DASH #82: Revistas Brasileiras

2017-06-13T23:42:08+00:00 30 de maio de 2017|DASH|38 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Abra este podcast com cheirinho de mofo e venha virar as páginas do passado conosco!

Para discutir as principais publicações que ajudaram a pavimentar a cultura de vídeo games brasileira, André Campos e Caio Corraini recebem Fabio Santana e Gilsomar Livramento, duas lendas do jornalismo de jogos e dois dos grandes responsáveis pela era de ouro da Revista Gamers.

Juntos, discutimos as origens da Ação Games, o jeito curioso e inclusivo da Vídeogame, a irreverência e o estilo da Super Game Power e muitas outras.

E, é claro, Gil e Fabão contam muitas histórias dos bastidores da Gamers: da criação dos queridos Gamers Book, dos reviews de 8 páginas de Soul Calibur e do triste fim de tudo… Que se provou apenas mais um começo!

Tá No Seu Turno!

Nossa discussão continua com você: comente abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de. Concorda conosco? Discorda? Dissemos algo herético? Sua opinião e feedback são muito importantes! Os melhores, mais relevantes e/ou mais aleatórios e-mails serão lidos na próxima edição do DASH.

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/dash82_revistas.mp3″ title=”DASH #82:” share_link=”http://jogabilida.de/2017/05/dash-82/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2015/11/dash57capa_mini.jpg” meta=”Revistas Brasileiras” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1451394946105{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZnYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzLmpvZ2FiaWxpZGEuZGUlMkYlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYSUyMGZhLW11c2ljJTIwZmEtM3glMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBpbmxpbmUtYmxvY2slM0IlMjBtYXJnaW4lM0ElMjAwJTIwMTBweCUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VJdHVuZXMlM0MlMkZwJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQyUyRmRpdiUzRQ==[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “Helix Nebula”, por Anamanaguchi
  • “Emulated”, por Jose Acosta (OCRemix)
  • “Succumb to the Wilderness”, por Level99 (OCRemix)
  • “Kefka Goes West”, por NoppZ (OCRemix)
  • “One Hit K.O. (Bye Esaka Mix)”, por WillRock (OCRemix)
  • “Subterranean Kamikaze”, por Sixto Sounds (OCRemix)
  • “Chillout”, por SEDUCTiON
  • “String Chamellotron”, por Brandon Strader (OCRemix)
  • “R.U. Overdrive”, por AkumajoBelmont (OCRemix)

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • 00:01:54: Apresentação dos Convidados
  • 00:06:27: Origens e Revista Videogame
  • 00:17:13: SuperGame + GamePower
  • 00:26:45: Ação Games
  • 00:39:09: Gamers
  • 01:15:04: Outras

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • Arle Janso Kurogane

    Primo -q

  • Guilherme Kruszynski de Assis

    Que delicia de Episódio. Não vou esquecer nunca minha revista “Detonado castlevania symphony of the night”

  • Filipe Mota

    Ue, já se passou um mês e eu nem percebi O.O

  • willmarconi

    Cara, quase 20 anos depois finalmente eu descubro porque o detonado de Breath of Fire 3 degringola no final!

  • Daniel Neves Araujo

    pera, o Fabão falou de um Moacir que lia a famitsu… é o Moaça do jogo justo??

    • André Campos

      Ele mesmo!

  • Ricardo Latoch

    detonados eram a dádiva dos ninjas para o jogador que não falava japonês e ingles aos 10 anos de idade (com dislexia).

  • Nelson Rosa Junior

    Gente, lembro q essa foi minha primeira revista…creio que o jornalista responsável acabou não permanecendo no meio?

    https://issuu.com/pdfgamesmagazine/docs/game_boy_2__pdfgamesmagazine.blogsp

    Talvez possa ficar pra material do Má Impressão =)

  • Carlos Eduardo Galvani Nascime

    Excelente Dash <3

  • Joka

    Belo podcast! Saber que o Gilsomar foi a “pessoa dos detonados” quebrou minha cabeça. Lia o gamefaqs lá pelo começo dos anos 2000 e ficava imaginando quem eram os caras que gostavam disso…. pelo menos no Brasil, descobri um! xD Tenho saudosas Gamestation com o nome do rapaz aqui em casa.

    Vocês ouviram o cast do Outro Castelo com o Fábio? Lá ele conta a trajetória dele nas locadoras, mas também acaba agregando pequenas histórias do Gilsomar e das revistas pelo caminho. Tô sempre por lá e eles sempre indicam vocês, que dupla boa de se ouvir em um mês….

    Uma dúvida: O podcast Vértice vai ser só por áudio? Ouvi o centésimo episódio e não achei no canal do youtube de vocês….

    • André Campos

      O Vértice agora tá dividido em Jogos e Notícias. O de Jogos vai ser só em áudio, o de Notícias vai manter o formato anterior de ao vivo no canal e depois em mp3.

  • Esquerdopata

    Esse vai para a famosa lista do “não ouvi mas já gostei”

  • Espero que não se incomodem com a crítica, mas esse podcast ficou muito no feijão-com-arroz. Quase tudo que falaram já se encontrava no mini-documentário feito pelo UOL, e não ouvi nada de muito surpreendente. Eu me lembro de um episódio de um antigo podcast – não lembro o nome – onde revelaram quem era realmente a tal da Marjorie Bros. da Super Game Power, aquilo sim foi surpreendente.
    Outra crítica é que em alguns podcasts vocês perdem muito tempo no começo. Neste aqui o papo só foi engatar mesmo perto dos 45 minutos. Talvez por causa do formato, que era papo com convidados, mas não gostei muito não, principalmente das intervenções a toda hora do Caio. Isso era coisa a ser eliminada já na edição. O podcast teve 1:30h, mas parece que durou só 40 minutos.

    • André Campos

      A ideia do podcast era contar a história dessas revistas no Brasil, então acho natural que quanto mais a pessoa já tiver conhecimento e consumido conteúdo sobre isso (incluindo os docs da UOL), menos vai tirar do Podcast. Temos a ideia de futuramente fazer podcasts sobre as revistas isoladamente, trazendo pessoas que trabalharam nelas, e aí acho que poderemos nos aprofundar mais! E imagina, qualquer crítica é muito bem vinda! <3

  • Comentando sobre as revistas em si, principalmente a Gamers. Eu peguei a fase de quando ela começou a ser semanal, acho que era lá pra 46 ou 47. Não lembro. De qualquer maneira, já dava para ver ali que muito conteúdo era copiado do GameFAQs. Se não me engano, a lista de golpes do Jojo’s Bizarre Adventure, da edição 45 ou 46, foi toda copiada de lá, até os comentários. Eu gostava das traduções que eles faziam, principalmente quando era RPG que só existia em japonês. A Gamers era uma ótima revista para jogos de luta e RPGs, eles realmente faziam com gosto.
    Acho que na edição 62 ou alguma coisa assim, saiu um comentário meu de um guia do GameFAQs, eu até ri daquilo. Era uma lista de golpes do SFEX3 ou do Third Strike, não lembro. Lá tinha “o Mousse Lee recomenda que você blá blá blá”. Quem lia aquilo pensava “quem diabos é Mousse Lee? Não tem esse personagem no jogo.” Mousse Lee era um contribuinte do FAQ que copiaram. Era eu.

  • Marcos De Moraes

    Eu gostei bastante desse Dash, por mais que o tema possa passar a ideia de “Má impressão gigante e em audio” o programa ficou bem bom.

  • Marcelino Pinheiro

    Boa entrevista com os caras que participaram do início da era de ouro das revistas. Ainda assino a revista que o Dougão trabalha, mais pela opinião dos editores em cada jogo do que por informações novas, já que ela chega quase 20 dias depois que chega nas bancas.

  • felipe malhame

    Joguei tudo fora……aqui em casa tava tenso manter as revistas, hoje em dia em compro as oldgamer da editora europa.

  • SmokeE3 .

    Assinei muitas revista durante minha vida e chegava um momento que eu cancelava por notar padrões de qualidade, não sei nem como explicar direito…

    Mas enfim, eu estou assinando atualmente a Game Informer do Brasil e estou achando fantástico, ótimas matérias, os reviews serem menores é o meu ideal e mostra como o que é publicado não é visto na internet. Acaba com aquele tabu “pra quê assinar uma revista se sai tudo na internet?”.
    Mas eu fui re assinar e eles recusaram, disseram que ainda não sabem se terá uma continuação. É uma pena se for cancelada, gostaria muito que todos assinassem, é uma revista que eu definitivamente irei voltar á ver no futuro com ar de nostalgia.

    Outra coisa, um primo meu assinou a Dicas e truques Playstation por uns 4 anos, aí quando saiu o PS3 e ele não tinha, eu pedi uma revista emprestada e descobri que ele havia jogado tudo no lixo 0.0

  • SmokeE3 .

    Outro comentário, sinto saudades de quando vocês liam comentários no Dash, era bem bacana, faz os comentaristas se sentirem especiais.

  • Esquerdopata

    eu li todas as super dicas playstation, adorava a revista! que bom ouvir mais sobre a mesma!

  • Vassago

    Ótimo assunto! Colocando pra ouvir.

  • Darley Santos

    Estupendo cast! Escutei muita coisa que realmente não sabia. Até hoje, claro, guardo minhas revistas da Ação Games e SuperGamePower, legal saber das origens delas, bem como seu percurso e desfecho… Não sabia dessa competitividade entre essas duas revistas, e que a SGP tinha essa estrutura vantajosa e conexões com empresas estrangeiras, o que a colocava na dianteira. Essas revistas eram completas, abordavam games de todas as formas possíveis, não só os jogos em si, mas a cultura e indústria gamer de forma geral. As últimas revistas de games que comprei são uns tipos que nem identificação editorial tem, não tem sequer dados de publicação, e são focadas em detonados… Um mero compilado de detonados…

  • Barata

    sei que vocês são de outra geração (já fiz 40) mas senti falta de comentarem sobre uma das primeiras revistas que lembro sobre videogame que foi a Odissey Aventura que era propaganda do proprio Odyssey da philips. http://www.retroscans.org/scans/revistas/odyssey_aventura/odyssey_aventura_1.pdf lá tinha cada foto terrivel de recordes.

    • André Campos

      Mas a gente comentou!

      • Barata

        realmente eu pulei essa parte, “perdão pelo vacilo” 🙂

X