JACK #24: The Tatami Galaxy

2017-03-31T12:55:26+00:00 31 de março de 2017|JACK|19 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Sejam bem vindos à mais um encontro do grupo de mais garbo e elegância do mundo da discussão da arte da animação japonesa!

Neste agrupamento, a equipe de degustadores profissionais composta pelo Superintendente Rick, o Barão Sushi, o Raugrave André e a convidada Brigadeiro Míriam Castro  discutem em toda as minúcias as loucuras e excentricidades de The Tatami Galaxy (Yojohan Shinwa Taikei).

O anime explora as diversas constantes e variáveis nas infinitas permutações de possibilidades que, na busca de uma vida acadêmica cor-de-rosa, nosso protagonista sem nome é capaz de ter baseado em seus sempre mal direcionados esforços. Pena que todas elas pareçam levar ao mesmo lugar… Ou será que não?

Lembrando que o próximo episódio dará fim à essa temporada e sera sobre Steins;Gate, obra que foi combinada no início dessa temporada. Até lá!

O que achaste?

A sessão do clube continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes!

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/jack_ep24.mp3″ title=”JACK #24:” share_link=”http://jogabilida.de/2017/03/jack-24/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2015/11/jack_p.jpg” meta=”The Tatami Galaxy” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1449180476769{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZuYW9nYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzMi5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1tdXNpYyUyMGZhLTN4JTIyJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwaW5saW5lLWJsb2NrJTNCJTIwbWFyZ2luJTNBJTIwMCUyMDEwcHglM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUzRSUzQyUyRmklM0UlMjAlM0NwJTNFSXR1bmVzJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0U=[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “Moonlight Blues”, por Bruce Maginnis
  • “Kami-sama no Iu Tori”, de Tatami Galaxy

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • SocorroAlguémMeAjudaEleTáFalandoMuitoRápidoeNãoToEntendendoNada: 0:00:00

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Cadu

    jogabilidade tomou muito suco de yakult e mandou 3 podcasts em 2 dias. qque tá acontecendo.

  • Gabriel Azmodam

    – Lembra do ultimo JACK, vó?
    – Já fazem 84 anos…

  • JACK! Yeey! <3

    Aguardei bastante por esse episódio porque assim que fora recomendado na última edição, eu escolhi assistir enquanto estava atolado de alguns trabalhos para realizar, análises para escrever, estudos e trabalho pessoal nesse lugar que chamamos de vida real – é um lugar muito vasto, maior que muitos mapas já feitos na série Souls, é uma coisa de louco! Level Design de São Paulo é coisa de louco.

    Eu gostei bastante do que eu vi, mas eu não vou mentir e desmentir as opiniões do Sushi e de alguns membros dessa edição de que ele tem um começo um pouco conturbado que talvez necessitasse de uma melhora na sua escrita e em como apresenta-la de uma maneira mais palatável para o público, pois até mesmo fluentes na sua língua terão uma certa dificuldade de absorver tamanhas informações que são jogadas na tela e em menos de alguns minutos em seu PRIMEIRO EPISÓDIO. Mas conforme ia me acostumando com o clima do anime, acabou se tornando um dos meus preferidos sem sombra de dúvidas. Algumas pessoas reclamam comigo pois eu sou exatamente essa pessoa que os meninos debateram no fim do podcast, eu sou daqueles onde o meu TOP 10 de Melhores Animes que eu já assisti são compostos em sua maioria por animes "cabeça" ou animes que possuem algo a mais para dizer além de cenas engraçadas e uma comédia exacerbada sobre clichês e estereótipos de anime. Mas eu não julgo quem assisti esses animes, pois uma coisa que eu sempre repito para as pessoas é que eu me tornei esse tipo de pessoa, porque assim como o Sushi, eu já estou cansado de ver sempre a mesma coisa nos animes. Eu estou buscando coisas diferentes, coisas novas que tenham histórias novas a me contar dentro desse âmbito de animes. Não é atoa que eu sempre confio nos trabalhos do Makoto Shinkai ou do Gen Urobuchi, pois são diretores e roteiristas que eu sei que vão me entregar experiências novas mesmo quando eles se inserem em gêneros já saturados pelo anime, quando nos encontramos com gêneros nos quais nós já sabemos o que esperar deles.

    E repetindo: Quem gosta do "maça véio" ou o "genéricão", ele não é pior ou melhor do que eu. Ele gosta de assistir esses animes, eu gosto de outros e todos nós damos as mãos e curtimos nossos "Narutos da vida". <3

    Boa edição, meninos. Foi tão bom ouvir essas edições com a participação da Mika, gosto bastante da dinâmica dela com vocês e, como sempre, eu gosto ainda mais do formato do Jack e como vocês opinam sobre animes nos programas. "EU GOSTEI por isso…" / "EU NÃO GOSTEI por isso", muito pelo contrário de coisas como "É RUIM POR ISSO…" / "É BOM POR ISSO…" não são pessoas querendo dar verdades absolutas, são pessoas com opiniões pessoais e debates de ideologias sobre os motivos que levaram vocês a gostarem ou não de determinada obra. E isso me deixa TÃO FELIZ, TÃO FELIZ. Eu adoraria que nos comentários da OtakuPT as pessoas fossem carinhosas e opinassem DESSA MANEIRA. Obrigado por existirem, mais uma vez (Já deve ser um saco eu repetir isso).

    Obrigado por mais um Jack e que venha Steins;Gate!

    Eu vou ter bastante coisa para falar sobre a edição e aguardo ANSIOSAMENTE opiniões contrárias a minha, pessoa essa que ama Steins;Gate incondicionalmente e o colocou em TOP 3 de Melhores Animes já assistidos.

    Até daqui um mês ou menos. <3

  • Leandro

    Quando o André fala que talvez deveria ter indicado Ping Pong e o Sushi diz que não quer mais ver o anime https://uploads.disquscdn.com/images/1e71b1bbd299e94624e1d98cd43b9b3155d646f3494b2a053f0365735d16063b.jpg

  • Gabriel Azmodam

    Imagina como seria irado se alguém indicasse Psycho-Pass pro JACK? Nossa eu tenho sonhos molhados com saporra.

    • Sonho por um JACK sobre Psycho Pass e um dedicado ao Gen Urobuchi.

  • Calyane Collet

    Parabéns pelo programa pessoal, vocês tem os melhores podcasts de todos <3
    Quando ouvi que o próximo ia ser Tatami Galaxy, aproveitei pra assistir também porque fazia MUITO tempo que eu queria ver! E realmente, talvez por ser fã de anime há muito tempo e falar japonês (não fluente), esse estilo denso dele não me incomodou! Fora no primeiro episódio pq né não tem como. Mas tenho que admitir que ele realmente não tinha como agradar todo mundo!
    Ah, e por mais nada a ver que pareça, achei a cara do Sushi ele gostar da Etsuko Yakushimaru (ending).
    Foi um dos finais de anime mais legais que eu vi nos últimos tempos, me tocou de um jeito engraçado porque mesmo não sendo tão complexo ou profundo, foi uma conexão tão… relaxante? O final do anime elevou muito ele pra mim pessoalmente. Adorei <3 Time Akashi-san melhor personagem <3
    E finalmente steins hein! Estou curiosa pra ver como vão ser as opiniões 8D Já prevejo haters da Mayushii 8D

  • Pedro Marinelli

    Passando só pra dizer:
    1. Não fica assim Andre, adoro o Jack por ser um dos poucos conteúdos que fala de animes diferentes e, mesmo com spoilers, me apresenta coisas que eu talvez não consuma mas adoro conhecer e entender. ^^”
    2. Já to com saudade da Mika u.u

    PS: Ótimo episódio! =D

    • Arle Janso Kurogane

      Mika é um amor.

  • Lucas Jourihara

    Ouvindo esse episodio me fez ficar mega curioso pra saber como seriam as opniões e reações de vocês sobre a serie monogatari, outra adaptação de uma novel bem heavy text. um dia quando eu for convidado do jack (hue) vou fazer vocês verem ele.

    • Onire de Morais

      Seria loco um jack de nisemono :v

    • Pedro Zeferino

      Isso também é algo que atiça bastante a minha curiosidade.

      Principalmente por conta de que Bakemonogatari há bastante – coloca bastante nisto – texto, e as transições de cenários são bem “minimizadas”. As adaptações são excelentes, justamente porque conseguem transmitir um sentimento semelhante ao da novel para a animação em si; claro que isto inclui as toneladas de diálogos, monólogos, e com uma pitada de um produto que, embora esteja presente na novel, ganha mais ênfase na animação: o fanservice.

  • Dariecão

    Na espera eterna de um Jack de JoJo

    • Arle Janso Kurogane

      Agora que o Rick saiu dificulta ainda mais.

  • Lincom Ramos

    O anime lembra de leve Sayonara Zetsubou Sensei? Agora vocês tem minha atenção!

    E o que foi aquela discussão sobre ‘pudim vs bolo de fubá’? É pra isso que eu pago a internet!

    • Sushi0

      Mas só visualmente! haha
      (mas acho que você pode gostar sim)

  • Arle Janso Kurogane

    Descobri esse anime por causa do Ajikan (Asian Kung Fu Generation), além deles tocarem a abertura o artista que faz as artes dos seus álbuns é o character design do anime e esse mês eles lançaram mais um filme em parceria, intitulado “Yoru wa Mijikashi Arukeyo Otome”.
    https://myanimelist.net/anime/34537/Yoru_wa_Mijikashi_Arukeyo_Otome

  • Cristiano Rafael

    E o Jack de Tengen Toppa Gurren Lagann, cadê?
    Esse, inclusive, deveria ter a participação do Mizanzuk.

  • Jefferson Silva

    Wow, assisti depois de ouvir o episódio então já fui meio preparado para o que prestar atenção, mas realmente, quanta informação em pouco tempo. No final adorei o anime e me identifiquei mais do que queria com o personagem. O que a mika disse é verdade, conforme o tempo vai passando você vai gostando de todos os personagens, até daquele yokai safado. A arte, nossa, a arte, eu adoro coisas que desafiam os sentidos estéticos padrão, uma das coisas que me afastou bastante dos animes e mangas durante anos foi a estética muito parecida sempre, mas estou feliz de ter entrado nesse mundo, primeiro por peqsquisa, estou cursando cinema de animação na ufpel e preciso de bagagem crítica, e segundo por conseguir descobrir tanta coisa diferente. Obrigado pelo Jeck povo, cês são òh, uns amores.

    PS: Os episódios finais funcionariam como um curta em si.

X