was successfully added to your cart.

Sejam bem-vindos ao ainda novo formato  recheado de jogos do Vértice!

Nesta reunião de jogos AndréSushi e Corraini conversaram sobre o carismático e enigmático The Sexy Brutale, o bombástico e absurdo Tekken 7, o inesperado e divertido Drifting Lands e o bonito e rebelde Everspace!

E nos vemos na semana que vem para o episódio de notícias.

Tem alguma dúvida, questionamento ou tópico de discussão sobre games, a vida, o universo e métodos de ganhar dinheiro? Deixe-a nos comentários abaixo ou envie seu e-mail pelo formulário de contato ou para contato@jogabilida.de.

Links:

Trilha do Podcast

  • “Late Nite Funk Squad”, por David Tobin, Jeff Meegan e Malcolm Edmonstone
  • “Pariah”, de Steven Wilson

Blocos do Podcast

  • Tekken 7: 00:10:48
  • Drifting Lands: 00:42:49
  • Everspace: 01:01:03
  • The Sexy Brutale: 01:11:15
  • Lançamentos: 01:34:32
  • Caio Franco

    Tekken é meu jogo de luta favorito, por mais que eu tenha me afastado da franquia no ps2, joguei muito Tekken 3 (adorava jogo de Volei), joguei bastante tekken 4 e TAG na casa de um primo meu (passávamos noites e noites em claro jogando aquele boliche), Tekken 5 eu acabei jogando bem pouco considerando os outros, Tekken 6 foi maravilhoso, pegava o PSP de um amigo só pra jogar, porém o meu amor verdadeiro por Tekken surgiu no Tekken Revolution, aquele gratuito para o PS3, nele aprendi de fato a jogar Tekken, emendando combos, fazendo aéreos, aprendendo a dar counter, etc… Acabei comprando o TAG 2 para treinar, visto que o Tekken Revolution tinha esquema de fichas, e estou extremamente empolgado com Tekken 7, neste atual momento estou com 36 horas de Tekken, acabei (platinando com 20 Hrs jogadas), agora estou começando a focar na defesa agora, aprendendo a dar counter em outros personagens e atualizando os combos do meu User.

  • Machisto opressor 2.0

    caras, vocês não vão fazer tradução simultânea, ou vocês não vão fazer tradução nenhuma? tipo reactions only?

    • Sushi0

      Nesse caso tá mais pra reactions mesmo. A ideia é mais assistir todo mundo junto em vez de ficar traduzindo.

  • felipe malhame

    1 quilo de linguiça da pra 20 comer?

  • Fabricio Karim

    O final dos anos 90 foi a era de ouro dos jogos de luta. Hoje, apenas 6 séries sobreviveram – King of Fighter, Street Fighter, Mortal Kombat, Marvel vs Capcom, Dead or Alive e Tekken. Houve poucas novas franquias – Injustice, Skullgirl e jogos da Arc System.
    O melhor jogo que já joguei ainda é Soul Calibur 3, principalmente pelo modo “Chronicles of the Sword”. O meu preferido pe Dead or Alive 5. Tekken 7 pe um jogo que estou curioso para ver se vou gostar, mas me falta um demo do jogo.

    Pelas coisas que voce reclamou do Tekken 7, recomendo jogar o demo do Dead or Alive 5. Aroveite para comparar os dois jogos. Para inicio de conversa, é o melhor demo que vi num jogo – todos os modos de jogo, online e offline, exceto a historia, estao liberados. 4 dos 36 personagens já são seus. Tem o mais completo tutorial que eu ja vi emtre os jogos de luta. Alémdisso, mesmo após 6 anos a comunidade online ainda é ativa, graças a função de “Throwdown” que convida 2 jogadores online para uma luta.

    Esta Rage Art foi descaradamente chupada do Dead or Alive 5. Uma vez por round, quando sua vida esta piscando, pode-se soltar um supercombo pressionando direcional+soco+chute.

    • Fabricio Karim

      Avisando que o demo do Dead or Alive 5 na verdade e o executável do jogo com coisas bloqueadas. Caso compre algo para o demo estará comprando também para o jogo.
      Três personagens foram adicionados ao jogo após seu lançamento e tem que ser comprados em separado de qualquer forma, mas por este motivo podem ser comprados e usados no demo

  • Armoderic

    Quando vocês falaram sobre as dificuldades envolvendo jogos usando o espaço – me lembrou desse texto do Bruce Geryk – http://www.wargamespace.com/2014/05/05/starships-as-platforms/ que justamente aborda sobre os problemas e diferenças que jogos com ambientação espacial, tem em comparação a outros tipos de jogos.

  • Márvio

    Olá meninos, tenho algumas sugestões/críticas para vocês.

    Não conhecia o The Sexy Brutale e o jeito que vocês o descreveram, me vendeu o jogo logo de cara. Mas ao falarem sobre ele foi citado como um jogo “velho”, e minha reação foi de “Será que estamos perdendo avaliações de jogos bons simplesmente por ter passado o zeitgeist?”. Não sei se é o que o público do jogabilidade espera, ou a intenção de vocês, mas eu quando escuto o podcast não necessariamente espero que falem do jogo que saiu nesta semana/mês. Minha intenção não é pedir que discorram sobre jogos de SNES ou ir para uma linha mais nostálgica, mas como gosto de ouvir a opinião de vocês, falar de um jogo de 1 ano atrás não seria um problema para mim. Visto que agora temos 2 casts do vértice, falar de um jogo que já saiu do “radar”, talvez enriqueceria a pauta.

    Como dito no primeiro vértice de jogos, a intenção é detalhar mais ao falar de um jogo, citando preço, desenvolvedora, plataformas… E já neste episódio senti a falha ao comentarem do The Sexy Brutale em que somente é citado o preço em dólares e o preço da Steam. Na live por exemplo ele está por 39 reais, o preço próximo ao da Steam. Jogos somente digitais ultimamente estão chegando na Live com uma conversão de dólar de 1 para 2, enquanto na PSN de 1 para 3 aproximadamente. São informações que creio que tem relevância no cast. E curiosamente o jogo ainda não está disponível na PSN BR.

    Espero que considerem as sugestões/críticas em futuros episódios.
    Abraços

  • flavourzinho

  • ednaldofilho

    Adorei o podcast, vou ver se consigo jogar o sexy brutalmente, pelo que falaram deve ser mesmo muito bom.

    • Vou dizer que não ter o Lei me deixou triste também, apesar do meu favorito ser o Bryan.

  • Gilson Ríspoli

    Não ter o Lei Wulong no Tekken 7 foi fator determinante para não comprar o jogo. Nem baixei por vias ‘obscuras’ para testar se minha máquina aguenta. Sem ele não volto pra franquia. Jackie Chan for Life XD