JACK #16: Barakamon

2016-07-05T16:32:10+00:00 5 de julho de 2016|JACK|34 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text] Sejam bem vindos à mais uma temporada do JACK!

Nesse primeiro encontro, o Superintendente Rick, Barão SushiCalifa Corraini recebem e apresentam o convidado da vez: o Ditador Ivan Mizanzuk. Juntos, eles aquecerão corações, aprenderão sobre a vida, encontrarão a si mesmos e descobrirão que ler uma caixa de leite não é pra todo mundo com o amável Barakamon.

A obra conta a história de Seishuu Handa, um talentoso e promissor calígrafo que, depois de eventos envolvendo críticas negativas e seu gigantesco ego, é “exilado” para uma comunidade rural ilhada para conviver com um bando de gente estranha, tentar encontrar inspiração e desenvolver seu estilo.

Como sempre, é recomendado o consumo prévio da obra, pois todos os seus detalhes e minúcias serão expostos em completude.

Ao final do debate, um dos outros membros será sorteado e escolherá o tema da próxima reunião. Mas caso já queira saber de antemão, clique aqui.

O que achaste?

A sessão do clube continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes!

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/jack_ep16.mp3″ title=”JACK #16:” share_link=”http://jogabilida.de/2016/07/jack-16/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2015/11/jack_p.jpg” meta=”Barakamon” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1449180476769{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZuYW9nYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzMi5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1tdXNpYyUyMGZhLTN4JTIyJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwaW5saW5lLWJsb2NrJTNCJTIwbWFyZ2luJTNBJTIwMCUyMDEwcHglM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUzRSUzQyUyRmklM0UlMjAlM0NwJTNFSXR1bmVzJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0U=[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “Moonlight Blues”, por Bruce Maginnis
  • “Rashisa”, por Super Beaver

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • Quentinho no coração: 0:00:00

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Esse anime veio do nada e se tornou um dos meus favoritos tão fácil e tão rápido. Muito amorzinho. <3

  • Barakamon é amor demais s2

  • Victor Seiti Yonemura

    Oh, o Mizanzuk.

  • Andrey Santiago

    Muito interessante a contribuição do Ivan :D, esse JACK foi muito bom, parece-me que o Corra tava meio enfezado no final do programa com o anime (nao pude perder a oportunidade haha)

    Quanto a Madoka, será que vamos ter um próximo Jack 2deep4everyone? E se tem Madoka no JACK vai ter que algum dia ter Evangelion :v

  • Kirano

    Finalmente vou me obrigar a terminar Madoka Magica… Anime chato pra cacete, pqp. Dois animes que não consegui terminar na vida (e tipo, eu sou a pessoa que vê basicamente tudo, eu vi terra nova todo, the cape todo, li 1000 capitulos direto de Detective Conan (o maior esforço até agora foi esse, pqp)) Madoka Magica e Psycho Pass.

  • Lumpemproletariado Latino

    Ahhhhhh…então o Sr. Mizanzuk tem tempo pra Barakamon mas não tem tempo para a seminal obra de Hideaki Anno, esse profeta da nova era, chamada NEON GENESIS EVANGELION ? isso é crime de responsabilidade !

    Abigos do Jogabiidade, juntem-se à campanha de Anticast sobre Evangelion…usando a mesma lógica Felicianesca de contagem de grupos de apoio, já somos 4.3bi fãs sedentos para que esse evento ímpar (e par ) ocorra !

    OU ENTÃO NÃO RECLAMEM QUANDO A REVOLUÇÃO CHEGAR !

    Obrigadinha,abs

  • Manteiga No Biscoito

    A participação do Ivan foi muito boa, acho que o cast não teria rendido tanto sem ele.

  • marcos vinicius Rodrigues.P

    Muito estranho que Handa Kun nem foi comentado, apesar de ser outra staff, é um pre-queell(?)[é uma historia anterior ao que se passa em barakamon, o handa sensei nos tempos escolares(está indo ao ar nessa temporada)] mas fora isso, o anime é um slife é obvio que ele vai da enfase no que está acontecendo na vida do protagonista na época que o anime se passa. e eu posso estar muito errado, mas muito mesmo,mas o nome do anime ja diz que o anime é sobre a a mudança de estado do personagem(barakamon = pessoa feliz), ou grupo que ele vive, em caso a ilha , de qual quer forma, o que ocorre no anime a mudança do personagem é algo maravilhoso, lembro que na temporada dele, mesmo a temporada dele sendo uma das melhores temporadas que ja vi na vida(Persona4,re:hamatora,GlassLip,Tokyo esp,Ao haru ride(slice of life tao bom quanto),zankyou no terror(assistam tem na netflix),tokyo ghoul, akame ga kill, SAO-GGO) ele foi oque se ficou no topo para mim, pq ele meio que mexeu comigo, assim como shigatsu, mas é não tenho muito o que comentar sobre o anime. Só que é lindo analisar o impacto da ilha nele , e dele na ilha.
    eu reconheço todos os defeitos que ele tem, mas não consigo dar outra nota alem de 10/10

  • melkorcg

    Grata surpresa. Já estou assistindo o Barakamon.
    Fica a sugestão de um dia vocês falarem de Hajime no Ippo ou Berserk.

  • Dariecão

    Ainda no aguardo de convidarem a Condessa Pam pra falarem de Free 😀

  • Lucas Santana

    O Ivan tem voz de dublador cara, teve um momento que até me assustei, infelizmente não lembro em que lugar já ouvi uma voz de dublador parecida com a dele…

    Barakamon foi uma delícia, quase chorei com o primeiro episódio quando a Naru o convence a subir no muro para ver o pôr do sol!

    A cena do barco com as crianças colocando a mão pintada no casco junto com a caligrafia do Seishuu é tão bonita, ele praticamente usa as mãos das crianças como guia para fazer a palavra, como se fosse uma constelação! E acho muito legal como a série mostra que aquela é uma comunidade (entre várias na ilha) que todos cuidam de todos e mesmo assim cada um tem seu destaque.

    As metáforas de Barakamon, para mim, se assemelham muito às metáforas que Gintama usa. A diferença é que Gintama usa de metáforas chulas para passar lições tão importantes quando Barakamon.

    Sobre a despedida dele, eu gostei de na volta as pessoas da ilha não ficarem furiosas dele não ter dado tchau, até porque eles tinham certeza que ele voltaria, entenderam os vários sentimentos pelos quais ele podia estar passando; ele se assemelha a uma criança conhecendo os seus sentimentos.

    Sobre Madoka, já assisti e gostei muito :3 Não vi os filmes (nem verei), mas adoro a série!

  • Lucas Santana

    Ah, e a letra da abertura me deixa com os pelos eriçados de tão emocionante que é S2

  • Fica aí uma sugestão para consideração de um Jack futuro: Mahouka Koukou no Rettousei (tem na Netflix)

    E com essa indicação do Corra AGORA mesmo que eu termino de ver Madoka, que comecei a ver mas deixei de lado para ver outras coisas

  • Ricardo Latoch

    Sobre cemitérios tristes… meu vô de foi sepultado em colônia de emigrantes poloneses/ucranianos, em dia de finados tem missa, velas e FESTA… costelada, vinhos,cerveja, pastel etc, inclusive vira um local de encontro para família reunir beber e relembrar as coisas boas dos finados 🙂
    o galpão é do lado da igreja que por sua vez e colada no cemitério.

  • Nacib Véio

    Uma coisa que o anime compensa em relação às mulheres ao meu ver, foi como foi tratado as garotas colegiais. Esse tipo de personagem é o estigma dos animes em geral quanto à má retratação de personagens femininas, e em Barakamon eles tiveram a oportunidade de várias vezes torná-las hipersexualizadas (como no episódio da praia) ou mesmo colocando-as em algum tipo de relação bizarra com o Seishu, mas foram no total reverso e conseguiram retratar as personagens de forma crível e respeitosa, cheias de carisma e sem dever nada aos outros personagens.

  • SmokeE3 .

    Pq vcs não falam de animes mais tradicionais como naruto, one piece, bleach, berserk ou claymore?

    • Dariecão

      imagina ver 800 episódios de naruto em um mês.

      • SmokeE3 .

        O mangá já acabou a mais de um ano… Mas se esse for o problema, ter muito conteúdo pra assistir, o Jack fica limitado á animes que duram muito pouco. Seria o mesmo que não poder falar de dragon ball, ninguém assistiu dragon ball na vida e agora não dá tempo de assistir centenas de episódios…

        • Sushi0

          Infelizmente a gente vai se limitar ao mais curtos mesmo, no máximo uns 50 episódios, como foi com Fullmetal Alchemist Brotherhood. E a ideia do programa é a gente assistir tudo antes de comentar pra poder atualizar a percepção que a gente tinha do anime ou descobrir um anime novo e temos tempo limitado pra assistir em um mês. Outra coisa que a ideia é que os ouvintes também consigam assistir as indicações com a gente e depois discutirmos por aqui.

    • Leandro Rocha

      De lugares falando de mais do mesmo já tem vários. É ótimo poder ver um podcast sobre animes diferenciados (e bons) como Barakamon. Espero que no futuro possam trazer coisas também sobre Sakamichi no Apollon, Gin no Saji e outros animes nesse estilo que são muito divertidos de se assistir.

      • Rambo, Programado para Poetar

        Já tem um de Sakamichi no Apollon.

  • Eu costumo ouvir os JACK só de animes que já vi ou que não tenho muito interesse de ver (infelizmente, na fase atual da minha vida não tá dando tempo de ver nem animes curtinhos como esse).
    Quando o sushi escolheu o Barakamon e disse que era sobre caligrafia, pensei “aff que bosta que deve ser…” (desculpa a sinceridade aí, mas foi mais ou menos o que me passou pela mente).
    E devo dizer, os três acabaram me convencendo a largar esse preconceito besta e ver o anime, vocês falando assim de uma forma tão empolgada, já coloquei ele na minha lista de animes para ver assim que conseguir um tempinho livre 🙂
    PS: se morasse em Sampa, ia aí na Jogabilicasa dar um beijo no Corra. Ele disse que quem assiste Madoka ama ou odeia o anime, eu faço parte do time que ama o/ (e espero sinceramente que vocês gostem também!)

  • HMMMMM ENTÃO O SR MIZANZUK ASSISTIU BARAKAMON MAS NÃO FAZ O ANTICAST DE EVA HMMMMM

    Não creio que há muito de se comentar sobre Barakamon, já que é aqueles animes pra assistir no fim do dia.

    Já sobre uma pequena discussão que vocês fizeram sobre a produção criativa de anime perambular muito entre extremos, isso se deve a contraparte material em si. Quer dizer, é simplesmente IMPOSSÍVEL você explorar certas coisas fora da mídia anime (como é impossível se explorar certas coisas fora de outras tantas mídias).
    Isso é muito visível em obras como Evangelion, FLCL, Kaiba etc que são originais (e falham miseravelmente em adaptações) mas principalmente em coisas como Ping Pong e Monogatari Series, onde, literalmente, não só o anime é completamente diferente da obra original como é muito melhor do ponto de vista de encaixe.

    Para finalizar, fica esse clássico acerca de Madoka: https://www.youtube.com/watch?v=iTjpkaRd888

    Ah, e só lembrando que tanto Kaiba e Ping Pong tem 12 e 11 episódios respectivamente. Deem uma chance aí.

  • Isnard Carvalho

    Qual é o episódio do cemitério? Assisti o anime todo e não lembro nada relacionado a cemitério.

    • Ana

      Ep 8, o mesmo do aniversário da Naru

      • Isnard Carvalho

        Valeu Ana, reassistirei esse ep antes de dormir hoje.

  • Diego Gomes de Oliveira

    Execelnte cast, pessoal. Mas quem chamou esse tal de corraini no final do programa?
    Corraini, te amo de paixão, mas, pela magia do preconceito, o anime que vc indicou parece ser bem doloroso de assistir.

    • Volta aqui e me fala depois.

      • Diego Gomes de Oliveira

        Sem dúvida. Um mês é tempo suficiente para assistir com tranquilidade.

  • Dariecão

    A esperança é a ultima que morre, então vo continuar minha campanha por um Jack de Death Parade
    Se vocês gostaram do encerramento de Barakamon, procurem o de Death Parade, é da mesma banda.

  • Higor Deni

    Uma sugestão para o próximo JACK é Zetsuen no Tempest

  • Ivan

    Sobre o episódio em que a Naru está lendo, ela lê “a”( あ) “ke”( け) “ro” (ロ) (traduzindo: abra). “a” e “ke” estão escritos em hiragana, e o terceiro ideograma que ela lê como “ro” como se fosse katakana na verdade é o kanji para “kuchi”, formando akekuchi (traduzindo: algo como “abrir com a boca”). Como ela ainda é criança, ela provavelmente só sabe ler hiragana e katakana, ainda não tendo aprendido kanjis, por isso ela lê daquela forma.
    No mais, conheci o cast a uns 3 dias por indicação de uma matéria do crunchyroll e estou gostando muito. Parabéns pelo trabalho!!

X