Fora da Caixa #46: Colossal, Hush, Age of Youth e Tatuagem

2017-06-23T09:28:14+00:00 23 de junho de 2017|Fora da Caixa|42 Comentários

[vc_row type=”in_container” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”3/4″][vc_column_text]Após a correria da E3, conseguimos fugir da caixa. Mas só de leve, pois o chamado dela é poderoso.

Nesse breve fuga André, Sushi, Corraini e a já de casa Clarice Garcia aproveitaram para discutir um bocado do estranho, mas interessante, Colossal; do intrigante, mas seguro, Hush; da saga da nova tatuagem do Corraini e sobre o primeiro dorama que fisgou a atenção da Clarice, Age of Youth (ou Hello, My Twenties).

Tem algum feedback, sugestões de filmes, músicas, séries, apresentações de balé ou qualquer outra coisa? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de.

Links:

[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ width=”1/4″][vc_column_text][fap_track url=”http://media.blubrry.com/bilid/content.blubrry.com/bilid/Fora_da_Caixa_ep46.mp3″ title=”Fora da Caixa #46:” share_link=”http://jogabilida.de/2017/06/fora-da-caixa-46/” cover=”http://jogabilida.de/wp-content/uploads/2016/02/fdc-capita.png” meta=”Colossal, Hush, Age of Youth e Tatuagem” layout=”grid” enqueue=”yes” auto_enqueue=”yes”][/vc_column_text][vc_raw_html css=”.vc_custom_1449180476769{margin-top: 30px !important;}”]JTNDZGl2JTIwaWQlM0QlMjJmZWVkLWJ1dCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIydGV4dC1hbGlnbiUzQSUyMGNlbnRlciUzQiUyMiUzRSUzQ2ElMjBzdHlsZSUzRCUyMmRpc3BsYXklM0ElMjBibG9jayUzQiUyMGNvbG9yJTNBJTIwJTIzZmZmJTNCJTIyJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZuYW9nYW1lcy5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1yc3MlMjBmYS0zeCUyMiUyMHN0eWxlJTNEJTIyZGlzcGxheSUzQSUyMGlubGluZS1ibG9jayUzQiUyMG1hcmdpbiUzQSUyMDAlMjAxMHB4JTNCJTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUyMCUzQ3AlM0VGZWVkJTIwUlNTJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0UlMEElM0NkaXYlMjBpZCUzRCUyMml0dW5lcy1idXQlMjIlMjBzdHlsZSUzRCUyMnRleHQtYWxpZ24lM0ElMjBjZW50ZXIlM0IlMjIlM0UlM0NhJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwYmxvY2slM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGaXR1bmVzMi5qb2dhYmlsaWRhLmRlJTJGJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIyZmElMjBmYS1tdXNpYyUyMGZhLTN4JTIyJTIwc3R5bGUlM0QlMjJkaXNwbGF5JTNBJTIwaW5saW5lLWJsb2NrJTNCJTIwbWFyZ2luJTNBJTIwMCUyMDEwcHglM0IlMjBjb2xvciUzQSUyMCUyM2ZmZiUzQiUyMiUzRSUzQyUyRmklM0UlMjAlM0NwJTNFSXR1bmVzJTNDJTJGcCUzRSUzQyUyRmElM0UlM0MlMkZkaXYlM0U=[/vc_raw_html][vc_raw_html css=”.vc_custom_1448870206131{margin-top: -25px !important;}”]JTNDYSUyMGhyZWYlM0QlMjJodHRwJTNBJTJGJTJGeW91dHViZS5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJ5b3V0dWJlLWJ1dCUyMGZhLXlvdXR1YmUtcGxheSUyMGZhLTJ4JTIyJTNFJTNDJTJGaSUzRSUzQyUyRmElM0UlM0NhJTIwaHJlZiUzRCUyMmh0dHAlM0ElMkYlMkZmYWNlYm9vay5jb20lMkZqb2dhYmlsaWRhZGUlMjIlMjB0YXJnZXQlM0QlMjJfYmxhbmslMjIlM0UlM0NpJTIwY2xhc3MlM0QlMjJmYWNlLWJ1dCUyMGZhLWZhY2Vib29rJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRSUzQ2ElMjBocmVmJTNEJTIyaHR0cCUzQSUyRiUyRnR3aXR0ZXIuY29tJTJGam9nYWJpbGlkYWRlJTIyJTIwdGFyZ2V0JTNEJTIyX2JsYW5rJTIyJTNFJTNDaSUyMGNsYXNzJTNEJTIydHdpdC1idXQlMjBmYS10d2l0dGVyJTIwZmEtMnglMjIlM0UlM0MlMkZpJTNFJTNDJTJGYSUzRQ==[/vc_raw_html][divider line_type=”Full Width Line” custom_height=”20″][toggles][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Trilha do Podcast”][vc_column_text]

  • “First Crush”, por Saberpulse
  • “Butterfly”, de Age of Youth
  • “Silêncio Embaraçoso”, por Ninguém
  • “The Colossal Finale Parte 2”,de Colossal
  • “Now You Are A Hero”, de You Have to Burn the Rope

[/vc_column_text][/toggle][toggle color=”Extra-Color-1″ title=”Blocos do Podcast”][vc_column_text]

  • Tatuagem: 00:02:37
  • Age of Youth (Hello, My Twenties): 00:27:52
  • Terrace House: 00:40:16
  • Hush: 00:46:35
  • Colossal: 01:02:37

[/vc_column_text][/toggle][/toggles][/vc_column][/vc_row]

  • mihairokov

    “Goodnight, Mommy” é um filme alemão de 2014 com uma premissa muito simples, a mãe de dois garotos gêmeos volta do hospital com o rosto coberto como parte da recuperação de uma cirurgia plástica e os garotos não acreditam que essa mulher seja realmente a mãe deles.

    O filme tem vários momentos tensos e um plot twist incrível no final, eu tenho certeza que o Sushi vai gostar muito.

    • mihairokov

      “The Kingdom of Dreams and Madness” é um documentário de 2013 mostrando a produção de “Vidas ao Vento”, o último filme dirigido pelo Miyazaki.

      O documentário mostra uma boa parte do processo criativo do filme e vários problemas que o Studio Ghibli precisa lidar durante o seu lançamento, o Miyazaki é um velhinho muito fofinho, é impossível chegar ao fim desse documentário sem se apaixonar pelo jeito que ele enxerga o mundo

      Eu tenho certeza que algum dos jogabilideiros vai adorar esse documentário.

      • Sushi0

        Esse eu já assisti e é bacana mesmo.

  • MarcusVss

    Nem ouvi ainda, mas espero que a Clarice tenha se tornado participante fixa do Fora da Caixa

    • Gabriel PS

      Também espero. Tenho gostado muito da participação dela

      • MarcusVss

        Bom avatar 😉

  • Gabriel PS

    É foda ouvir algum papo sobre tatuagem porque bate uma vontade ABSURDA de sair e ir fazer uma também. Tô pra fazer várias há anos já.

    E, longe de mim cobrar, mas ainda aguardo o Sushi e companhia ver o filme coreano que recomendei no twitter tempos atrás, o The Wailing (O Lamento no BR).
    Tenho muita curiosidade pra saber se vão achar uma bosta completa ou vão achar tão bom quanto eu. Pq… ouso dizer, que considero uma pequena e estranha obra prima esse filme.
    Pra quem se interessou, é um filme do mesmo diretor do filme CHASER. E não recomendo ver o trailer, só vai.

    • Brenno Arruda

      O Chaser é muito foda! Foi o primeiro que vi do diretor e acho o melhor. O The Wailing foi legal, mas no final eu fiquei muito confuso e não entendei direito, tenho que ver denovo…

      • Gabriel PS

        É, eu também fiquei confuso na primeira vez, mas recomendo revisitar sim. Não só reassistir como depois pegar alguns videos de explicação que tem no youtube. Dão uma boa esclarecida com umas interpretações bem daoras.

        E acho que o grande problema do The Wailing, quanto do Chaser é o ritmo. O inicio do Wailing é uma parada muito estranha e arrastada. Pode causar enfado, dependendo do estado do espirito de quem for ver.

  • Gabriela Souza

    po, ia achar super maneiro o símbolo da vila da folha tatuado na mão! hahahahahahaha o bom de tatuar a palma da mão é que as células se gastam muito e não dura bonitinha pra sempre igual nos lugares ˜convencionais˜ do corpo.

    • André Campos

      Mas aí é pior ainda, não? Ela deve ficar borrada, tipo tatuagem de cadeia?

  • Iuri Amauri Girolometo

    Sobre a tatuagem da vila da folha: Um amigo meu tem a “marca da maldição” no ombro/pescoço, na mesma posição do Sasuke.

    Sim…

    • Rapaz…

      • Iuri Amauri Girolometo

        Admito que na época achei legal, mas hoje em dia é complicado.

    • Andre Bordo

      não posso falar nada, quando tinha 18 fiz o símbolo da ANBU em “3D” no ombro ahahahahaha

  • Guilherme de Sá

    Tenho um amigo com uma história parecida com a do Caio, mas ele foi as vias de fato: tatuou bêbado um sharingan no mamilo.
    Ele também é conhecido por ter um retrato circular do Angus Young no antebraço, que por suas bordas grossas mais parecem um pneu do que qualquer outra coisa.
    Sempre que convém elogiamos a bela calota do braço dele.

    • Eu tô rindo só de imaginar a rua descrição da tatuagem de pneu

  • Brenno Arruda

    Eu indiquei Terrace House para vc André e não pro Sushi! Eu achei que vc ia gostar… Mas se vc viu oito episódios e não gostou, então não é pra vc mesmo. Os draminhas são bobos mais eu gosto de ver pelo shock cultural. É uma pena, eu acho ridiculamente bom e não existe quase nem um tipo de conteúdo falando sobre ela.

    • André Campos

      O choque cultural é bem legal no começo, mas depois de um tempo ele passa e não tem muito mais que me prenda lá. Mas de fato é bem diferente!

  • Schmidtera

    Bacana…adoro tattoo autoral, original e exclusiva!!

  • Andre Bordo

    Assistam “W – Two Worlds”, melhor dorama coreano que já vi, e olha que não gostava de doramas!

    A história fala sobre um autor de Manhwa que pretende matar o protagonista do seu manhwa, porém o protagonista se recusa a morrer e devido a um fato (spoiler) faz com que o final do manwha sempre mude! Pra piorar a filha do autor vai parar dentro do manhwa, é muito bom, ainda mais os efeitos visuais!!

  • Machisto opressor 2.0

    Ei corra, c num tem o instagram do tatuador? fiquei interessado em ver as artes dele, mas num faço a minima ideia de como caçar ele

  • Lucas Souza

    Eu amo a pessoa que editou esse podcast e escolheu a musica de “You Have to burn the rope” pra finalizar <3

    • Eu vim aqui só pra falar isso também hahaha! Melhor jogo em flash que já joguei

  • Machisto opressor 2.0

    Já que 6 decidiram ver séries japonesas/koreanas, assistam aí midnight diner, encontrei ela buscando na netflix por coisas parecidas com lost in translation (já que lost in translation mesmo não tem né) e me surpreendi um bocado > é uma série japonesa que acompanha os clientes de um restaurante que funciona da meia noite até as 7, como a série acompanha esses personagens da vida noturna do japão, marginalizados (que vão de uma motorista de taxi ex atriz de takayatsu, até um ator porno que já contracenou com mais de 1000 mulheres), ela traz varias reflexões sobre amor, a concepção de familia, companherismo que você realmente não imaginava. a série é muito fofinha, super good vibe e diferente, totalmente fora do que eu esperaria de algo saído do japão baseado na minha vasta experiência com animes. então FIKDIK

  • Vitor Calfa

    Povo do Jogabilidade, só para esclarecer algumas coisas sobre ritmo de gravação em novelas: Trabalhei na Teledramaturgia do SBT de 2004 até 2008 e posso descrever um pouco do modus operandi destas produções malucas. Obviamente há pequenas diferenças aqui e ali entre emissoras, mas pelo que me foi relatado de companheiros de trabalho que passaram pelo canal global, Rede TV, Manchete, Bandeirantes e Record, no geral é a mesma coisa do SBT.

    Primeiramente, as gravações são realizadas de segunda a sábado, das 10 as 21hs normalmente, mas é bem comum estender esse período madrugada a dentro conforme a necessidade, seja ela de cronograma ou agenda de atores. As gravações ocorrem, em ritmo ideal, 03 meses antes do capítulo ir ao ar, no entanto há casos especiais como episódios com revelações ou com informações que tem que ficar retidas até o ultimo segundo. Nestes casos, as cenas em questão são gravadas geralmente na manhã do dia em que o capítulo for ao ar. Houve casos de produções que atrasaram de forma absurda em que as gravações estavam apenas uma semana ou alguns dias a frente do episódio ir ao ar (o início das atividades de teledramaturgia da TV Record por exemplo isso era comum e colegas de trabalho que foram para lá arrancavam os cabelos de desespero), mas estes casos são uma rara exceção.

    Quanto a antecedência de roteiros, não posso dizer sobre procedência de outros canais, mas no SBT a equipe como um todo recebia em média uma semana de antecedência os textos para dar tempo de produzir tudo (cenografia tinha que, na melhor das hipóteses, remontar cenários desmontados, adequá-los para gravação ou, na pior das hipóteses, projetar e construir um novo cenário conforme necessidades. Departamento de arte tinha que produzir objetos de cena, alimentos para cenas de jantar, alguns elementos de decoração para cenários, contratar equipes de dublês e efeitos especiais (chuva, incêndios, etc…) quando necessário. Figurino tinha que produzir ou adequar figurinos para cada personagem, etc. etc… Toda essa galera tinha que estar em constante comunicação com o departamento de continuidade, que orientava todos os outros departamentos para não haver erros de continuidade entre capítulos o cenas.

    Não sei qual a procedência de atores quanto a suas rotinas de decoração de texto, tive muito pouco contato com atores no meu período na empresa, mas imagino que estes estudavam seus textos as vésperas das gravações de fato, para manter a memória mais fresca, mas isto é meramente especulação de minha parte. Porém a própria estrutura de gravações já era pensada em comportar diversos takes prevendo a dificuldade dos atores em acertar seus textos.

    De fato, como vocês podem imaginar, era um ritmo de trabalho bem puxado. Além da rotina pesada, em períodos de transição de uma produção para a próxima, a equipe comia o pão que o diabo amassou, pois enquanto uma novela estava sendo finalizada, outra já estava em pré produção. Eu trabalhei como designer gráfico para cenografia e arte e confesso que virei muitas noites em vésperas de estreia de gravação, principalmente em cidade cenográfica, pois havia uma tonelada de objetos para produzir. Mas não posso reclamar do excesso de trabalho destes dias: o salário era EXCELENTE =D.

    • Taí. Tu matou uma curiosidade que eu tinha. Se há diversos takes, as frases que precisam ser decoradas são menores, o que facilita muito a vida.

      • Vitor Calfa

        Corraini, dependendo da performance do ator, as vezes as cenas eram uma colcha de retalhos. Cada mudança de câmera era um “corta” do diretor, intervalinho para o ator fixar a fala, e vai pro próximo enquadramento. Magia da ediçao que você deve conhecer bem. =D

  • samuel mascarenhas

    por um mundo com corraino com tatuagem da vila da folha na palma da mão.

  • Ademar Abiko Jr.

    Sobre doramas: os coreanos têm um feeling e um pacing bem diferente dos japoneses. Eu prefiro os japoneses justamente por eles encontrarem densidade nas coisas mais banais, o que acaba preenchendo melhor o tempo de tela. E isso também vale para as interpretações. É comum ver pessoas achando as atuações japas forçadas, mas se você começa a acompanhar programas de tv, youtubers e afins vc percebe que isso faz parte do jeito de ser deles. Essa entranheza em soltar sentimentos acaba sendo verossímil.

    Por fim, é uma pena que os japoneses sejam cabeça dura em relação a copyrights e liberem bem menos coisas no netflix e afins em comparação com os coreanos. De japa, no netflix, recomendo só o Midnight Dinner e mesmo assim com ressalvas. Mas vcs tem que assistir a Terrace House (principalmente o Boys and Girls in the City). É um reality show sobre o nada, mas vcs não vão se arrepender. E aposto que isso vira tema pra render a rodo no Fora da Caixa.

    No mais uma listinha de doramas jp não bobos, pra baixar e talvez convencê-los que tem umas gemas escondidas no gênero:

    soredemo ikite yuku (drama)
    hachimitsu to kuroba (college drama)
    mahoro ekimae bangaichi (drama)
    okitegami kyouko no bibouroku (detetive)
    ruri no shima (drama)
    ryuusei no kizuna (drama / detetive)
    spec (sobrenatural / detetive / viagem)

    E os bobos:

    my boss, my hero
    legal high
    nodame cantabile
    moteki
    water boys
    unubore deka

    • Clarice

      Vou começar a anotar de verdade em algum lugar as recomendações que fazem pra não esquecer xD Gostei da lista eclética (alguns aí eu até meio que conheço tipo Dorama Nodame graças ao anime). Eu comecei a assistir Midnight Diner e tava achando super gostosinho – e não só por ter comida envolvida! – agora eu tenho que encontrar um tempinho para terminar.

      Obrigada pelas recomendações! o/

  • Gabriel Azmodam

    (Minha opinião, pau no meu cu) Sempre achei uma ideia meio idiota tatuar pessoas em possoas, tipo, equivale a galera que cola adesivo de carro em carros… Tipo, WTF? A do Corrai ainda ficou bonita e tals por ser cartoon, mas 90% dos desenhos de pessoas em pessoas ficam extremamente zuados e viram uns trecos bizarros.

  • Gabriel Azmodam

    Tem dois doramas que eu amo muito do fundo do meu kokoro, Densha Otoko e My Boss, My Hero. Os dois são muito lecais, sério seres humanos, assistam.

  • Gabriel Azmodam

    Um filme de suspense extremamente sufocante e que da uma raiva inacreditavelmente gigantesca (Não por ser ruim, e sim por conta do vilão te dar muito odeio) é o filme Sul-Coreano chamado I Saw The Devil. Sério, esse filme é muito bom e horrível ao mesmo tempo, assistam.

    • Thales

      Filmes coreanos são assim. Bedevilled consegue ser ainda mais revoltante que I Saw The Devil na minha opinião. E tbm tem o The Hunter (que não é dá raiva , mas eu qria citar pq é um filmão da porra).

  • Luciano

    Já que o André gosta de Reality na Netflix tem o filme da Nova Zelândia: O Que Fazemos nas Sombras. The Office com vampiros.

  • Jhonathan Vieira

    Fazendo minha contribuição, o mundo precisa assistir The Sound of Your Heart. Melhor dorama que ja vi. Tem uma estrutura de esquetes, na vdd os episodios eram de 20 min mas no netflix eles juntaram em pares pra fzr episódios de 40 min. É meio biográfica e se baseia na vida de um cartunista coreano, muito hilário e fico triste de tão pouca gente conhecer.

    • Clarice

      Foi exatamente esse que minha amiga entendida dos doramas recomendou pra mim (quando eu disse que ia começar a ver Strong Woman). Eu já coloquei na minha lista do Netflix e tá lá, pro momento que eu precisar de algo engraçado pra assistir. Obrigada pela recomendação!

  • SmokeE3 .

    Querem um filme chinês bom? Detonando em barcelona!

X