was successfully added to your cart.

Quando há um mar de caixas com guloseimas e doces por todos lados está mais do que na hora de fugir das caixas!

E nessa última fuga, André, Rick, Sushi e Corraini nos contam do que fizeram na última quinzena: um churrasco de tiozão, a constante luta para se manter organizado, o filme Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures) e In The Passing Light of Day, o novo álbum da banda Pain of Salvation!

Tem algum feedback, sugestões de filmes, músicas, séries, apresentações de balé ou qualquer outra coisa? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de.

Links:

Escutar

Adicionar à Playlist Baixar

Trilha do Podcast

  • “First Crush”, por Saberpulse
  • “On a Tuesday”, por Pain of Salvation
  • “Full Throttle Tribe”, por Pain of Salvation
  • “Silent Gold”, por Pain of Salvation
  • “The Taming of The Beast”,por Pain of Salvation
  • “The Passing Light of Day”, por Pain of Salvation

Blocos do Podcast

  • Aleatoriedades com açuca: 00:00:00
  • Rick Tiozão: 00:16:19
  • Organização e Evernote: 00:26:13
  • Estrelas Além do Tempo: 00:47:32
  • Pain of Salvation: 01:03:12
  • Calli

    Cara, os podcasts de vocês são mto bons e engraçados de mtas formas kkkkkkkkkkk
    Parabéns pelo ótimo trabalho!!!!

  • Diogo Freire

    André, você se refere ao Anthony Fantano/ Needledrop, quando fala das reviews?

    • André Campos

      ESSE MOÇO AÍ

      • Diogo Freire

        ahhh 😀 sinto algo parecido com algumas criticas dele, mas adoro assistir os videos que ele faz sobre albuns que conheço.

        • André Campos

          Exato, quando conheço o álbum eu costumo curtir!

  • Excelente!

  • Ícaro Melo

    Meu deus, como eu amo as opiniões do Rick hahahaheauhe <3

    • slashrick

      Aeww pelo menos um!!!! <3

  • Kalel Mota

    Evernote, usei bastante, ótima ferramenta para GTD.

  • Henrique Tavares

    O Passing Light eu tava bem receoso de ouvir inteiro, depois de Meaningless e Reasons. Uma semana depois de sair o álbum completo que resolvi dar uma ouvida só pra dizer que ouvi. E curti! Depois da primeira ouvida já tinha umas duas que eu queria ouvir uma segunda vez, aí foi assim até que percebi que passei uma noite inteira muito agradável ouvindo e conversando sobre ele. É um álbum bem agradável de se ouvir, mas tem algumas coisas forçadas, como, por exemplo, a baby voice do Ragnar na primeira música as quebras de tempo que parecem tão fora de lugar, que tenho minhas suspeitas de que alguém mandou ele colocar ali, pra justificar o “vamos voltar às raízes” – não funcionou terem tentado vender isso, pra mim. No geral, não me impressionou nada tecnicamente, achei um álbum com um instrumental bem qualquer coisa e o vocal do Daniel tá bastante na zoninha de conforto dele, mas me pegou pelas linhas melódicas gerais das músicas e pelas emoções muito sinceras e honestas.

    Ah, 12:5 >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> Falling Home

    • Sushi0

      Eu vi alguns lugares falando que era uma volta as raízes, mas não achei não hahaha
      Também não curto a voz do Ragnar e ele parece estar influenciando o Daniel mais do que eu gostaria também
      Eu curti o álbum no fim das contas, mas não está nem perto dos melhores e não só além do Daniel estar na zona de conforto com a voz, o álbum todo parece bem safe; O que destaca mesmo são as emoções como você comentou e elas valem fazer a pena ouvir ele algumas vezes

      Cara, eu tenho o 12:5 da época que ainda comprava CDs e te falar que nunca curti tanto ele, sempre preferi ouvi as versões originais à versões das músicas de lá, já o Falling Home mudou elas o suficiente pra me fazer ouvir elas quase como outras músicas e não só uma versão acústica.

      • Queisso, SuShi. Eu acho o 12:5 um dos melhores registros ao vivo que já ouvi. Esse disco mostra a capacidade que eles têm de reinventar as próprias canções.

  • Kalel Mota

    Corraini, eu sei que é off topic, mas é pq acabei de ouvir o Fora da Caixa #36 e fiquei bastante interessado em wrestling, então aqui vai: Como faz para acompanhar aqui no Brasil? Sabe se algum canal transmite? Indica algum site para entender melhor sobre o assunto?
    Obrigado.

    • Fala Kalel,

      Então, se não me engano, a Fox Sports 2 transmite bastante coisa da WWE, então dá pra procurar por lá se tu tiver ela em casa.

      Caso contrário, sempre tem os “links duvidosos” ou assinar direto a WWE Network, que é tipo a netflix dos caras com conteúdo pra caceta.

      Sobre wrestling per se, pra entender melhor, eu acho que um dos caminhos que tu pode tomar é assistir documentários da própria WWE.

      O do Stone Cold Steve Austin é muito bom, o do fim da WCW também é ótimo, o do Edge é outro que gosto muito. Porque vendo conteúdos profundos assim, tu entende mais sobre o business e também dos humanos que estão por trás do bagulho.

      Esses tu consegue baixar em qualquer pirate bay da vida.

  • Levi Fernandes

    Falaram pra não colocar ferro na comida, mas antigamente recomendavam que colocassem ferro dentro do feijão (tipo um tempero) porque enquanto ele cozinha passa ferro pra comida……poisé

    • Sushi0

      Ferro realmente não faz mal (talvez é excesso, como tudo), acredito que o corraini teve um brain fart e em vez de falar pra não colocar alumínio, que realmente é tóxico e faz muito mal, e que é o que a lata iria soltar no leite condensado haha

      • Levi Fernandes

        Ai realmente não tem como defender hehehehe

  • Alex Amaro

    Gostei da parte sobre organização, pena que quando tentei usar o Evernote eu fiquei um pouco perdido e.e

  • Leandro

    A minha vida é comer coisas doces pra tomar água depois, chegou ao ponto de não conseguir comer doce sem água.
    A primeira transição (Musica: Full Throttle Tribe) é muito boa o.o

  • Luiz Guilherme Silva

    Excelente Fora da Caixa, quem faz um ótimo trabalho de Review de música aqui no Brasil é o Matheus, editor do Overloadr ao fim do Bilheteria na “Vitrolinha do Teteu”. Um dia chamem ele pro FdC!

  • Mateus Patussi

    Rick, três dicas pra churrasco, vindo de um gaúcho:
    1- Salga a carne e IMEDIATAMENTE coloca ela no fogo. O sal tira a água da carne e o primeiro contato com o fogo é o que sela a carne pra manter a água dentro, então quanto menor o intervalo entre sal e fogo melhor.
    2- Não tira a gordura da carne antes de botar no fogo. Gordura é sabor e deixa a carne mais sulculenta. Tira na hora de comer.
    3- Dá umas porradas na carne antes de tirar ela do fogo pra tirar o excesso de sal que fica fora. Usar um sal mais grosso facilita.
    Aguardo um jogabiliencontro edição cacetinho pra comer um churrasco gaúcho com vocês.

  • Bruno Araujo

    Valeu Corraini! Há muito tempo eu uso o combo Keep + Trello, e nunca foi problema, mas agora estou gerenciando um projeto gigantão e estava ficando perdido, tô gostando do Evernote mesmo, ele é tipo o Trello só que é bem o que você falou, tem um lance mais de overview sobre as coisas e a possibilidade de formatar o texto e juntar listas com texto link etc é bem bacana.

    Conclusão, continuarei usando o keep para notas rápidas como já faço, sem me preocupar com a bagunça que pode ficar. O Trello é muito legal, mas para um projeto grande fica confuso. E sobre os favoritos e tal, existe o Pocket que é lindo pra guardar texto pra ler depois, ou só pra guardar mesmo.

    Obs.: Se algum dia alguém falar para você que usar o Basecamp é uma boa ideia, negue veemente e fuga! Não sei se mudaram o esquema, mas ele tem a pior UX do universo.

  • zeromil

    Cadê o template do Evernote, Corraine? T_T

    Compartilhe, plis!

  • Ótimo episódio pessoal! Sobre a parte da música e do Anthony Fantano/Needle Drop: Como um fã desmiolado de música – e dele – que sou, acredito que as razões que as pessoas assistem as reviews dele – assim como reviews de música em geral – é a) pela parte de “validar o minha opinião” que a gente tem quando vê reviews de quaisquer obras, seja filmes, jogos e etc.; E b) para descobrir nova música, porque tipo, sai MUITA música nova todos os dias (pra ter uma ideia, só nessa sexta (17) saíram oito álbuns grandes separados em diversos estilos, agora adiciona os lançamentos indies e você tem dezenas de álbuns saindo quase toda semana), então se você gosta de mais de um gênero musical e procura por música nova, chances são que você vai ficar atolado e procurando tempo para escutar. Ah, e outra coisa que gosto muito do Fantano é que as recomendações dele sempre me acertam, então eu to sempre o acompanhando pra procurar potenciais artistas novos para seguir :D.

  • THESE ARE DORITOS
    THESE ARE DORITOS
    THESE ARE DORITOS
    DO-RI-TOS

  • Cadu

    HAHA esse humor exagerado do rick. eu queria que um dia aparecesse um capetão daqueles bem chifrudos e falasse tipo: e ae, fdp, bora trocar essa saúde por uma barriga tanquinho então?

  • Renan

    Muito legal o episódio!
    Como não é a primeira vez que o André fala sobre espadas medievais e o quão afiadas elas seriam, sugiro um ótimo vídeo do Skallagrim sobre o assunto.
    Claro que existem situações e situações, lutadores e exércitos mais e menos profissionais, mas espadas são feitas para cortar! E bem, de preferencia! haha
    https://www.youtube.com/watch?v=nKrUCjkPzFo

  • WandersonSantana

    Adoro as reviews de álbum do sushi. Tem um algum que eu adoraria ver as impressões dele.

  • Gabriel Macena

    Ouvindo o André falar sobre Hidden Figures só me fez pensar como talvez ele vá gostar de Hacksaw Ridge, outro concorrente ao oscar desse ano que eu assisti e tive esse sentimento de aprender algo novo sobre pessoas que eu não fazia ideia que existiram. Se tiver interesse recomendo tu dar uma chance.

  • Demorei pra perceber que o que estava tocando era Pain of Salvation. Muito diferente. Não sei se gostei muito…
    Vou ouvir este disco novo.

  • Machisto opressor 2.0

    Quanto a reviews musicais > eu acho que você analisar e falar sobre musica depende muito da sua experiência pessoal com a banda em si, quando você escuta uma banda ou um grupo diferente a unica coisa que você quer sentir é alguma coisa diferente ao escutar aquele som, porém quando você já está sei lá, no terceiro ou quarto album, você quer ver uma evolução dos temas que ela abordava anteriormente, e também uma evolução tecnica e estética, dai vem as criticas tão distintas umas das outras.

    Eu tive muito isso com o cores e valores do racionais, depois de 12 anos após o lançamento do ‘Nada Como Um Dia Como Um Outro Dia’, que pra mim é o melhor album brasileiro da história, eu esperava sei lá algo inovador no album subsequente, e não veio, veio am album de trap, que é excelente na sua sonoridade, mas que não nada daquilo o que o racionais entregou nos seus 3 albums anteriores, dai não teve outra, eu pistolei escutando o disco, sonoramente ele era bem legal, com um point line pesadissimo, mas a temática era vazia, o flow do Edi rock e do Brown estava estranho, não era o racionais que eu roubava os cds do meu irmão pra escutar aquela rima pesadissima, então eu odiei e quis que as outras pessoas odiassem, mas pro meu espanto tinham outras dezenas pessoas que acharam o cd maravilhoso, acharam que o racionais inovaram com esse album, então eu percebi que não necessariamente o cd era ruim, mas a minha experiência com o cd foi ruim, por toda a minha trajetória com o grupo.