DASH #71: E.T., O Pior Jogo de Todos?

2016-08-31T06:43:38+00:00 31 de agosto de 2016|DASH|29 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Em 1982 foi criado um jogo tão ruim que destruiu a carreira de seu criador, faliu a empresa que o publicou, derrubou toda a indústria dos vídeo games e teve que ser enterrado nas profundezas do deserto… Ou será que foi isso mesmo?

Nesse podcast, André Campos, Ricardo Dias, Eduardo Sushi e Caio Corraini armam-se de documentários, relatos da época e fatos históricos para contar a história do lendário E.T. The Extra-Terrestrial, para o Atari 2600.

Como era o ambiente da Atari no início dos anos 80? Como alguém achou uma boa ideia pagar $25 milhões na licença do filme de Steven Spielberg? Quais foram as ambições e a real culpa de Howard Scott Warshaw nisso tudo? E, afinal, será esse realmente o pior jogo de todos os tempos?

Tá No Seu Turno!

Nossa discussão continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes! Os melhores, mais relevantes e/ou mais aleatórios e-mails serão lidos na próxima edição do DASH.

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/dash71_et.mp3″ title=”DASH #71″ share_link=”http://jogabilida.de/2016/08/dash-71/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2015/11/dash57capa_mini.jpg” meta=”E.T., O Pior Jogo de Todos?” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1451394946105{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZnYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzLmpvZ2FiaWxpZGEuZGUlMkYlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYSUyMGZhLW11c2ljJTIwZmEtM3glMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBpbmxpbmUtYmxvY2slM0IlMjBtYXJnaW4lM0ElMjAwJTIwMTBweCUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VJdHVuZXMlM0MlMkZwJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQyUyRmRpdiUzRQ==[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “Helix Nebula”, por Anamanaguchi
  • “Paced Energy”, por Magnus “Souleye” Palsson
  • “Fungal Funk”, por Danny Baranowsky
  • “Mausoleum Mash”, por Danny Baranowsky
  • “Piercing the Sky”, por Magnus “Souleye” Palsson
  • “Saizen no Itte”, de Hikaru no Go

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • 00:00:00: Introdução
  • 00:02:46: A Atari
  • 00:16:11: O Jogo
  • 00:55:24: O Enterro
  • 01:12:19: E-Mails

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • ♥~

  • Henrique Tavares

    Esse título tá tão Anticast haha

    • Felipe Malafaia

      lembrei da hora do B9
      “ET: Estamos sendo justos com ele?”

  • Raul Thales

    E eu aqui esperando um DASH sobre INSIDE ;-;
    Mas, como sempre, ótimo cast. Fiquei interessado nesse documentário mencionado e queria saber se tem mais indicações de documentários sobre games (tirando o Indie Game: The Movie, que eu já assisti).

  • SmokeE3 .

    Para o ano que vem, o nome do Jogabiliday poderia ser Jogabiliday REBIrTH (rebirth, renascimento. REBITE remédio pra matar o sono)

  • Hector Bonilla

    E.T: Estamos sendo justos com ele?

  • Jabez Asafe

    O pior jogo do mundo é proporcional ao hype criado antes de jogar. Quanto maior o hype, maior vai ser a decepção.

  • Dollynho

    Um Dollynho para todos!

  • Henrique Tavares

    Meus DASHes preferidos são os que analisam aspectos em volta dos jogos, mais do que jogos em si. E esse ficou realmente ótimo!

    Eu fico pensando aqui, quando vocês falaram o quanto o cara era talentoso e como o tempo era ridículo de insuficiente, no equivalente pra hoje do que ele tinha conseguido fazer na época.

  • inominavel

    Confesso que …. não me atraiu esse tema… mas vamos ouvir né ? vai que surpreende … porém bem desanimador o tema…

  • Edmilson Rocha

    Fica aqui meu comentário de apreciação por tarem lançando os Dash com periodicidade :3

  • Carlos Eduardo Galvani Nascime

    Excelente Dash! O que eu acho mais louco dessa época é que o Warshaw foi do céu ao inferno literalmente em 6 meses: Yar’s Revenge foi lançado em maio de 82, Raiders of the Lost Ark em novembro e E.T. em dezembro do mesmo ano. A indústria no começo realmente era bem bizarra.

  • Guilherme Barros

    Caras, sério, meus parabéns por conseguirem fazer um Dash excelente sobre ET… SOBRE ET!!

  • Pelo que vocês falaram a Atari daquela época era o mesmo feeling da Rockstar hoje em dia haha.

  • Mikael de Freitas

    Quando eu vi o tema eu realmente temi pelo programa, fiquei com medinho de ser ruim mas cara, vocês são fodas mesmo. Que programa fantástico, gostei muito de conhecer a história por trás do PIOR JOGO DE TODOS OS TEMPOS (ou não) e com certeza vou assistir ao documentário. Um abraço de um grande fã.

  • Artur Antunes

    Olá jogabilideiros.

    Minha história com o ET do atari é um pouco diferente. Eu, na verdade, sempre gostei do jogo. Um vizinho meu tinha o game e me emprestava sempre que eu queria, já que ele achava o jogo uma merda e por esse motivo eu tentava fazer ele me dar o cartucho, mas nunca consegui sucesso. Uma vez, nos primórdios da internet, eu disse que gostava do game e um fórum inteiro me detonou, colocaram em dúvida até a minha sanidade e me acusaram de caçar confusão (eu nem xinguei ninguém, só disse que gostava do jogo). Por esse motivo, muitas vezes eu falava que ET era uma merda, apenas para me enturmar com a galera. Se apenas por gostar do game eu fui escorraçado assim, o cara que desenvolveu o jogo sofreu bastante.
    Apesar de nunca ter lido o manual do jogo, dava para entender que dava para pegar as peças do telefone e levar em um lugar especifico para terminar o game, sendo que o final era um puta diferencial, algo que já me mostrava que o jogo era parecido com os games 16 bits que meus amigos ricos jogavam em casa.
    Mesmo assim, não posso dizer que o ET teve uma culpa reduzida. O jogo vendeu perto de um milhão de cópias em um momento que a indústria precisa de algo para salvá-la e o que o jogo fez foi o último prego no caixão. Claro que o desenvolvedor tem zero culpa nisso, mas a publicidade que o jogo teve na TV baseado em um filme de sucesso, com um lançamento no natal, fazendo milhares de crianças ficarem com um jogo que eles consideravam ruim em mãos, contribuiu para caramba para detonar a credibilidade da industria. Por isso eu acho que foi mais do que uma unha encravada, foi aquele resfriado que aquele velho já muito doente pegou, mas não podemos negar que esse jogo é o reflexo de uma industria que não sabia lidar com o crescimento dela. Eu vejo o crash como o fim de um relacionamento, daqueles que você faz um monte de merda e aceita outras coisas ainda piores, detonando tudo. Depois que acaba, você começa a avaliar onde errou e tentar ser alguém mais preparado para adversidades.

  • Joshua Lopes

    Mais um excelente dash! Eu confesso que, depois que ouvi a decepção do André com os emails do dash sobre A Link to the Past, me comprometi a sempre comentar aqui. Gosto demais quando vocês trazem conteúdo sobre a história dos jogos e foi exatamente isso que me atraiu ao podcast e ao canal do youtube do jogabilidade. Após ouvir o dash, fui logo ver o documentário Atari Game Over e gostei demais! Parabéns pela coragem de trazer um conteúdo rico e aprofundado. Grande Abraço!

  • VictorHK1

    E aí pessoal. Só vim pra comentar que seria bem legal ter um Dash sobre ICO e Shadow of the Colossus pra comemorar o lançamento milagroso de The Last Guardian. Fica a dica.

  • Lucas Santana

    Quantos campos de futebol dão esses 8 hectares?

  • Superkei

    Marquem minhas palavras: quando acontecer o segundo crash dos videogames a Atari irá ressurgir com o “Atari onça” e o jogo que salvará a industria será o remake do E.T

  • Lembro quando anunciaram esse documentário, foi meio que na mesma época que o AVGN tava gravando o filme dele, que tratava do mesmo tema.
    Lembro até de ter gravado algum podcast pra algum site na época sobre isso e quando falamos sobre o documentário (que na época, acreditávamos que não daria em nada) falamos que não sabíamos se iriam encontrar algo nele, mas no filme do AVGN com certeza iriam. Como não vi o filme dele até hoje (mesmo tendo financiado o mesmo), não sei se acharam la.

    Enfim, realmente é uma pena o que aconteceu com o Howard no meio disso. O cara fez milagre no tempo que tinha para fazer o jogo e tomou a culpa de uma industria que já vinha cometendo erros a anos.

  • João Dobbin

    Ótimo cast, mas podia rolar aquele de Metroid ein?

  • Rafael Junio

    #savethedate ^^

  • André Oliveira Rielo

    Caralho que cast foda! Até qnd o jogo é ruim (ou não), vcs transformam isso em algo gostoso e construtivo de ouvir. Parabens galera!!

  • Outrem

    Só queria registrar aqui que sim, o pessoal já teve essa conversa de esquecer de assuntos passados e sim, o Sushi já falou que termina de gravar o podcast ele imediatamente esquece tudo.

  • Almighty

    Comentário atrasado, mas… antes tarde Duke Nukem.
    Eu já tentei jogar ET no emulador há alguns anos, mas desisti em menos de 2 minutos justamente por não entender nada do que estava acontecendo. Pela descrição de vocês, o jogo possui uma complexidade assustadora para a época e me fez querer tentar jogar mais uma vez (provavelmente vou me arrepender). No mais, assistirei o documentário para complementar o cast.
    Abraço!

  • Fabiano Novaes Ferreira

    Cara, joguei ET na época no atari e NUNCA soube que era um cubo hehehehehehe.

    obviamente nunca entendi o que fazer (na época com uns 10 anos não entendia mesmo)

  • Henrique Tavares

    Faz tempo desde o último DASH, não? 🙁

X