Vértice #95: Tretabilidade

2017-03-23T14:50:29+00:00 23 de março de 2017|Vértice|119 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Prepare-se para o Vértice mais treta de todos!

André, Corraini e Sushi se reuniram nessa quinzena para discutirem um cadinho sobre joguinhos como o intrigante Stories Untold, o criativo e carismático Snipperclips e o jogo mais polêmico da nova galáxia, Mass Effect: Andromeda.

Daí, para relaxar, discutem as cruzadas internéticas em nome do jogo, a saída do Colin Moriarty do Kinda Funny, sobre as tretas que rolaram na IGN Brasil, o recall da versão física do NieR: Automata no Brasil e, para fechar, todo mundo cai no ciclo do Sonic enquanto falam do Sonic Mania e Sonic Forces.

Tem alguma dúvida, questionamento ou tópico de discussão sobre games, a vida, o universo e métodos de ganhar dinheiro? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de.

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/vertice_ep95v2.mp3″ title=”Vértice #95:” share_link=”http://jogabilida.de/2017/03/vertice-95/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2015/11/photo_2015-11-12_15-56-43.jpg” meta=”Tretabilidade” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870167039{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZnYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzMi5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1tdXNpYyUyMGZhLTN4JTIyJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwaW5saW5lLWJsb2NrJTNCJTIwbWFyZ2luJTNBJTIwMCUyMDEwcHglM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUzRSUzQyUyRmklM0UlMjAlM0NwJTNFSXR1bmVzJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0U=[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “Late Nite Funk Squad”, por David Tobin, Jeff Meegan e Malcolm Edmonstone
  • “Everybody Dies”, de Ayreon

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • Stories Untold: 00:04:08
  • Snipperclips e Nintendo Switch: 00:20:57
  • Mass Effect: Andromeda: 00:32:37
  • Tretas faciais em Andrômeda: 01:13:43
  • Tretas de cópias terrestres: 01:21:26
  • Tretas com piadas infelizes: 01:35:13
  • Recall do NieR: Automata BR: 01:52:09
  • O Ciclo do Sonic renasce: 01:56:36

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Vinicius Duarte

    Sou só eu ou não ta caindo no feed ?

  • Anderson B. Lima

    Pessoa, baixei o audio, porém em 10:40 ta pulando da parte do Stories Untold direto quando o André tá falando do controle do switch.

    Dá uma verificada ae ;D

    • Gradash

      acho que foi proposital pois foi spoiler

      • Anderson B. Lima

        era erro mesmo, corrigiram agora =D

        aliás, esse vértice foi excelente! já tinha visto em vídeo, mas baixei pra escutar de novo enquanto faço nada no trabalho kkk

        Corra, feliz aniversário atrasado!!

    • Sushi0

      Foi um erro na hora de upar pra servidor e ele acabou cortando 17min do programa, mas já upei de novo e está tudo certo agora =D

      • WandersonSantana

        Sushi, eu ainda estou ouvindo a versão com erro pelo app de podcasts nativo do iOS. Se eu apagar e baixar de novo já vem atualizado?

        • André Campos

          Você vai saber que está com a versão atualizada se no título dela estiver (Corrigido).

          • WandersonSantana

            Valeu, já atualizou aqui (com o título corrigido) <3
            Vou ter que ouvir tudo de novo mas nem ligo, ta muito bom o negócio

        • Sushi0

          Imagino que isso dê certo sim

  • Gradash

    Sobre adventures de texto, no Steam tem vários e todos muito bem avaliados.

  • Cadu
  • WandersonSantana

    Que Vértice fantástico. Cheio de assunto e discussão. Adoro.

  • Gradash

    Pera ai, se pode-se fazer piadas com opressores isto significa que posso fazer piadas com todos vocês da cidade? Eu por ter nascido em sítio, trabalhado na roça desde os meus 10 anos de idade (plantio de tabaco) sou chacota, sou o ignorante, analfabeto, não sabe nada da vida, quando entra em um elevador acha que é a maior invenção do mundo, etc, etc, etc. É tanta coisa que vem de gente de cidades grandes tempo todo que é foda. Então isto quer dizer que posso me colocar como uma minoria e fazer piadas a vontade de vocês então? Bom saber!

    • SmokeE3 .

      mais ou menos isso… por isso q todo mundo na internet ri d qualquer pessoa q é do Acre… (Minha família tbm já foi plantadora de tabaco o.0)

      • Gradash

        Todo agricultor já foi obrigado a plantar tabaco em algum momento da vida, afinal a uns 10 anos atrás ou era isto ou passar fome.

    • Acho que a parada é se mostrar uma pessoa melhor e não fazer piadas de mal gosto com minorias.

      PS: Não ouvi o cast ainda, então não sei do que se trata a parada.

      • Gradash

        Mas eu sou uma minoria, então isto significa que para mim estou liberado desde que seja piadas com pessoas de cidades grandes seguindo os termos deles.

        • Cara, vc não é obrigado a aceitar piadas que lhe ofendam, mas também não deve fazer com os outros o que não gosta que façam com vc. Entende o que quero dizer?

          • Gradash

            Ninguém tem o direito de passar por toda a sua vida sem ser ofendido, mas minha resposta era diretamente ao comentário feito pelo Corraini que você não sabe qual é pois não ouviu. Então vou reproduzir ele aqui, “não faça piadas com oprimidos, faça com opressores”. Então eu como um “jéca” como todo mundo de cidade grande adora chamar que nasceu e cresceu no campo trabalhando na roça sou um oprimido e mostrado em tudo como um ser imbecil incapaz de pensar em tudo vindo de pessoas de grandes cidades, posso então fazer piadas ofensivas a vontade de pessoas que vivem em cidades grandes. Seguindo este conceito claro.

            Claro que isto é um conceito completamente horrível, pois isto está indo EXATAMENTE contra tudo que o pessoal “liberal” diz ser que é o conceito de igualdade, mas é igualdade quando convém. Pois para fazer piada todo mundo tem que andar com plaquinhas explicando qual é o seu grupinho para saber quem ele pode ofender e quem pode ofende-lo.

            E não, não sou conservador e muito menos de direita. E também não sou um liberaléco de esquerda onde tudo é permitido desde que eles permitam como deuses oniscientes.

          • Entendi seu ponto!

          • Gradash

            (ò.ó)..b

          • hahahahaahah

          • Redator do Republika Pop

            Acho que você finalmente entendeu que o Corraini se acha especial.
            Pelo menos ele não traz mais as tretas de twitter dele pra cá. Essa era uma boa época.
            Lembre-se disso sempre que alguém falar de “empatia”. Essa é a galera da empatia.

          • Querido, se tu tem algum problema comigo, vem conversar. Vamos resolver.

            Esse joguinho de indiretas só cansa todo mundo. Se eu fiz algo pra te incomodar, machucar, ofender, peço desculpas. Mas me deixa te entender.

            O tempo passa, as pessoas mudam. Então, só me mandar uma DM que a gente conversa, sem problema algum.

            Abração.

          • Paulo

            Nem perde tempo respondendo esses caras pessoal da jogabilidade =/

          • ogeid

            A ideia de que está tudo bem fazer piada com opressor parece algo logicamente correto, pois se a pessoa está oprimindo, pode receber o troco sem hipocrisia.

            O PROBLEMA pra mim está em confundir ou utilizar como sinônimo “opressor” (racista) e “não oprimido” (branco). Tipo falar que pode fazer piada a vontade com branco pois está em uma posição privilegiada, ignorando completamente o lado pessoal.

            Veja bem, já aconteceu de eu participar em um grupo e que em dado momento acabou que interpretaram minhas frases como fetichizar um grupo de mulheres e acabei sendo taxado implicitamente como machista, APESAR de que quem estava a par do contexto sabia que estava falando do tipo de garota que gostaria de conhecer pessoalmente. Foi um grande mal entendido, porém gostaria de usar como exemplo do meu ponto.

            Claro, de certo modo não é grave eu me sentir ofendido pela acusação por estar numa posição privilegiada por ser homem (grupo não oprimido). O PROBLEMA é que pelo simples fato de ser homem e isso ser uma posição de vantagem no sentido amplo, pressupõem-se que é irrelevante se me senti ofendido pessoalmente, afinal a discussão se torna algo macro e qualquer dano a nível de indivíduo se torna insignificante.

            O que me assusta é que isso implica em dizer que NÃO INTERESSA quem eu sou pessoalmente ou meus problemas pessoais, já que estou em uma vantagem pressuposta.

            Ou seja, eu como indivíduo me torno uma minoria (de uma pessoa só) que pode ser insultado por pessoas que pertençam a uma minoria de pessoas geralmente oprimidas (mais de uma pessoa) a vontade, mesmo se foi por um equívoco, pois a discussão pode ser frutífera do ponto de vista social e os danos de quem não é minoria são insignificantes. Ok, mas e quanto ao indivíduo?

            Me incomoda um pouco saber que a discussão macro sempre se torna mais forte e dilui a discussão micro.

          • Nomindomine

            Você meio que é obrigado a aceitar sim, não pode fazer nada além de chorar, ao menos em um pais onde existe o minimo de liberdade de expressão.

    • André Campos

      Bom, eu só posso dizer por mim, e depois de ter vivido meus primeiros 20 anos numa cidade bem pequena, não tão longe assim de ser roça, considero que viver numa cidade grande é um privilégio, então sim: eu jamais ficaria ofendido de ser zoado por isso, inclusive já fui aqui mesmo, sendo chamado de “criança de apartamento” ou coisa do tipo. Por outro lado, ser chamado de ~da roça~ pelos meus primos de Belo Horizonte que vinham visitar me deixava de fato incomodado e ofendido. Então sim, acho que também se encaixa no que falávamos. Fique a vontade para fazer piadas! =)

      • Gradash

        Isto era um exemplo estrapolado para mostrar o quão ruim é este tipo de coisa, daqui a pouco as pessoas vão ter que andar com uma plaquinha no peito como se fosse uma ficha de RPG para dizer no que podem ser zoadas ou não…

        • André Campos

          Sei lá, a regra geral de não zoar quem é oprimido parece fácil e costuma funcionar bem.

          • Gradash

            E assim como toda a regra autoritária, poderá ser manipulada para usar para benefícios próprios fudendo os outros. O melhor é usar a regra, ignore. O cara falou algo que te ofende? Isto te causou danos na sua vida diretamente? Não, bloquei o cara, nem argumente. Sim, entre com um processo de danos materiais contra o cara.

            Problema resolvido, todos estão felizes e autoritarismo de cú é rola. Censura no olho dos outros é refresco como minha mãe me dizia. Você só percebe opressão e censura quando ela é feita contra você, e não quando é feita por você.

            Um exemplo bem básico era um dos desenvolvedores do Mass Effect Andromeda, o twitter do cara era PURO racismo, porém o racismo era contra brancos. Se você trocasse o “branco” por “negro” ou “judeu” em qualquer frase do cara, ele estaria preso. Mas como era contra branco tava valendo, o cara só faltava em propor não diretamente (ele propunha indiretamente) extermínio de todos os brancos, solução final usada pelo Hittler nos brancos mesmo.

            Não existe racismo reverso, existe racismo e ponto final. Se você tolera um tipo e não aceita outro, isto só te faz um totalitarista hipócrita. Era isto que o meu exemplo deixava claro, qualquer boa ação pode ser usada e SERÁ usada para fuder com os próximos. Por isto por mais absurdos que o o cara fale, sou a favor da liberdade de expressão sem limites, a não ser que danos MATERIAIS sejam causados a pessoa via difamação direta e afins.

            Se alguém ficar te chamando de FDP e Ladrão na rua mas ficar só nisto mesmo, não tem problema e apenas o ignore e se possível o bloqueie. Agora se ele for em uma delegacia e te denunciar como Ladrão e fazer você ser preso, ai é outra história.

          • André Campos

            Obviamente se essa for a única regra regendo a moralidade da sua VIDA INTEIRA, vai dar merda. Mas eu não deixei isso a entender que era isso que eu estava defendendo, deixei? Talvez isso volte mais uma vez ao que comentamos das pessoas só conseguirem argumentar usando o extremo de tudo (um grupo que, lembre bem, eu não me coloco totalmente fora, embora esteja tentando).

          • Gradash

            Sim dá merda, já perdi amigos por ser sincero. Mas nunca ninguém pode me dizer que eu era falso ou mesquinho. Todos estamos sujeitos a merdas na vida, o importante é saber lidar com elas.

            Aquele que quer viver em um mundinho perfeito, é o que tende a criar as maiores barbáries, todo o ditador e abusos começaram com as melhores intensões. Censurar o direito das pessoas se expressarem porque isto ofende alguém, é o mesmo que a nova-linguá ou o duplipensar.

          • André Campos

            De novo, extremos. Ninguém no podcast sequer tocou no tema da censura, como no caso do Colin Moriarty. Achamos o que ele disse escroto? Sim. Dissemos que ele não poderia ter dito ou sequer que ele deveria ter removido ou pedido desculpas? Não. Assim como todo mundo pode falar o que quer, todo mundo pode se ofender com o que quer também, e consequências se aplicam a ambos.

          • Gradash

            E concordo plenamente com o que disse, eu me referia a frase “não faça piadas com os oprimidos, faça com os opressores”, isto é sim um tipo de censura moral. Principalmente que é IMPOSSÍVEL saber quem é o opressor e o oprimido, tudo é muito subjetivo e muito fácil de ser extrapolado. Assim como eu extrapolei que então eu posso ofender todos vocês usando esta regra por eu ser um “jeca” e então um oprimido em comparação com todo mundo que nasceu em cidades grandes. Este tipo de coisa dá abertura total a pessoas usarem isto para proveito próprio e causar mal aos outros.

          • André Campos

            Não estou dizendo que não exista censura (moral ou de qualquer outro tipo), mas usar a palavra pro que aconteceu nesse podcast só enfraquece ela. Tanto porque o tweet do Colin continua online, tanto porque ao discutir sobre isso nós mesmos dissemos que ele tem todo o direito de ter tuitado e não esperávamos que ele removesse nem que se desculpasse. E sim, é subjetivo, é algo absurdamente pessoal, é de caso em caso. Nesse podcast mesmo tivemos duas reações diferentes às polêmicas envolvendo o Jontron: eu ainda assistiria um novo vídeo dele, o Corraini não.

          • Gradash

            Fico feliz de não fazer ideia quem seja Jontron 🙂

    • Ramon Nogueira da Silva

      Apenas para apresentar outro ponto de vista. Não acredito que seja questão de “poder” ou “não poder”. A liberdade de expressão assegura que podemos fazer piada com o que quisermos, quando quisermos. Só que qualquer piada pode ter consequências além do riso. Então se eu faço uma piada racista, por exemplo, além de causar a risada, posso estar ofendendo alguém, e isso não é uma coisa “legal” (no meu ponto de vista). Além disso, essa piada também pode reforçar preconceitos (e tenho muitas experiências de vida no qual isso aconteceu). Em contrapartida, se você faz piada com opressores, essa piada pode servir para problematizar a opressão e para causar uma reflexão. E hoje eu considero mais interessante um humor que causa reflexão do que um humor que reforça preconceitos.
      Por fim, nenhuma piada está isenta de ofender. Você pode ser oprimido e sua piada ofender o opressor. E também não é só porque somos oprimidos que nossa piada vai ser supre reflexiva, às vezes é só ofensiva mesmo. E nós temos o direito de fazer a piada que quisermos. Mas precisamos entender que podemos sim ofender alguém, e que essa pessoa tem tanto direito de se ofender e se manifestar contra a piada quanto nós temos de fazer a piada. E que o fato dela se manifestar contra a piada não diminui seu direito de fazer a piada, mas pode ser algo a se refletir se você não quer que pessoas se sintam mal com as coisas que você diz.

      • Gradash

        Impossível concordar menos com o seu texto! Perfeito!

        Toda ação tem uma reação, toda causa tem um causador. Apesar de não ser um cristão, existe uma passagem da bíblia quer você acredite que jesus existiu ou NÃO que é magnífica, não faça aos outros, aquilo que não deseja fazer a si mesmo. Eu adoro seguir isto, eu evito fazer piadas ofensivas, mas acontece. Pois é IMPOSSÍVEL como já ficou bem claro naquele Nercast sobre humor, fazer uma piada que ninguém seja ofendido. Então se fez uma piada de mal gosto, pelo menos aceite que a fez!

      • Redator do Republika Pop

        Muito bom.

  • Michael Pereira

    Poxa, fiquei bem triste com o Hate da Internet em cima do Andrômeda. Estou com 20 horas nele e estou achando muito bom. Vejo os problemas citados, mas não considero que seja uma sequência pra Dvd. Personagens diferentes. História esta bem legal. Só tenho medo de o jogo não vender e a sequência ser cancelada pela EA.

    • Redator do Republika Pop

      O jogo já tá saindo com 24% de desconto.

  • Levando em conta os atuais problemas do Mass Effect Andromeda, acho um absurdo o game custar 199 reais.

    • Acho um absurdo um game custar 199 reais ponto hahaha Seja Mass Effect ou não.

  • Nomindomine

    Esse pensamento do Corraini de que “você não faz piada com os oprimidos” não faz o menor sentido.

    Oprimidos: Negros, Gays, Mulheres, Muçulmanos, Judeus, Indios, Gordos, Mexicanos, etc. Sobra quem? Vamos ver… Homem, Branco (Conservador?).

    Já faz um tempo que o jogabilidade parece um bando de tias velhas falando: moralistas, hipócritas e insuportavelmente politicamente corretos. Desceram a lenha no Colin Moriarty, por uma piada completamente boba, que se formos procurar os próprios membros do podcast já devem ter feito pior . Falam tanto sobre diversidade, mas caem matando pra cima do cara que na mídia de games é um dos poucos (se não o único) cara que é abertamente conservador. Ou seja, toda diversidade é importante desde que não seja diversidade de pensamento (ou diversidade politica, se acharem melhor). Deveriam assistir a entrevista com ele no canal do Dave Rubin e repensar um pouco essa bobajada toda.

    Da pra sentir claramente a qualidade do programa caindo toda vez que o assunto se aproxima de qualquer coisa que pode ser politizada. Da pra tratar todo mundo com igualdade e respeito sem ter que ser submisso a ideologias idiotas como esse feminismo idiota e essa cultura de vitimismo. Sou brasileiro, afrodescendente e sexo fluido, então não tem como eu estar errado.

    Falta falar de todos assuntos com a mesma honestidade e coragem que criticam os jogos (se forem se aventurar nessa tangente), sem ficar pisando em ovos e fazendo LARP de feministo. Falo isso de coração, um beijo e muita felicidade pra vocês.

    • André Campos

      Descemos a lenha no Colin Moriarty? Tipo na parte que falamos do quão brilhante ele é e do quanto a voz dele falando sobre jogos vai fazer falta na indústria? O fato de que literalmente citamos essa entrevista com o Dave Rubin me faz pensar que você não deve ter escutado esse podcast.

      • Redator do Republika Pop

        “Você não deve ter escutado esse podcast”
        “Que podcast você escutou?”
        Tá na hora de trocar o disco, André. Toda sua resposta é a mesma coisa.

        • André Campos

          Hahaha logo você falando de mesmice em comentários?
          E sim, adoraria não ter que repetir o que já foi dito no podcast pra argumentar sobre o que foi dito nele. MAS NÉ

          • Redator do Republika Pop

            Boa, André. Continue assim passivo-agressivo, você vai melhorar muito como pessoa. É mesmo um rapaz especial.
            Lembre da empatia e de dizer no twitter que está sendo alvo de hate. Abraços. fikdik XD

          • André Campos

            <3

          • Crow

            Você tem duas opções amigão, ou você para de ouvir o podcast pois você fica gatilhado em todo santo episódio ou você aprende a aceitar a opinião dos outros. (Independente de estarem certas ou não)

          • Redator do Republika Pop

            Ou eu posso ficar aqui demonstrando meu amorzinho ao André em todo episódio.
            Mas não é bem isso. Só acho chato esse moralismo deles, sendo que nenhum ali é flor que se cheire. Eu gosto dos podcasts deles, ainda não tem nada que os substitua. E eu aceito as opiniões, mas isso não quer dizer que não posso discordar. Se só tivesse elogio aqui, seria um circlejerk semanal.

          • Crow

            Eu entendo perfeitamente o fato de você discordar deles, porém esse é a forma que eles vêm as coisas, não há nada que você possa fazer para mudar isso (a polarização política está ai para mostrar isso).

            É igual o que aconteceu com o Jontron nesses dias, você precisa saber separar as coisas, você nunca vai conseguir concordar com alguém o tempo todo, pode ser incômodo as vezes (ou na maiorias das vezes pelo visto para você) porém como você mesmo disse é um conteúdo que vale a pena.

            Fico triste que hoje em dia todo mundo quer que todos pensem igual, deve ser extremamente chato e pobre (no sentido de conversa) conviver com pessoas que pensam e opinam da mesma forma.

          • Redator do Republika Pop

            Crow, o engraçado é que eu mesmo estava falando a mesma coisa que você, na semana passada. Acho que você até deve ter visto o comentário.
            Mas tem uma hora que não dá pra relevar, cara. É muita imaturidade. Todo mundo que concorda com os caras é um “verdadeiro fã”, e todo mundo que discorda é “hater” ou “fake”. Eu já visito aqui desde 2013, e vi a evolução do pensamento dos caras com o passar do tempo. O André nunca respondia as pessoas desse jeito atravessado que ele faz hoje, parece que voltou a ter 15 anos. Antes discordávamos, mas era de maneira saudável. Hoje é hater e fake pra todo lado, ou o já batido “Mas que episódio/podcast você ouviu?”.
            Sei lá o que aconteceu com o cara no ano passado, e não me interessa. Mas o André tá chato pra caralho. Sempre dando rage no twitter porque alguém falou mal do podcast, ou tentando dar uma sarrada épica aqui nos comentários, e falhando. O Caio sempre foi assim, por isso sempre relevei. Não tenho nada contra os outros dois.

          • Crow

            Quero relembrar que teve um vértice (talvez uns 3 passados) que teve a controversa do pewdiepie e o Jogabilidade ficou do lado da mídia, o pessoal nos comentários expressaram o porque de eles acharem que essa não é a visão correta das coisas, em nenhum momento um dos jogabilideiros veio e desrespeitou os ouvintes, só teve um comentário que o andré respondeu que foi um cara bem alteradinho.

            Acho que para ter uma discussão saudável nos comentários (aproveitar que a base está crescendo) é não começar já rotulando a pessoa (por mais que eu mesmo faça isso as vezes, mas não sou perfeito e sei que isso é uma falha idiota minha) e expressar sua opinião da forma mais calma e racional possível, dessa forma você vai ter uma resposta boa, você já começou alfinetando o André logo de cara e seus comentários são recorrentes, então não espere muito agrado.

            O que está acontecendo bastante hoje em dia é que o pessoal malha o judas fortemente, então o criador de conteúdo acaba não levando as críticas muito sérias, um exemplo disso é que algumas pessoas descobriram que reclamar do youtube no youtube da muitas views, porém quando o youtube implementa algo realmente ruim o site meio que ignora como se fosse o rant semanal do youtube. Não se pode trivializar esse tipo de coisa.

            E btw, o argumento do André de reouvir o programa é porque o pessoal só ouve o que quer (como você disse lá em cima), você pode ter ficado gatilhado com algo totalmente banal ou que nem deveria ser digno de nota, mas a mente do ouvinte aumentou aquilo em uma escala tão grande que se tornou uma afronta ao estilo de opinião dele somehow.

            PS: Estou defendendo os caras porém eu acho que até me queimei com eles depois que comentei em um linha quente que eles pareciam não curtir fazer os programas (algo que eu ouvi, pode ter sido minha interpretação, ela não é a lei), o André e o Rick me responderam na maior camaradagem mesmo eu tendo implicado com algo bem pequeno (hoje em dia eu tenho noção disso).

          • Redator do Republika Pop

            Entendo. Mas eu só comecei a responder atravessado pois vejo que o André tem ficado cada vez mais chato desde o ano passado. Ainda acho que ele fica engatilhado com qualquer coisa que não vá com a posição dele, visto que ele sempre fica engatilhado no twitter quando falam mal do podcast, igualzinho o Jurandir fazia.
            Eu tenho realmente uma parte de culpa, confesso. Mas

          • André Campos

            Mas veja você, meu comentário batido acabou tendo razão! A pessoa comentou dizendo que realmente não tinha escutado a conversa toda hahaha!

          • Redator do Republika Pop

            Hahahaha!

      • Nomindomine

        Ai vc me pegou, larguei quando o Corraine veio com o papo de que não pode fazer piada com minoria.

        • André Campos

          Ah, ufa! Justo! É que eu fico realmente preocupado de não estarmos sendo claros o suficiente nos argumentos. Obrigado pela resposta, de qualquer forma.

    • Julio Cesar

      Infelizmente percebo isso também, não sei qual é essa necessidade de seguir essa agenda da moralidade… A piada do cara foi tão inofensiva, ela não menospreza a mulher em nenhum sentido, apenas aponta uma característica comum delas de falar bastante (ou se vocês não sabem, diversos estudos comprovam isso).

      • André Campos

        Peço que por favor me aponte um, sério.

        • Julio Cesar
          • André Campos

            Foda que esse texto não dá nenhuma fonte do que ele tá falando, mas uma pesquisa sobre os termos me levou a esse aqui que refuta algumas informações: https://blogs.scientificamerican.com/guest-blog/the-language-gene-and-womens-wagging-tongues/

            E esse aqui sobre outros estudos feitos ao longo dos anos (ambos com mais fontes): http://time.com/2992051/women-talk-more-study/

          • Julio Cesar

            Tem esse livro escrito por uma neuropsiquiatra, engraçado que ela ainda fala que os homens deveriam invejar o poder de comunicação das mulheres (e eu concordo). Mas você apontou bem, existem outras estudos que apontou uma outra visão em diferentes contexto e grupos sociais. Mas isso ainda não invalida o argumento, talvez apenas especifica um pouco mais ele. Mas enfim, ainda não consegui ver por que a piada dele foi tratado como algo ofensivo.

            https://www.amazon.com/Female-Brain-Louann-Brizendine/dp/0767920104

          • André Campos

            Esse já é um tanto quanto antigo e já foi desprovado há algum tempo, com a autora até se comprometendo a retirar as afirmações sobre isso em futuras edições quando rolou. http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/11/131117_mulheres_falam_mais_homens_lgb

          • Julio Cesar

            Ela retirou as afirmações sobre aqueles dados (20 mil para 7 mil) por serem de fontes duvidosas. E não sobre as afirmações delas sobre quem se comunica mais.

          • André Campos

            Exato, removeu o embasamento científico da afirmação.

          • Julio Cesar

            Mas era apenas um dos argumento sobre a afirmação e os outros? Se você pesquisar livros similares de outros autores sobre diferenças entre homens e mulheres diversos deles vão apontar essa característica da comunicação, eu me basei em um artigo que li a um tempo atras fazendo um levantamento antropológico dos papeis sociais entre homens e mulheres, um dos pontos era justamente por que o mulher falava mais (ou era mais disposta a comunicação), infelizmente eu só tinha em papel e nem me lembro mais os autores, e volte meia eu lia alguma coisa como aquele link da superinteressante, sem contar que no meu meio social eu e outras pessoas já fizeram observações parecidas, incluindo próprias mulheres (lembrando que nunca de maneira pejorativa, no máximo irônica). E para não se prolongar na discussão, sim, quando tiver um tempo vou ler com calma as novas pesquisas que mostram o contrario, assim como recomendo você ler sobre os outros pontos de vistas também.

          • Ramon Nogueira da Silva

            Vou tentar explicar a questão da ofensa. Se você diz que em um dia sem mulher haveria paz, você automaticamente está dizendo que mulheres perturbam a paz, o que me ofenderia bastante se eu fosse uma mulher. Além disso, ofensa é algo muito pessoal. Talvez você não se ofenderia nessa situação por entender que foi apenas uma piada, mas não podemos esperar que outras pessoas não vão se ofender só porque não nos ofendemos. Cada pessoa reage de forma diferente a coisas que são ditas a elas, e isso depende da experiência pessoal de vida de cada um. Por fim, o problema maior no caso dele, a meu ver, é o agravante de a piada ter sido feito em um dia de conscientização sobre discriminação com mulheres, e ele justamente fez uma piada discriminando mulheres. É algo como fazer uma piada racista no dia da Consciência Negra.

          • Julio Cesar

            Mas se a piada trata de forma irônica o “Se você diz que em um dia sem mulher haveria paz” como que isso pode ser ofensivo? Ele pegou um esteriótipo da mulher que talvez nem ele concorde e fez uma piada irônica em cima usando aquela hashtag. Para mim isso é um caso de perseguição mesmo, a patrulha da moralidade ficam que nem urubus, no primeiro “deslise” de alguém caem matando.

    • Redator do Republika Pop

      “Pisar em ovos” é bem o que eu acho mesmo. Isso mata qualquer espontaneidade, e vocês já podem ver que os ouvintes notam quando vocês estão se segurando para não falar de algo ou alguém, é difícil de esconder. Mais espontaneidade, menos moralismo.

    • Omelete Box

      LARP de feministo HUAAAAAAA
      Esse podcast nunca falha em me decepcionar.

    • Edson de Freitas

      Pessoal é um podcast sobre games, a opinião deles sobre coisas não games, não diminui a qualidade da produção.
      Se você não divide a mesma opinião que a deles, você pode repensar a sua ou ignorar a deles, não existe certo ou errado, é visão de mundo e eles não tá agredindo ninguém.

      Mas eu acho que essa opiniões poderiam ser relocadas para um podcast com essa temática de cotidiano.

      • Nominedomine

        Como tinha o espaço aqui pra comentario vim dar minha opinião/alfinetada, acho saudável a discussão e o pessoal do Jogabilidade não estar censurando os comentários é um mérito deles.

        Nem sei se a turma do Jogabilidade propaga certas idéias de forma consciente, como essa reinterpretação do mundo como uma dinâmica (simplista? pra não dizer outra coisa) entre opressor/oprimido, sendo ambos os grupos supostamente de fácil identificação. Se estão realmente querendo disseminar essa idéias realmente não sou o publico, acredito que ai não tem o que ser feito mesmo.

        • Edson de Freitas

          Eu acho eles se estendem muito na discussão, sobre um assunto que tem uma gama muito maior, tornando o podcast grande e fugindo do assunto.

  • Paulo

    Vocês falaram muito bem da IGN Brasil e não duvido que ela tenha jornalistas muito bons. Contudo, alguém deveria urgentemente dar um jeito naquela página deles no facebook, todo dia ela está repleta de click baits imbecis, parece um trabalho amador e mancha muito a imagem do site (eu sou um dos que não vai com a cara da IGN brasil justamente por causa da página deles no facebook). Hoje em dia, o facebook não é mais apenas um meio de divulgação, mas é a forma que o site/empresa se mostra para as pessoas e eles deviam prestar mais atenção nisso. A impressão que fica é a que a IGN Brasil é muito amadora.

    • É outra galera quem cuida das redes sociais deles. E cara, vou ser sincero contigo, é complicado pra todo mundo quando tu tá em empresa grande.

      Porque a turminha da xoxomídia faz de tudo para “bombar”, mesmo que isso isso signifique uma má impressão do canal em si.

      É foda ):

      • Paulo

        Sim, é claro que os caras tem que chamar atenção pra noticia deles. Mas tem click baits lá que são apelativos demais, a ponto de deixar quem clica bem irritado =/

        Torço para que eles melhorem essa questão.

  • Rafael Ramiro

    Eu também acho um erro vocês enaltecerem somente comportamentos baseados em moral, empatia e bom senso. Não suporto ver o site que acompanho toda semana sendo cada vez menos irresponsável e prejudicial para nossa sociedade de seres pensantes.

    • Empatia do Jogabilidade é igual a delícia do vídeo do Pai de Família. Só rindo mesmo de quem acredita nessa bobagem.
      AI QUE EMPATIA, CARA!

  • Pedro Quaglioni

    Lendo os comentários e só uma coisa me veio na cabeça: Como pode ser difícil de seguir o mandamento do “não sejas escroto” ?

    Se vc tem a necessidade/acha graça de fazer piada sobre a deficiência de um deficiente, sobre a cor de pele de uma pessoa, sobre o sobrepeso de uma pessoa gorda, sobre atitudes femininas de um homem (ou vice-versa), e etc, infelizmente vc tá precisando voltar pra 5ª série, alguma coisa deu errada no caminho até aqui.

    • Jhonathan Vieira

      E ainda tem uma galera que parece não gostar e continua ouvindo… vai entender…

    • Julio Cesar

      As coisas não são tão simples com um apenas “não sejas escroto”? Quem define o que é ser escroto? Isso é relativo de pessoa para pessoa. Para mim por exemplo, eu acho escroto ficar apontando o dedo para um cara que fez uma piada boba, sendo que eu não sou uma pessoa perfeita e posso cometer erros semelhantes ou até piores.

      • Redator do Republika Pop

        As pessoas só ouvem o que elas querem, cara. Desiste.

      • Thiago Nunes

        O que define a escrotidão no caso é contexto e a intersecção dos valores morais entre as pessoas envolvidas. Se você reduz essas duas coisas a algo relativo você basicamente tá entregando qualquer discussão à aleatoriedade e caos. E isso só dá ainda mais força pros extremos que acham que TUDO é ser escroto e NADA é ser escroto.

    • Artur Antunes

      No geral concordo com você, mas nunca se esqueça:
      Moral não é algo absoluto, mas sim algo que muda com o passar do tempo e de pessoa para pessoa, até porque cada um tem seu contexto de vida. Um piada escrota para uma pessoa pode ser algo inocente e para outra pode ser um crime. É importante entender isso para não ficar polarizando discussões.

  • Mais uma para os anais da esgotosfera dos podcasts. Parabéns a todos os envolvidos.
    Me incluam na screenshot.

  • Thiago Nunes

    Vou resumir as interações dos comentários abaixo:

    https://pbs.twimg.com/media/C63ZGZLWsAAR-Mv.jpg

  • Diogo Freire

    2017, onde pessoas acham que falar que algo é errado é igual a censura, ou que racismo é só questão de opinião. melhorem.
    Alias, liberdade de expressão(la fora no caso) lhe dá direito de não ser preso por externalizar sua opinião, não de silenciar pessoas que discordam do que você falou, o que foi o caso do Jontron e PewDiePie.
    Acho interessante tambem que só aparece homens falando que a piada do Colin foi inofensiva.

    • Julio Cesar

      Bom, tentei postar uma opinião minha o sistema disse que era spam, sinceramente acredito que foi coisa do sistema. Porque seria muito irônico num poste justamente onde fala sobre censura.

      • Diogo Freire

        imagino que foi pelo xingamento, mas eu vi o post. no caso a minha resposta a ele:
        não discordo que não exista um exagero no uso de certas definições.por exemplo, apesar da piada terrivel do pewdiepie, ele não aparenta ser “nazista”, só babaca. Entretanto, “você” fala como se essas definições viessem gratuitamente.

        • Julio Cesar

          Mas ai que está, você não pode dizer que o pewdiepie é um babaca porque ele fez UMA piada babaca, a não ser se você já não gostava dele antes, mas ai são outros motivos. E esse é o problema da internet hoje, o politicamente correta está criando uma caça as bruxas. Se em algum momento você saiu da visão do politicamente correto, por erro mesmo, ou ma interpretação, já era, a patrulha vai te pegar. Sendo que todos nos somos humanos e cometemos equívocos. Ai vem o segundo problema, mais antigo, que pode ser resumido com aquela clássica frase “faça o que eu digo, mas não o que faço”.

          • Diogo Freire

            lol, babaca por achar que contratar 2 caras que não sabem a lingua e alegorias ao nazismo constituem algo engraçado. de qualquer forma, ele pode se expressar da forma que quiser, e eu tambem. o problema é que ele tem 50 milhões de seguidores, e influencia maneira de pensar de bastante gente, o que acarreta responsabilidade. Jontron igual, sendo que ele ainda é um caso pior e não vejo porque sentir pena.
            enfim, não digo que você está exatamente fazendo isso, mas eu não posso não notar cada vez mais nessa normalização de racismo. cara, racismo não é má interpretação. O Jon, ao falar que negros estão acabando com a “gene pool” não está sendo mal interpretado, como ele e seguidores gostam de dizer.
            E repito, a caça as bruxas não é gratuita. não concordo com ela.
            Acho “engraçada” essa equivalencia de pensamentos/atitudes/etc racistas com sair do politicamente correto. fala como se politicamente correto fosse algo inerentemente pior, e o incorreto como a verdadeira liberdade,lol.

          • Julio Cesar

            Veja bem que eu coloquei erro ou ma interpretação. No caso do JonTron ele fez afirmações racista, é muito evidente a intenção dele, ele foi muito alem do “deslise” ou qualquer ma interpretação. Algo diferente do que aconteceu com essa piada do cara e a do Pewdiepie. No caso do pewdiepie foi uma piada que achei bem ruim, na verdade eu não gosto do pewdiepie, acho tudo que ele faz bem fraco. Mas a caçada a cabeça dele foi muito pior do que a própria piada que ele fez. E muito pior foi com esse cara e sua piada sobre as mulheres, que até agora não consegui achar o quão ofensivo ela foi.

            Eu concordo com você, a caça as bruxas não é gratuita. O meu grande problema disso tudo é que os caçadores são tão bruxas ou até mais do que as próprias bruxas que eles estão caçando.

            E sobre seu ultimo ponto, liberdade de ideias sempre deve existir, e as pessoas devem defender seus pontos de vista como eu e você. A natureza é assim, uma ideia é forte se bastante pessoas se associam a ela, não existe a verdade absoluta e nem o politicamente correto mais correto.

          • Diogo Freire

            não se se foi muito pior. no caso do pewdiepie, a unica coisa que vi que achei exagero foi aquele artigo do Wall Street Journal, que foi muito tendencioso.
            O Colin fez uma piada machista no dia internacional da mulher, sendo que ele não representava só a si mesmo, como Kinda Funny. Qualquer empresa séria que preza pela sua imagem faria a mesma coisa, como foi com aquele PR da MS que falou que quem não tinha internet era pobre, quando falavam do allways online do Xbox One.
            falas, piadas, etc, não existem num vacuo.

  • ednaldofilho

    Não precisava tudo isso, basta respeitar a opinião alheia e pronto. Por isso não tenho redes sociais, tem gente que é muito xiita, só porque outros tem opinião diferente da sua estão errados. Quem não quiser que não ouçam o Cast, respeitem a opinião dos caras que dão um puta esforço pra pesquisar e trazer conteúdo pra todos nós.

    • Eu tenho saudade da época que rede social era gif com brilho, e não esse falso moralismo e politicagem babaca.

  • Gohan Do Sertão

    Corraine é tipo o dado dolabella , ja falou coisa MUITO pior que essa piada do colin moriarty pouco tempo atras, mas sempre que surge a oportunidade quer pagar de feministão, defensor das mulheres, não foda né cara, só faltou mandar um MAIS FEMINISTA DO QUE EU?

    • O pessoal daqui adora se pagar de moralista mas é dois pesos e duas medidas pra todo lado. Se tu veio lá da comunidade da BRJAM, sabe que eles são motivo de piada por lá. Esse Caio e aquele Gus Lanzetta, ambos feministos que são traídos pelo seu passado (…)

      • Thiago Nunes

        Assim como praticamente todo homem que já falou merda do gênero, documentada ou não. Belas bosta ficar emoldurando passado de macho na Internet e achar que aquilo é referência imutável pra vida toda do maluco.

  • GameT

    Pesquisando qual é a música do final, vi que é uma banda chamada é Ayreon, não conhecia e pelo que vi é música do álbum novo que sai agora e que fala justamente de uma viagem pra galáxia de Andrômeda, belo link já que falaram do Mass Effect (e é mó bom a música)

    btw, poderiam começar a escrever o nome das músicas no post.

    Continuem com o bom trabalho!

  • Power Otaku-Kun
    • Redator do Republika Pop

      Todo personagem sempre parece morto por dentro. Eu também não consegui fazer nada apresentável.

  • Smokey

    (Estou no celular, por isso nao tem acentos)

    Galera do site, na boa. Esses ultimos vertices de vcs t9m sido lamentaveis simplesmente porque vcs ficam puxando esses temas de tretas e drama da comunidade, ai fica nessa putaria aqui. De treta, jah chega o youtube, treta news, new york tretas, o podcast devia ter um publico diferenciado, mas vejo q vcs tao enveredando por esse lado do sensacionalismo. Vcs querem mesmo isso pro site de vcs? SToda semana tah aparecendo topico na gambler’s, na vk ou na uol jogos falando das cagadas de vcs. Ai eu venho aqui e pimba: drama da comunidade de games. Vcs podem estar fechados na bolha de vcs, mas todo mundo ve que vcs distorcem os fatos soh pra entrar na visao de mundo de vcs, vide quando citaram a polygon como referencia pra qualquer coisa. Ai vira essa zona.
    Opiniao eh opiniao, mas vcs realmente querem ficar nesse ping pong de treta toda semana? Esse tipo de assunto nao tras nada de bom pro site, soh essa cambada de nego brigando ai embaixo. Nao deem trela pra treta que essa galera desaparece. parei de ouvir o overloadr justamente porque ficavam dando trela pra treta
    Devia virar Lamentabilidade, isso sim

    • Crow

      Só queria lembrar que nem toda treta é fofoca. É relevante falar sobre algumas coisas, sendo treta ou não.

  • Brenna Oria

    Que coisa linda tocando Toto – África de fundo aaa

  • João Dobbin

    Ótimo programa. Posicionamentos claros, sóbrios. Alguns comentários aqui me fazem pensar que não é exclusivo de Mass Effect ser criticado sem antes ter contato apropriado com a obra.

  • MarcusVss

    Gente, vcs sabem que quando tem uma parte do podcast que vcs não gostam vcs podem pular, né? No post tem até a divisão dos blocos do programa caso queiram fazê-lo.

  • Yamato

    “Tudo bem Mass Effect Andromeda ser feio, mas Tales of é um absurdo e não merece 60 dólares!”
    ?

  • Kalel Mota

    OMG! As pessoas realmente estão revoltadas por terem dito que não é legal fazer piadas com oprimidos? Cresçam… Fazer piadas zoando as pessoas não é legal at all… E é pior ainda quando o alvo da piada já está em uma situação de desvantagem.

    Zoar as pessoas NÃO é um direito seu!

  • Everardo Feres

    Fechei Andrômeda ontem, com 94% do jogo completo (porcentagem que o jogo diz). Olha, gostei muito também.

    Só pra tirar isso da frente, nesse jogo vale lembrar que só é explorado UM cluster de Andrômeda. Lembrem-se que não tem Mass Relays pra ficar jogando as naves pra outros clusters como tem na Milk Way. Logo, o jogo todo se passa apenas em Heleus. Andrômeda é uma galáxia gigante, então tem espaço pra aparecerem muito mais espécies vindas de outros clusters ainda, mesmo que nesse tenham sido apresentadas poucas.

    Realmente as expressões faciais incomodam bastante. Mas são basicamente de 3 rostos: Sarah Ryder, Diretora Addison e as Asari. Sim, todas as Asari, exceção à PeeBee, tem o mesmo rosto, e expressões estranhas e bizarras. Além delas, Sarah e Addison são as que mais incomodam. O resto dos humanos não está muito problemático. Só olhar alguns mais coadjuvantes como Reyes Vidal ou Sloan Kelly.

    Sobre os Angara, tu faz uma descoberta que muda tudo sobre eles, mas só mais pro fim do jogo. E o jogo não explica a fundo quem são os Kett nem os Remnant, e ainda introduz um outro mistério a lá “Proteans” mais pro final. Na verdade, o fina deixou MUITA ponta solta pra futuras DLCs e continuações.

    O desenvolvimento dos personagens da equipe é feito de forma melhor que nos outros jogos. Em um jogo só eu me vi me importando tanto com personagens como Jaal e Drack quanto me importei com o Garrus e Wrex por exemplo. As quests individuais de cada um são excelentes, e cada uma tem uma dinâmica diferente (algumas até Jogabilidade própria. han han).

    A missão final é frenética, e tem aquele esquema de “suas decisões ao longo do jogo influenciam no final que tu pode ter”, te angariando aliados ou te deixando na mão.

    No fim, eu penso o seguinte. O jogo é ótimo, mas tem sérios problemas de polimento (bugs, animações trocadas, problemas de colisão, cortes drásticos nas cutscenes, etc) que podem ser resolvidos por patchs. E um problema grave (expressões faciais) que vai marcar esse jogo por muito tempo. Uma pena, pois a história em si é pouco debatida.

    Efim, é isso. Um abs.

  • Everardo Feres

    Agora pra dar um pitaco sobre a piada. Não sei se o podcast em si está ficando chato e moralista. Mas é preocupante pois tem alguns fãs dele que estão ficando demais.

    Numa live de Resident Evil 7 do Jogabilidade, logo no começo quando o protagonista encontra com a Mia, eu disse nos comentários ao vivo: “Pô, o cara foi até aí por causa dessa baranga?”. Pronto, foi o que precisava. Uma galera me chamou de babaca, escroto, disseram que era misoginia, preconceito e sei lá mais o que, e chegou ao ponto de eu ser bloqueado no chat sem aviso algum. O irônico é que baranga significa mulher feia, e a Mia acaba se revelando muito pior que só baranga.

    É esse tipo de fã radical das minorias que eu vejo o podcast cultivando recentemente.

  • Tá compensando comprar o game galera??

    Recomendação de cast pra quem curte a temática futuro, robôs e distopias:
    http://geekslab.com.br/2017/03/27/geeks-lab-03-o-celular-que-assa-pizza/

  • Anderson

    Tava completamente por fora dessa parada dos Blurays do Nier Automata no Brasil, espero que os do Persona 5 não tenham isso porque minha versão fisica ja ta pre-comprada. Vocês que me convenceram a conhecer a série com o podcast de Persona 4, se eu não gostar vou vir aqui reclamar! hehe !

    O Colin pediu por essa. Tipica piada de tiozão bebado, mas uma coisa é soltar ela num churrasco e outra é numa hashtag cheia de feministas. No minimo inapropriado.

    Agora o Jontron sempre foi escroto, não tem nem o que dizer.

    Por favor parem de chamar mulher de minoria, elas não são minoria nem nos Estados Unidos muito menos aqui no Brasil.

    O unico Mass Effect que joguei foi o primeiro e eu me dei por satisfeito com ele. A EA não conseguiu fazer um começo empolgante numa epoca em que sai tanto jogo bom. Não é mais 2014 , meu amigo!

  • Everardo Feres

    Só uma coisa que descobri hoje. Tem pelo menos um troféu de Mass Effect andrômeda que é IMPOSSÍVEL de se pegar no PC com teclado+mouse. O de fazer o Nomad ficar 35 segundos no ar. Pra isso, você tem que empinar as rodas da frente enquanto ele tá no ar. E isso só é possível no controle, puxando o analógico esquerdo pra baixo. No PC, se tu apertar o “S”, que seria o correspondente, ele desacelera, em vez de empinar as rodas, tornando impossível você conseguir a posição que o carro precisa estar pra tu mantê-lo por 35 segundos no ar.. Mais uma prova de que esse jogo foi mal planejado pra caralho.

  • King Buddy Holly

    Apenas para pontuar a questão discutida nos comentários. Mesmo que a piada não seja preconceituosa (o que ela é, visto o contexto no qual se aplica e principalmente por ser ligada a uma data relacionada a esse tema) ela é MUITO rasa; Colin Moriarty caberia bem em um stand up da década de 70! Homens isso, mulheres aquilo, homens assim, mulheres assim…

    abraços nos corações amargos!

    • King Buddy Holly

      em tempo: SIM, dificilmente alguém não foi preconceituoso alguma vez, o meio social nos qualifica com mérito nesse ponto. Se o André, o Corraini ou Sushi (assim como o restante de nós) foram preconceituosos isso não diminui a sua opinião atual, afinal todos podemos e devemos tentar mudar esses preconceitos. E tachar isso como é demagogia é admitir que não podemos mudar.

X