was successfully added to your cart.

Você que procura a iluminação ante as diversas mazelas da existência, que anseia por trilhar caminhos menos tortuosos em busca de uma presença confortável neste plano astral, que suplica por uma migalha de sabedoria no átimo mais importante de uma rotina desregrada… Você veio ao lugar certo.

No Linha Quente, este nosso novo canal de sapiência e muita streetwise (todos tiramos vinte no dado e somos os Lordes das Ruas), responderemos todas as suas questões sobre qualquer assunto.

É sério. Qualquer um.

Neste vigésimo segundo episódio, oferecemos um pouco de nossa extrema erudição sobre assunto que passam pela escolha de um item mágico, tudo que está errado com a educação, a vida em mundos de fantasia e a hora do pijama.

Abunde-se em um lugar confortável e esteja preparado(a) para expandir os horizontes de sua mente!

Tem alguma dúvida insaciável?

Basta clicar aqui e enviar sua pergunta.

Links:

Trilha do Podcast

  • “Tiger Balm” por Bob Bradley/Noel Dennis
  • “Early Summer” por Miami Nights 1984
  • “Last Embrace” por Makeup and Vanity Set
  • “Dust” por M.O.O.N.
  • “Elevator of Love” por Miami Nights 1984
  • “Turing Sequence” por Makeup and Vanity Set
  • “Plus Four” por M.O.O.N.
  • “On the Run” por Miami Nights 1984
  • “Memory Cycle” por Makeup and Vanity Set
  • “Delay” por M.O.O.N.
  • “Sunset Cruise” por Miami Nights 1984
  • “Senses Dynamics” por Makeup and Vanity Set

Blocos do Podcast

  • Pergunta 1 – 2:22
  • Pergunta 2 – 11:54
  • Pergunta 3 – 27:54
  • Pergunta 4 – 34:58
  • Pergunta 5 – 46:59
  • Pergunta 6 – 55:14
  • IcaroBrendel

    Eu já tive uma boa década de sonambulismo maluco, varia de tentar mijar no guarda-roupas, tomar banho de roupa e abrir a geladeira e tentar levar algo para meu vizinho. A mais bizarra foi o dia que eu acordei de pé no meio da rua com o farol de um carro na minha cara, aparentemente eu levantei de madrugada, abri a porta dos fundos, dei a volta na casa toda e fiquei parado no meio da rua ate o carro parar para não me atropelar. Eu demorei quase um ano para contar isso para minha mãe, tentando evitar que ela ficasse maluca com a situação.

    • Mano. QUE MEDO. SE AMARRA NA CAMA PELO AMOR DE ODIN

      • IcaroBrendel

        Tem +/- 7 anos que eu não acordo de madrugada caminhando, então eu acho que o sonambulismo parou, mas não posso garantir para mim mesmo.

    • SmokeE3 .

      puts, maluquice mesmo… meu irmão uma vez tbm acordou umas 3 horas da manhã e foi tomar banho, depois de uns minutos ele acordou e não entendeu pq ele tava tomando banho.

  • Daniel Neves Araujo

    Mano! Algum de vocês tinha que ter assistido a um seriado chamado The League. Tem um personagem que fala sobre um conceito de “vinnegar strokes”, que é justamente a cara que a pessoa faz naquela hora hahahahahaha. E que se você olhar no olho da pessoa nessa hora você encherga a alma dela Hahahahahahahah.

  • Mário César San Felice

    Ironia: No mesmo cast o Rick disse que nunca usou log na vida, mas falou para o Corraine que a caixa seria rápida por ser exponencial. O negócio com matemática é que ela só serve pra algo depois que você a entende. Dizer que um assunto que você só decorou na escola não foi útil para sua vida diz mais sobre a (in)utilidade de decorar, do que sobre o assunto em si.

    • slashrick

      Talvez isso diga mais sobre como esse conhecimento é passado e avaliado no ensino tradicional. Não lembro como resolver log ou até o que ele é direito, mas os problemas que a gente tinha de lógica sempre foram mais interessantes e úteis. Brain teasers vs “resolva”.

    • Redator do Republika Pop

      Falou tudo. O mundo tá cheio de gente que fala sobre algo que não entende.

  • Pingback: Linha Quente #22: Hora do Pijama – Podflix - Jogabilidade - Podcast()

  • SmokeE3 .

    Me formei em 2009 em uma escola pública bem no interior de SC, tinha umas aulas diferentes, como música, dança e xadrez (o que eu não gostava era que nos anos 90 tinha biologia com animais mortos em vidros, mas depois tiveram que eliminar isso). Mas sobre o assunto do que a escola deveria passar e o que deveria ser opcional, acho que isso é um equívoco de vocês. Principalmente em matemática, que é claro que você não usará os cálculos na vida real, mas aquilo é pra desenvolver o raciocínio lógico de todas as outras coisas.
    Na minha experiência de vida, funcionou da seguinte maneira, a escola mostrou dezenas de caminhos que eu poderia tomar: matemática, português etc (mas vc escolhe 1 e o resto é deixado de lado). Então escolhi me graduar em contabilidade, e a graduação abriu dezenas de novos caminhos, escolhi, controladoria, então fui fazer uma pós nessa área, e ainda assim, a pós novamente apresentou vários novos caminhos (profissões) que eu poderia seguir. Mas mesmo que eu não tenha utilizado 90% do que aprendi na escola, 70% do que aprendi na graduação e 60% da pós, tudo foi importante pra eu decidir com esse conhecimento, o que fazer em seguida.

    • slashrick

      O problema é que a escola não te mostra caminhos e deixa você seguir. Ela te obriga a seguir por TODOS os caminhos até você terminar com ela. Sem contar que até o papel de “mostrar os caminhos” o ensino tradicional faz porcamente. Quando você sai da escola você sabe bastante sobre os caminhos das matérias básicas, mas não sabe quase nada sobre como você vai aplicar isso no mundo ou em uma carreira. Para você pode ter sido muito mais “fácil” decidir pq matérias exatas como são ensinadas estão muito próximas de contabilidade. Mas se você tem aptidão para humanas (ou qualquer outra coisa) a escola ta da uma base bem ruim. Se você não procura estudar fora da instituição, você dificilmente vai ter contato com aquilo que vai te levar pro resto da vida.

      • Jonathan Menegalli

        achei que era o jontron na foto do rick

  • Kandongas

    Caixa que duplica, com certeza. Eu compraria metais raros como Ouro, Diamante e outros materiais caros e me tornaria o maior vendedor de desses sem ter uma mina aberta (claro que eu teria algumas, mas só pra disfarce). Vocês já viram aquelas listas de materiais mais caros do mundo? Com a caixa a produção deles teria taxa de lucro quase infinita. Poderia ate ajudar a ciência, já viu o custo de produção de anti-matéria? Imagine se a tonelada custasse 1 dólar? A caixa, um poder para mudar o mundo.

  • Alexandre Cassemiro

    Sobre a parte de educação, me lembrou um pouco esse ted talk :
    https://www.ted.com/talks/ken_robinson_says_schools_kill_creativity

  • Gabriel Augusto

    O trote supracitado é esse aqui: https://www.youtube.com/watch?v=4DtXMhbNz80

    Que por um acaso da vida foi feito pelos caras do Hermes & Renato, um clássico.

  • Hardcore Jorge

    “eu não bebo água” ????????????!!!!!!!!

  • Hardcore Jorge

    controlar as pessoas é mind rape hein, cuidado aí

    • Redator do Republika Pop

      #triggerwarning

  • Kirano

    Gente. Porque quando pensam em algo que manipula “coisas” ninguém pensou em computadores no geral? Com esse controle eu posso gerar renda na minha conta de maneira indetectável, já que o controle faz o que eu quiser. Eu não viro fugitivo e afins. Além de que com ele eu faria compras “de graça” e teria controle sobre a internet. Controlar a internet é controlar o mundo.

    A parte da escola eu concordo que o modelo atual aqui do Brasil é bem defasado. Gosto muito do modelo Japonês, que além de ensinar matemática, português e afins, ensina coisas de casa, tem apoios sociais e toda uma questão de responsabilidade passada. Que foi algo que eu tive no meu ensino médio num colégio técnico particular. A mentalidade de liberdade do colégio foi sensacional. Tipo, eu na oitava série tive problemas com minha professora de português porque certa vez ela veio tentar conversar sobre minhas notas e eu respondi que a aula dela era inútil (talvez não, mas eu odiava (e ainda odeio) gramática com todas as minhas forças) e que como a nota de Português no boletim era uma nota conjunta entre Português (que era só gramática) e “Literatura e Redação”, LR jogava a nota final pra cima e eu ficava na média. Ela tratou isso como falta de respeito e me mandou pra coordenação.

    Uma vez veio um amigo meu de outro estado dormir aqui em casa. Primeira noite, ele dormiu no sofá que eu tenho no meu quarto pra hospedes. Ele foi dormir porque tava cansado da viagem e eu fiquei na minha cama no notebook. Ele levanta e senta na cama rapidamente e começa a “olhar” pra todos os lados desesperadamente (de olho fechado, mas na hora eu não vi) e eu me assustei e achei que ele dormiu e tinha esquecido onde tava e falei “Thiago, você ta na casa do Kirano, lembra?” ele não me respondeu, ficou 5 seg fazendo isso e deitou de novo e dormiu. Eu demorei mais umas 3 horas pra dormir…

  • Lucas Santana

    Sobre o assunto escola, vou esclarecer alguns pontos abordados:

    A maior parte das escolas dos Brasil são o que chamamos de Escolas Tradicionais, onde o professor é o detentor de todo o conhecimento e ele despeja nos alunos esse conhecimento (como se eles fossem um balde de água, literalmente), onde os alunos sentam ordenadamente em suas carteiras e ouvem o que o professor tem a proferir e tal.

    Para mim, como estudante de Pedagogia, o exemplo dado pelo Caio da escola que trabalha com projetos é um dos melhores e que melhor funciona, pois dá ao aluno o dinamismo, a chance de se relacionar com o próximo, a chance de se conhecer e torna o aluno mais auto suficiente, além de torná-lo mais crítico quanto ao que está ao seu redor e o que ele mesmo cria. Nessas escolas geralmente o professor é somente um intermediador, ele está lá para ajudar os alunos, guiá-los durante os projetos, sem nunca tomar a rédea do projeto em si.

    Sobre educação infantil, por mim, o melhor exemplo de escola (talvez no mundo) é a Regio Emilia, onde as crianças, similar à escola do André, aprendem muito mais através da experimentação, então por exemplo, vai preparar a comida? As crianças vão pegar a faca e cortar as frutas, para que assim possam sentir o cheiro da fruta, ver o pózinho que a laranja libera quando cortada, tocar na fruta em si, é incrível S2

    A história de Regio Emilia é interessante pra caramba, é tudo voltado da comunidade para a comunidade, visando a auto suficiência das crianças por conta do histórico da cidade.

    Espero ter esclarecido algumas coisas para vocês com alguns termos mais “técnicos”. Agora vou voltar ao podcast e terminar de ouvi-lo.

    Ah, o Rick falou sobre matemática e física. O que você usa em física são os fundamentos que você entendeu dela, e o mesmo você faz com a matemática. Quando você faz o uso desse fundamento sem fazer cálculo, a base do olhômetro (como atravessar uma rua, todo o cálculo matemático que você faz para calcular a distância de um carro, sua velocidade e se você conseguirá chegar ao outro lado em segurança) você está fazendo uso do seu senso comum, o que é natural.

    A partir do momento que você entende como as coisas acontecem você deixa de usar o senso comum (como no seu exemplo da lata). Então, sim, você usa matemática no seu dia-a-dia a quase todo momento inclusive enquanto digita, calculando o tempo que cada tecla será apertada, você sequer pensa nisso, entende? Espero ter sido claro 🙁

  • leoleonardo85

    Ei, a caixa é facil a melhor escolha, depois dela vem o controle e por ultimo a volta no tempo.

    Volta no tempo é bom se você pode usar livremente.

  • Erick

    Se o relógio que volta no tempo te teleportar com teus pertences atuais, ele é o que gera dinheiro mais sem esforço, sacando R$50.00 da sua conta infinitamente sem o saldo diminuir. É chato, mas alem de serem notas iguais, parece absolutamente legitimo

    • Guilherme Gondin

      É só ir em caixas eletrônicos diferentes, aí as notas seriam diferentes.

  • André Alcântara

    Eu tenho 15 anos de idade e estudei, praticamente, minha vida inteira em escola privada. Este é o meu primeiro ano letivo em uma escola pública, e é tudo muito diferente (segundo ano do ensino médio). Inclusive a qualidade de ensino é um dos pontos altos, onde algumas matérias na escola privada eram superiores em relação ao modo como o professor lecionava, mas na pública alguns métodos se sobressaem. Na minha antiga escola um dos focos era o ENEM, nós fazíamos dois simulados por bimestre, com todas as questões e regras baseada no exame nacional.

    Estou na escola pública para tentar um espaço em uma universidade federal, sem contar que a situação financeira dos meus pais apertou consideravelmente.

    Vou trilhar o mesmo caminho do Caio Corraini, aliás. Escrevo sobre jogos desde 2015, e em janeiro deste ano comecei minhas atividades no Combo Infinito, almejando praticar minha escrita para uma futura graduação em jornalismo em alguma das duas únicas universidades do meu estado – Sergipe.

  • O problema da “caixa duplicadora” que ninguém se deu conta: é fácil juntar muito, mas MUITO dinheiro com ela: em 30 usos você passa de R$1 para R$1 MILHÃO, fácil (a menos que ela não duplique o que já é uma duplicata, aí seria um saco)… o problema é que se fizer isso com dinheiro você vai ter uma cacetda de notas IDÊNTICAS, com o mesmo número de série. Além do potencial de quebrar a economia do país, claro, vocês causariam uma desconfiança monetária por conta da enxurrada de notas “falsas” no mercado que vocês provocariam 😀

    • IagoB028

      Mas também ninguém se deu conta de que esse dinheiro tem o número de série copiado tbm, você só iria poder fazer microtransações…

  • Guilherme Gondin

    Esses tópicos de “física” que o Rick disse que acha úteis são basicamente química :p

  • IagoB028

    Entrando meio tarde na conversa e nem sei se alguem vai ler isso mas tudo bem…
    Eu acho que o papel da escola é da uma base sobre “tudo”, já que você não tem maturidade o suficiente para decidir o que vai fazer pro resto da vida e so estudar o que você realmente vai usar. Desse jeito o seu leque de opções aumenta bastante já que vc está vendo o básico sobre tudo, repito, o que você vê na escola é o BÁSICO. Sobre o metódo de ensino, pode ser que exista metódos melhores para passar o conteúdo, mas convenhamos, o modelo atual não é ótimo, mas também não é péssimo , você pode até não gostar mas provavelmente é algo de errado com você e não com o método ( na maior parte das vezes lógico, não é regra ), se este for o caso você deve ter conhecimento disso, do tipo, vc não estudar uma matéria especifica pq não gosta ( nem tudo na vida são flores, foi mal cara ) ou só estudar em cima da hora H.