was successfully added to your cart.

Sejam bem vindos à mais uma temporada do JACK, este clube do mais alto garbo e elegância que chega mensalmente em seus ouvidos para discutir animes e mangás!

Nesse primeiro encontro da temporada, Superintendente Rick, Barão SushiRaugrave André recebem e apresentam a convidada da vez: direto das terras do YouTube, a Brigadeiro Míriam Castro! Juntos, eles viajarão pelas  memórias do passado, superarão traumas, se reunirão com amigos queridos e aquecerão o coração com Ano Hana (Ano Hi Mita Hana no Namae o Bokutachi wa Mada Shiranai).

O anime da vez, cujo título pode ser traduzido para algo como “ainda não sabemos o nome da flor que vimos aquele dia”, conta a história de um grupo de seis amigos que se distanciaram após a morte de um deles, explorando como o trauma os afetou de formas diferentes e tudo aquilo que tiveram que reprimir para continuar (ou não) a vida.

Ao final do debate, um dos outros membros será sorteado e escolherá o tema da próxima reunião. Mas caso já queira saber de antemão, clique aqui.

O que achaste?

A sessão do clube continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes!

Links:

Trilha do Podcast

  • “Moonlight Blues”, por Bruce Maginnis
  • “Secret Base”, por Studio Tram

Blocos do Podcast

  • Jintan~!: 0:00:00
  • Lucas Souza

    Ainda estou ouvindo, mas uma coisinha que me incomodou um pouco, o tempo que passou desde a morte da Menma no anime pro começo do enredo é de 10, e não 5 anos.

    • André Campos

      São 5 anos mesmo, apesar de não dizer diretamente no anime, na light novel é dito. Sem falar que durante o anime eles tem por volta de 15 a 16 anos (primeiro ano do ensino médio), pra ter passado 10 anos eles tinham que ter por volta de 5 anos durante os flashbacks, o que não faria muito sentido.

  • arthur xicara

    Bible Black, excelente. Muahuahuhuaa

  • Gnome Zaki

    Acho interessante demais ser do mesmo estúdio que fez o Your Lie on April (Shigatsu wa Kimi no Uso), Erased (Boku dake ga Inai Machi), Silver Spoon e Shelter. No entando também fizeram uns shounen genérico de sempre tipo Seven Deadly Sins, Fairy Tail e Sword Art Online.

  • Dragonic

    quero só ver se algum dia alguem vai indicar Boku dake gai Inai Machi ou ReLIFE

    • Pedro Zeferino

      I want to believe.

  • eduardopato

    Muito bom o programa e curti bastante do Ano Hana, vou tentar rever com a namorada qq dia desse. Sobre o próximo anime: Tive o mesmo problema que o Sushi, mas não forcei pra ir pra segunda temporada. Vou tentar criar coragem pra poder ouvir também 🙂

  • Gabriel Azmodam

    Quer anime triste? Assiste Bokurano, a parada mais Bad Vibe do universo, tu fica na merda depois de assistir ele.
    Tipo, na escala da depressão, Ano Hana é 5/10 Bokurano é 10/10.
    (E ainda tem a morte mais retardada do do universo, segue vídeo: https://youtu.be/HHY2K9IMyLQ?t=20m35s)

  • Mário César San Felice

    Alguém mais pegou a referência/crítica da mikannn a “no game no life”? Quando ela fala de animes com protagonistas hikikomori que não caracterizam bem esses personagens.

    • Arthur Ruiz

      Tem alguns desses animes então talvez nem tenha sido direcionado, eu pensei em Re:Zero pq ela disse no twitter que não gostou e essa crítica pode até ser usada um pouco.

      • samuel losan

        Respeito a opinião de quem não gosta do re-zero , mas realmente não consigo entender como alguém acha aquilo ruim, a história é bem feita , os personagens são bem feitos, o protagonista faz cagada como qualquer pessoa, para mim o car ser hikokomori nem é tão importante para a história do anime apesar de em umap arte ele mostrar arrependimento por não ter feito nada de útil na vida.Esse foi um dos melhores animes que assisti.

  • VictorHK1

    Próximo episódio cara. :3333

  • Pedro Guilherme

    Essa edição do Jack foi maravilhosa, certamente uma das melhores. Uma pena que o Corra não esteja participando dessa rodada, a opinião dele faz falta, embora do André e da Mikan sejam muito bem-vindas e apreciadas também.

    Vocês fizeram eu reavaliar um pouco minha opinião de AnoHana, não que ela fosse negativa, mas acredito que eu não dei tanto valor na época que eu assisti, por que eu vi no momento errado e enquanto ouvia eu pude perceber que eu apreciaria AnoHana muito mais agora (o que farei, aliás).

    No mais, dessa vez não tenho muito a acrescentar, mas acho que é bem comum o pessoal taxar os animes de “triste”, por que de maneira geral eles são emocionantes, mas isso não quer dizer que eles sejam simplesmente um trem da bad. Isso acontece com AnoHana, assim como acontece com Clannad e muitos outros animes. É bom ter um filtro para esse tipo de comentário sempre por que ele acaba criando expectativas muito erradas.

  • Sobre o Space Dandy que comentaram no final…
    Cowboy Bebop “é” do Watanabe, mas não apenas dele. CowBe é um dos animes do Sunrise “criados” pelo Hajime Yatate, que é um pseudônimo usado internamente pelo estúdio. O Watanabe (com a Keiko Nobumoto na história) é o responsável por dar coesão a série, mas em geral é um esforço coletivo de um montão de pessoas.
    Space Dandy é parecido, só que com ainda menos participação do Watanabe. É uma daquelas séries onde a pessoa com contatos na indústria convida e dá oportunidade para seus amiguinhos se divertirem fazendo o que quiserem dentro do universo da série. É bom ficar atento a isso e recomendável pesquisar um pouco quem de fato fez o quê nos episódios que o pessoal do cast gostou.

    Sobre o episódio do cast não tenho o que dizer, vocês conseguem dizer tudo sobre um anime, é um trabalho muito bem feito, não há mais o que dizer IMO.

    Apenas aproveitando, não espero que um dia irão falar sobre essa série mas de todo modo fica aqui registrado porque alguns podem se interessar. Recomendo uma série chamada Juuni Kokuki (Twelve Kingdons). É fantasia e Isekai, no entanto não esperem algo bobinho, essa série tem talvez o melhor mundo de fantasia que já se viu, muito convincente. É uma série de livros da escritora de Shiki e Ghost Hunt que também tiveram animes. Apenas alguns livros foram adaptados na série mas isso não importa tanto porque os que foram animados compõem belos arcos e são suficientes para deixar satisfeito.
    Disse que é Isekai, então começa com uma garota sendo levada para o o mundo dos Doze Reinos. Ela foi escolhida para ser rainha de um dos reinos e o que leva a história é o detalhismo desse mundo. A cultura, política e sociedade importam muito e tudo gira em torno disso. É difícil de explicar, talvez eu poderia dizer que todos os conflitos da série veem dos dilemas e dificuldades que um governante enfrenta para fazer seu reino e seus súditos prosperarem. São 45 episódios.

  • Victor Hugo

    Finalmente irão falar de Steins; Gate, deus é testemunha como eu pedi por isso

  • Gabriel Bittencourt

    Nossa senhora, vi o primeiro episódio de Space Dandy e tive vontade de morrer. Só vou insistir mais um pouco por causa do podcast, senão… Que nojo desses fanservices escrotos.

  • Dariecão

    Ainda no aguardo e na esperança de um jack de Death Parade.

  • Beson Quadros

    Fiquei um pouco deprimido depois desse Jack. ¬¬
    Mas tudo bem ~~~~~~~~~~~~ 🙂

    • rodrigo cordeiro

      EU TB ,MAS CULPO O PRÓPRIO ANIME , JACK SO FEZ AGENTE REFLETIR,DAAI DA QUELE DEPRE

  • Franco Frassanito Wolff

    Só de ouvir vocês falando no anime já me dá aquele aperto no peito.

  • Franco Frassanito Wolff

    Quero ver quando vão fazer sobre Tokyo Magnitude 8.0 e chorar até doer.