que me desanimava ouvir/ver o conteúdo. Enfim, é uma parada bem pessoal e também acho bem difícil separar artista da obra por mais que eu assista filmes com os atores citados e tal. No mais, acho que as discussões do episódio foram interessantes, é sempre bom fazer pensar e refletir esse tipo de coisa.

  • unknow

    Bobagens desnecessárias foram ditas nesse podcast (o comentário sobre dar preferência à palavra de quem faz acusação, e o das mães com crianças no aquário por exemplo). Preferia nem ter ouvido, assim não ficaria com essa imagem negativa de vocês, que são caras que eu gosto de ouvir e que fazem um ótimo trabalho.

X